DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Pós-Graduação em Medicina e Saúde (PPGMS) >
Teses de Doutorado (PPGMS) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29147

Title: Avaliação da capacidade preditiva dos indicadores clínicos e nutricionais para síndrome metabólica em idosos
Authors: Oliveira, Carolina Cunha de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Gomes Neto, Mansueto
Keywords: Idosos;Síndrome Metabólica;Antropometria;Hemograma;Contagem de leucócitos;Plaquetas
Issue Date: 3-Apr-2019
Abstract: Os indicadores clínicos e nutricionais podem ser utilizados como preditores de risco cardiovascular. No entanto, existem poucos estudos sobre a precisão dos diferentes parâmetros como preditores de síndrome metabólica (SM) em idosos. Esta tese objetivou analisar criticamente os estudos que avaliaram a capacidade dos indicadores antropométricos e clínicos para predizer a SM, assim como avaliar o desempenho dos indicadores de adiposidade na predição da SM e avaliar a precisão dos componentes do hemograma como método de triagem e marcador de SM em idosos. Métodos: A revisão de literatura foi realizada nas bases de dados eletrônicas Medline/PubMed, LILACS e SciELO, e análise das referências dos artigos selecionados. O estudo transversal foi conduzido com 203 idosos, de ambos os sexos, residentes em Instituições de Longa Permanência na cidade de Salvador-BA. As variáveis analisadas foram: Circunferência da Cintura (CC), Razão Cintura-Estatura (RCEst), Índice de Conicidade (IC), Lipid Accumulation Product (LAP), Visceral Adiposity Index (VAI), hemoglobina, hematócrito, leucócitos e plaquetas. A SM foi definida conforme o Critério Harmonizado. Foi realizado a análise da Curva ROC, área sob as curvas (AUC), sensibilidade, especificidade, índice de Youden e Regressão Logística. Resultados: A revisão sugere que os indicadores CC, RCEst e LAP apresentam melhor desempenho em identificar a SM, enquanto a circunferência do pescoço foi sugerida como um indicador alternativo, com menor poder discriminatório. Nos 203 idosos avaliados, os indicadores CC, RCEst e LAP apresentaram as maiores áreas sob a curva ROC (AUC > 0,84). No geral, a RCEst e o LAP apresentaram os maiores índice de Youden, com ponto de corte de 0,55 (sensibilidade: 85,6%, especificidade: 80,4%) e 32,3 (sensibilidade: 81,1%, especificidade: 75,0%), respectivamente. A CC e a RCEst apresentaram os melhores valores do Indice de Youden quando analisado por sexo, identificando ponto de corte para CC de 90,9 cm para homens e 80,2 cm pra mulhers, enquanto para a RCEst foi de, aproximadamente, 0,55 para homens e mulheres. O menor poder discriminatório foi para os indicadores IC e VAI. A contagem de leucócitos apresentou correlação com os componentes da SM, com a glicemia (r=0,153; p=0,039), triglicerídeos (r=0,167; p=0,022) e pressão arterial diastólica (r= –0,206; p=0,017). Entre os sexos, a maior área sob a curva ROC foi para contagem de leucócitos para os homens (AUC: 0,690) e das plaquetas para as mulheres (AUC: 0,591). A contagem de leucócitos apresentou o maior índice de Youden para triagem da SM, com ponto de corte de 7.514 10³/mm³ para homens e 5.626 10³/mm³ para mulheres. Idosos com leucócitos superior a estes apresentaram 2,4 vezes maior chance de desenvolver SM. Conclusão: Os indicadores CC, RCEst, LAP tiveram alta precisão na discriminação da SM. A contagem de leucócitos foi um bom indicador de triagem para identificar idosos com maior risco para desenvolvimento de SM. Esses indicadores demonstram que idosos com alteração nesses parâmetros devem receber mais atenção, por estar relacionado com potencial risco de desenvolver SM, sendo eficazes na avaliação da SM e no acompanhamento da prática clínica individual e coletiva de idosos.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29147
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGMS)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Carolina Cunha de Oliveira - TESE.pdf7.03 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA