DSpace

RI UFBA >
Instituto de Ciências da Saúde - ICS >
Programa de Pós-Graduação em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas (PPGORGSISTEM) >
Teses de Doutorado (PPGORGSISTEM) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20885

Title: Práticas alimentares no primeiro ano de vida e experiência de cárie aos 10 anos de idade - estudo de coorte
Authors: Santos, Susana Paim dos
???metadata.dc.contributor.advisor???: Gomes Filho, Isaac Suzart
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Vieira, Graciete Oliveira
Keywords: Hábitos alimentares;Criança;Aleitamento materno;Cárie dentária;Estudos longitudinais;Fatores de risco
Issue Date: 19-Oct-2016
Abstract: Introdução: As práticas alimentares estabelecidas desde o nascimento da criança têm forte influência nas preferências dos alimentos e, consequentemente, na educação alimentar do indivíduo, cujo efeito é percebido na sua saúde, incluindo a condição bucal. Objetivo: verificar a associação entre as práticas alimentares aos 12 meses de vida e a experiência de cárie aos 10 anos de idade, em uma coorte de nascidos vivos de Feira de Santana-Bahia. Material e Método: Foram examinadas 233 crianças, usando critérios de diagnóstico de cárie propostos pela Organização Mundial de Saúde. A experiência de cárie foi definida como recomenda a Organização Mundial da Saúde: índices ceo-d+CPO-D=0 e ceo-d + CPO-D=≥ 1. As práticas alimentares avaliadas aos 12 meses de idade foram: presença do aleitamento materno, frequência desse aleitamento, uso de mamadeira para tomar outros líquidos, ingesta de alimentos durante o sono e consumo de bebidas industrializadas. A associação entre as práticas alimentares e a cárie dentária foi estimada por meio de análises univariadas e modelos de regressão multivariada de Poisson, com variância robusta, obtendo-se as medidas de associação bruta e ajustadas a covariáveis confundidoras e seus respectivos intervalos de confiança a 95%. Três diferentes modelos ajustados foram construídos e o nível de significância foi de 5%. Resultados: A prevalência de cárie no grupo estudado foi 51,1% e a média do ceo-d+CPO-D foi 1,50 ± 2,10. Dentre as práticas alimentares, somente a realização do aleitamento materno (RRbruto = 1,40, IC95% [1,07 - 1,82]) e a frequência de aleitamento materno maior ou igual a 4 vezes ao dia (RRbruto = 1,52, IC95% [1,19 - 1,95]) se mostraram associadas à experiência de cárie aos 10 anos de idade. As medidas de associação variaram de RRajustada = 1,32 a 1,42 e RRajustada = 1,41 a 1,52 para a realização do aleitamento e da freqüência, respectivamente, com significância estatística (p ≤ 0,05). Nas crianças que realizaram aleitamento materno aos 12 meses de vida, o risco de apresentarem cárie aos 10 anos de idade foi de 32% a 42% maior que entre aquelas que não o realizaram no mesmo período; e naquelas que tinham a frequência de aleitamento materno igual ou superior a 4 vezes ao dia, o risco de apresentar cárie aos 10 anos de idade foi de 41 a 52% maior. Conclusão: Os resultados deste estudo indicam que as práticas alimentares de aleitamento materno e a sua frequência ≥4/dia aos 12 meses de vida revelam risco à cárie dentária na idade escolar, independente de outros fatores. Isto indica a necessidade de acompanhamento e intervenção quanto à adoção de hábitos alimentares saudáveis desde o primeiro ano de vida.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20885
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGORGSISTEM)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Susana Paim dos Santos.pdf2.63 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA