DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC) >

Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15245

Título: Esquistossomose Mansônica no Estado da Bahia: produção da doença no espaço e medidas de controle.
Autor(es): Carmo, Eduardo Hage
Orientador: Barreto, Mauricio Lima
Palavras-chave: Esquistossomose Mansônica;Prevalência;Saúde Pública;Bahia
Data do documento: 21-Jul-2014
Resumo: Visando contribuir para o conhecimento das modificações no padrão de distribuição das prevalências municipais da esquistossomose mansônica no estado da Bahia e dos seus determinantes, foram analisados os resultados de inquéritos coproscópicos realizados em todo o estado nas décadas de 1950 a 1990. Verificou-se uma redução da prevalência média de esquistossomose para o estado como um todo de 15,6% para 9,5%, no período de estudo. Não foram observadas modificações substanciais no padrão de distribuição espacial da prevalência. Entretanto, em municípios do oeste, sudoeste e litoral norte do estado, verificou-se aumento da prevalência, indicando o surgimento de novas áreas de transmissão. Comparando-se as variações das prevalências municipais de acordo com a utilização da quimioterapia em larga escala, verificou-se que houve redução na bacia do Paraguaçu, onde vem sendo intensamente adotada tal medida, em proporção semelhante ao que foi observado para algumas áreas sem quimioterapia. As análises de correlação e regressão utilizadas não evidenciaram associação entre a quimioterapia e a variação da prevalência, observando-se correlações significativas entre esta última variável e a dinâmica populacional. Estes resultados indicam que a redução da prevalência de esquistossomose no estado não pode ser atribuída exclusivamente à utilização da quimioterapia, mas deve contemplar a articulação com os fatores relacionados à organização do espaço, que contribuem para diminuir o risco de transmissão. A forma incompleta e espacialmente desigual que caracteriza o processo de urbanização, aliada a intensa mobilidade da população, possibilita a disseminação da esquistossomose mansônica para novas áreas de transmissão, como evidenciado no estado da Bahia.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15245
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC)

Arquivos deste item:

Arquivo Descrição TamanhoFormato
Dissertação Eduardo Hage. 1994.pdf17,15 MBAdobe PDFVer/Abrir
Visualizar estatísticas

Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA