DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Pós-Graduação em Ciências da Saúde (POS_CIENCIAS_SAUDE) >
Dissertações de Mestrado (POSSAUDE) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/24264

Title: Queixa de tontura e território neurovascular acometido após acidente vascular cerebral
Authors: Sousa, Mayra Castro de Matos
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira Filho, Jamary
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Pinto, Élen Beatriz Carneiro
Keywords: Acidente vascular cerebral;Tontura;Territórios neurovasculares
Issue Date: 28-Sep-2017
Abstract: QUEIXA DE TONTURA E TERRITÓRIO NEUROVASCULAR ACOMETIDO APÓS ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL. Introdução: A tontura pode ser a principal ou única queixa de pacientes após acidente vascular cerebral (AVC), sendo um importante fator de limitação da funcionalidade, prejuízo no controle postural e desempenho na marcha. Objetivo: Verificar a associação entre a queixa de tontura, mobilidade funcional e desempenho na marcha com o território neurovascular acometido após AVC. Casuística e Método: Trata-se de um estudo observacional de corte transversal, realizados em indivíduos com diagnóstico de AVC, submetidos a exames de angiotomografia ou angiorressonância, atendidos em um ambulatório de doenças cerebrovasculares de Salvador, BA. Foram coletados dados sócio demográficos e clínicos, aplicado um formulário para caracterização da tontura e as seguintes escalas: National Institutes of Health Stroke Scale (NIHSS), Índice de Barthel Modificado (IBm), Timed Up & Go Test (TUG), Dynamic Gait Index (DGI), e Dizziness Handicap Inventory (DHI). Realizada análise univariada pelos teste Qui-quadrado, teste Exato de Fisher, T student ou Mann-Whitney U. As variáveis com possíveis associações (p< 0,1) foram incluídas em um modelo multivariado de regressão logística e ajustadas para idade e gênero. Resultados: 80 indivíduos foram analisados em dois grupos: com acometimento da circulação posterior (CACP) e sem acometimento da circulação posterior (SACP). Houve predomínio do gênero feminino na amostra, a média de idade em anos foi semelhante entre os dois grupos (CACP: 61 versus SACP: 55) e a hipertensão arterial sistêmica (HAS) foi a comorbidade mais prevalente (CACP: 77% versus SACP: 17%). A gravidade do AVC pelo NIHSS apresentou uma mediana de 2 pontos em ambos os grupos. Resultados dos testes funcionais e do questionário de qualidade de vida não apresentaram diferenças significativas, TUG (p =0,595), DGI (p=0,072) e DHI (p= 0,568), o IBm mostrou significância estatística (p=0,018). A análise multivariada ajustada para a variáveis com p<0,1, mostrou que o NIHSS (OR 0,73 IC 95% 0,54-0,98 p=0,037) e a tontura oscilatória (OR 11,8 IC 95% 1,6-87,7 p = 0,016) apresentaram uma associação independente com o acometimento da circulação posterior. Conclusão: Os testes funcionais não foram úteis para a diferenciação do acometimento dos territórios neurovasculares, mas sintomas como a tontura oscilatória pode ser considerada uma importante fonte de preditores para o envolvimento da circulação posterior após evento cerebrovascular.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/24264
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (POSSAUDE)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação_ICS_ Mayra Castro de Matos Sousa.pdf4.51 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA