DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho (PPGSAT) >
Dissertações de Mestrado (PPGSAT) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31437

Title: Mulheres das águas: significações do corpo que trabalha na maré
Authors: Gomes, Thais Mara Dias
???metadata.dc.contributor.advisor???: Lima, Mônica Angelim Gomes de
Keywords: Pesca artesanal;Marisqueira;Trabalho;Corpo;Dor (illness)
Issue Date: 5-Feb-2020
Abstract: Comunidades pesqueiras, comunidades tradicionais de pesca e mariscagem ou, simplesmente, povos do mar, representam, no Brasil, um contingente populacional de aproximadamente 800 mil pescadores artesanais cadastrados. Metade desse contingente é representado por mulheres. É no espaço das areias das praias embebidas pelas lamas dos manguezais, que elas se lançam desvendando tradições, mitos, ritos, riquezas, belezas e estratégias de trabalho. O estudo objetivou compreender os significados do corpo-que-trabalha-na-maré atribuídos por mulheres pescadoras/marisqueiras. Apresenta como objetivo específico descrever o cotidiano de trabalho na maré. Realizou-se um estudo qualitativo, aproximando-se do método etnográfico, no período de janeiro de 2011 a janeiro de 2012, em uma comunidade pesqueira do município de São Francisco do Conde/BA, a Ilha das Fontes. Foram realizadas 6 entrevistas com marisqueiras da comunidade, assim como observado e vivenciado a atividade de trabalho. Abordar os aspectos socioculturais dos povos do mar, não e tarefa fácil, tendo em vista a reduzida produção acadêmica brasileira no âmbito das culturas populares da pesca. A atividade de mariscagem apresenta-se como uma arte, com possibilidade de execução não só por mulheres, mas idosos e crianças. É um ambiente que permeia entre a liberdade e o prazer; a dor e sobrevivência. Observou-se o corpo nas 7 fases que compreendem o trabalho na maré na Ilha das Fontes, executadas ao longo de uma jornada de 12 horas diárias que permeia também o ambiente doméstico. A dor surge nas mais variadas formas, representadas no corpo como uma dor generalizada, cansada, com riscos de acidentes no trabalho. Dessa forma, o corpo-que-trabalha-na-maré configurase não apenas com o olhar da avaliação biomecânica realizada pela Fisioterapia, mas extrapolando esse olhar sistemático para compreender o corpo em sua dimensão subjetiva e cultural.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31437
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGSAT)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação Final.pdf1.38 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA