DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/17954

Title: A (re)significação do cuidar: os itinerários terapêuticos da família na prática do cuidado ao sujeito com sofrimento mental
Authors: Carvalho, Laís Chagas de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Trad, Leny Alves Bomfim
Keywords: Família;Itinerário Terapêutico;Rede Social;Sofrimento Mental;Reforma Psiquiátrica;Family;Therapeutic Itinerary;Social Network;Mental Suffering;Psychiatric Reform
Issue Date: 20-Jul-2015
Abstract: A partir do movimento da Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB), novos modos de relacionamento com a loucura foram propostos com objetivo de transformar a realidade de sujeitos longamente institucionalizados. A família, reputada como primeiro espaço de socialização e de conformação identitária, passou a ser considerada unidade/locus prioritário de vivência da pessoa com sofrimento mental, a qual, por vezes, se mantinha afastada de sua dinâmica por um contínuo processo de isolamento social. Esta dissertação tem como objetivo compreender como a família tem realizado o cuidado ao sujeito com sofrimento mental, a partir do novo modelo de saúde mental apresentado pela RPB, por meio da perspectiva dos Itinerários Terapêuticos (IT). Trata-se de um estudo qualitativo de cunho exploratório que faz uso da abordagem compreensiva da análise de casos múltiplos e que ancora sua perspectiva teórica a partir da antropologia interpretativa de Clifford Geertz. A pesquisa contou com a participação de 11 familiares que foram selecionados a partir da inserção da pesquisadora em um CAPS do município de Salvador. Os sujeitos entrevistados apresentaram olhares e compreensões acerca da loucura, geralmente compatíveis com o rechaço e o estigma social da mesma, afastando e omitindo a pessoa com sofrimento por meio de forças expulsivas cotidianamente explicitadas. Não obstante isso, as famílias também demonstraram grande potência de transformação de sua realidade, produzindo confluências e relações que foram expressas por forças aglutinadoras capazes de enfrentar as dificuldades que o surgimento da aflição gera em sua unidade. Foi identificada, pelo estudo, uma rede de cuidados reduzida, geralmente limitada aos serviços de saúde especializados, sendo o CAPS e o Hospital Psiquiátrico, ambos pertencentes ao modelo biomédico oficial, os serviços prioritários de cuidado. As instituições religiosas apresentaram-se como recurso continuamente acessado pelas famílias, desde a primeira crise, e são buscadas das mais diversas formas, seja por movimentos de inserção ou de afastamento. A família extensiva e o apoio social comunitário, expressos, principalmente, pela participação de vizinhos no agenciamento do cuidado, mostrou-se elemento relevante pertencente ao modelo de auto atenção manifestado pelas famílias do presente estudo. Faz-se necessário que as equipes, no trabalho em saúde mental, compreendam os saberes e os modos de cuidado realizados pelas famílias e pelos sujeitos sociais em suas circunstâncias de vida.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/17954
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação Laís Chagas de Carvalho. 2015.pdf2.1 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA