DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho (PPGSAT) >
Dissertações de Mestrado (PPGSAT) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31796

Title: Os significados socioculturais do corpo obeso em marisqueiras
Authors: Silva, Polyana Barbosa da
???metadata.dc.contributor.advisor???: Freitas, Maria do Carmo Soares de
Keywords: Corpo Humano;Obesidade;Mariscos;Alimentos Marinhos;Trabalhadores Condições de Trabalho
Issue Date: 9-Apr-2020
Abstract: Existem hoje no Brasil mais de 600 mil pessoas que vivem da pesca artesanal. Destas, há um contingente significativo de mulheres. Na produção artesanal clássica, a atividade marcada pelo trabalho familiar é fundamentada em conhecimentos empíricos, transmitidos pelos mais velhos. Do ambiente natural, a maré, essas populações extraem a principal fonte de seu sustento, suprindo muitas das demandas sociais ainda sem resposta estatal. A maré molda comportamentos, sugere crenças e dita ritmos de trabalho. O presente estudo objetivou compreender os significados do corpo no trabalho, em particular o corpo obeso, atribuídos por marisqueiras de uma comunidade quilombola em Ilha de Maré, Bahia. A abordagem metodológica qualitativa utilizou ferramentas da etnografia e da análise hermenêutica dialética para compreender a complexidade do cotidiano das marisqueiras. Foram realizadas entrevistas em profundidade sobre as relações entre o corpo e o trabalho, corpo e condições de vida e de saúde destas trabalhadoras. Percebeu-se que as marisqueiras não se percebem como obesas, sendo esta uma nomenclatura técnica pouco presente em seu cotidiano. A despeito da dor do trabalho que as castiga, surge a necessidade de sobrevivência que as faz permanecer na labuta da maré. O corpo gordo não as incomoda e sim o cansaço e a exaustão que tomam conta deste corpo, no trabalho sob o sol e no mangue, frequentemente por mais de dez horas por dia. Para elas, gordo significa saúde e bastante força para o trabalho. As marisqueiras vivem em situação de vulnerabilidade social e econômica e referiram que se sentem obrigadas a mariscar, desde a infância. As marisqueiras consideram o seu corpo como uma extensão do mangue e afirmam que o mangue e seus corpos estão entrelaçados pela força da maré.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31796
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGSAT)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
dissertacao_final_Poly_Recomendacoes_da_banca_Nidia.pdf545.99 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA