DSpace

RI UFBA >
Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos - IHAC >
Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Poscultura) >
Teses de Doutorado (Poscultura) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32624

Title: Epidemias: um estudo sobre a cultura médico-científica na imprensa brasileira
Authors: Bandeira, Cláudio Antonio de Freitas
???metadata.dc.contributor.advisor???: Bortoliero, Simone Terezinha
Keywords: Cultura científica;Jornalismo científico;Comunicação em Saúde;Divulgação científca;Ciência - Cobertura científica
Issue Date: 13-Jan-2021
Abstract: O presente estudo tem como objetivo analisar como a imprensa retratou a cultura médicocientífica no suceder de algumas epidemias registradas no Brasil no decorrer do século XX e na primeira década do século XXI.
A abordagem midiática no campo da comunicação para a saúde se aperfeiçoou no intervalo de tempo das publicações aqui avaliadas, atestando e amplificando as rotinas do jornalismo que têm um papel de destaque no processo de construção de realidade nas sociedades contemporâneas. O modelo de news making, como verificado nas ocorrências epidêmicas, tem como valor de notícia padronizado a veiculação serializada dos números de casos, de óbitos e de previsões estatísticas de risco, cuja fonte comum são as oficiais.
A serialização pelos jornais de episódios negativos no decorrer daquelas epidemias e a inexistência de respostas baseadas em evidências científicas concretas colocam a população como refém do medo e o serviço médico em constante sobressalto, fato que insiste em se repetir desde setembro de 1918, na eclosão da pandemia de influenza espanhola. Apesar de todos esses percalços, no intervalo das I e II Guerras Mundiais, a cultura científica revolucionou o campo biomédico com o desenvolvimento de novos medicamentos, exames tecnológicos, rígidos protocolos de tratamento, além de crescente interação entre o profissional e o indivíduo, alterações que receberam ampla repercussão da imprensa e, restritivamente, sem deixar margens para outras formas de conhecimentos curativos.
A aparente evolução contrasta com os persistentes problemas sanitários que afligem significativa parcela da população brasileira, imersa em profundas desigualdades, problemas que acabam se refletindo na qualidade de vida e saúde desses grupos. A partir deste ângulo, busquei investigar e compreender como os jornais A Tarde (Salvador) e O Estado de S. Paulo (São Paulo) relataram as eclosões das epidemias que atingiram o país entre 1912 e 2012 e como esses veículos contribuíram para cristalizar a cultura médico-científica como praticada no Ocidente. Para fins de escolha do campo a ser estudado, foram elencadas quatro modalidades de epidemias – as de influenza, febre amarela, cólera e Aids, que eclodiram em períodos diferentes do intervalo analisado.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32624
Appears in Collections:Teses de Doutorado (Poscultura)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TESE-CLAUDIO__A__F__BANDEIRA_Epidemias__um_estudo_sobre_a_cultura_medico_cientifica.pdf106.97 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA