DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Pós-Graduação em Ciências da Saúde (POS_CIENCIAS_SAUDE) >
Teses de Doutorado (POSSAUDE) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18656

Title: Polimorfismo do gene da COX-2 e neuroimagem na doença de Chagas
Authors: Ornellas, Ana Carolina Pereira
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira Filho, Jamary
Keywords: Insuficiência cardíaca congestiva;Doença de Chagas;Disfunções cerebrais;Polimorfismo genético
Issue Date: 25-Feb-2016
Abstract: Introdução: A doença de Chagas é um importante problema de saúde pública, umas das principais cardiopatias na America do Sul e uma importante causa de acidente vascular cerebral (AVC). A doença de Chagas também é fator de risco para disfunção cognitiva e atrofia cerebral. A enzima ciclo-oxigenase-2 (COX-2) é ativada por estímulos inflamatórios como a doença de Chagas e tem papel na aterogênese. A presença do alelo C do polimorfismo do gene da COX-2 tem efeito protetor para doença coronariana e seu papel no AVC ainda é controverso. No presente estudo, o objetivo foi determinar se há associação entre o polimorfismo rs20417 do gene da COX-2 e doença de Chagas com alterações detectadas na ressonância magnética (RM) cerebral, bem como se a associação do polimorfismo com alterações da RM é modificada pela doença de Chagas. Métodos: Pacientes de dois ambulatórios de insuficiência cardíaca (IC) sem história clínica de AVC foram recrutados para este estudo. O diagnóstico de IC foi definido pelo médico cardiologista assistente do ambulatório. Amostras de sangue total foram coletadas e o DNA extraído para investigar o polimorfismo rs20417 do gene COX-2. Ressonância magnética foi avaliada de modo cego para dados clínicos quanto ao volume cerebral, volume cerebelar e volume de lesões da substância branca cerebral. Resultados: 71 pacientes foram estudados, 37 chagásicos e 34 não-chagásicos. A proporção de indivíduos que carregam o alelo C foi de 81% entre os chagásicos e 94% entre os não chagásicos. Ajustado para gênero e idade, o alelo C do polimorfismo apresentou associação significativa com menor volume cerebral (p=0,039). Em pacientes chagásicos, o alelo C do polimorfismo 12 rs20417 esteve associado com maior volume cerebral, enquanto que entre não-chagásicos ele esteve associado com menor volume cerebral (p=0,028 para a interação). Conclusões: O polimorfismo rs20417 da COX-2 não está relacionado com volume cerebelar e lesão de substancia branca. O polimorfismo da COX-2 esta associado com volume cerebral, estando o alelo C associado com menor grau de atrofia cerebral em chagásicos. Há uma interação significativa entre doença de Chagas e polimorfismo da COX-2 na determinação do volume cerebral.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18656
Appears in Collections:Teses de Doutorado (POSSAUDE)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese_Med-Ana Carolina Pereira Ornellas.pdf934.25 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA