DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Artigos Publicados em Periódicos (Medicina) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/2183

Title: Doença hidática policística: análise secundária de dados
Other Titles: Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões
Authors: Siqueira, Nilton Ghiotti de
TCBC-AC
Jesus, Rogério Santos
Tanajura, Davi
Tavares-Neto, José
Keywords: Echinococcus vogeli;Equinococose;Métodos;Análise estatística;Terapêutica;América Latina
Issue Date: 2003
Abstract: OBJETIVO: Rever, usando a metodologia de análise secundária de dados, os casos descritos de doença hidática policística (DHP) pelo Echinococcus vogeli, quanto às características clínico-epidemiológicas, de evolução e procedimentos terapêuticos. MÉTODO: Foram usados cinco bancos eletrônicos; anais de eventos científicos da área de Medicina Tropical; livros textos; consultas aos índices remissivos de revistas não-indexadas e a especialistas. As 52 variáveis estudadas foram categorizadas para cada caso de DHP e registradas em ficha-padrão. Somente foram incluídos os casos com comprovação histológica e/ou parasitológica do E. vogeli. RESULTADOS: Foram recuperados 131 trabalhos publicados e uma comunicação pessoal, sendo grande parte com somente um caso descrito, e entre estes apenas 17 (12,9%) tinham casos com comprovação do agente etiológico, com um total de 44 pacientes: 52,3% do sexo masculino; média de idade de 45,0 (± 16,7) anos; e 50% descritos no Brasil. A presença de massas e a dor abdominal foram registradas em 94,7% (18/19) e 92,6% (25/27), respectivamente. Não houve diferença estatística (p>0,20) entre os resultados do tratamento clínico (albendazol) e cirúrgico, mas as freqüências de "sem êxito" foram, respectivamente, de 0% e 28,6%, e as de óbitos de 0% e 21,4%. CONCLUSÕES: A maioria dos trabalhos sobre a DHP não tem pacientes com comprovação etiológica e, conseqüentemente, é possível que parte do conhecimento clínico atual sofra mudanças significativas por investigações futuras. De outra parte, os dados levantados indicam que a melhor opção terapêutica, nos casos irressecáveis, é o uso de albendazol.
Description: p.205-215,v.30,n.3, May/June 2003
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/2183
ISSN: 0100-6991
Appears in Collections:Artigos Publicados em Periódicos (Medicina)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
a08v30n3.pdf734.91 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA