DSpace

RI UFBA >
Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos - IHAC >
Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Poscultura) >
Dissertações de Mestrado (Poscultura) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15673

Title: De princesas a sapos escaldados: um estudo sobre as mulheres que amam demais anônimas (MADA)
Authors: Carvalho, Raquel Florence
???metadata.dc.contributor.advisor???: Colling, Leandro
Keywords: amor patológico;MADA
Issue Date: 21-Aug-2014
Abstract: Esta dissertação pesquisa a identidade patológica mada, com o objetivo central de entender como se dá a construção social da identidade mada, e as normas reguladoras sobre os gêneros, sexualidades e amor, a partir do estudo do Grupo Mulheres que Amam Demais Anônimas. Para isso, foi pesquisada a produção científica e leiga que compõe a literatura adotada pelo MADA e que direciona sua visão sobre os problemas enfrentados, a patologização da identidade mada e o plano de recuperação do vício de amar demais. A pesquisa utiliza os estudos queer e foucaultianos como principais referenciais teóricos. O resultado revela que no MADA, embora seja um grupo direcionado a um público de mulheres adictas em amar demais e, por “portarem um vício”, podem apenas controlar a doença, há mulheres que o utilizam como recurso terapêutico, mas não seguem com a identificação patológica. Ou seja, a identidade mada não é algo fixo na vida de mulheres que frequentam o MADA (mesmo por um longo tempo), o que fragiliza a categorização de doenças mentais vinculadas ao tema como “amor patológico” e “vício de amar demais”.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15673
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (Poscultura)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
dissertaçãodefinitivaf.pdf879.94 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA