DSpace

RI UFBA >
Escola de Nutrição >
Programa de Pós-Graduação em Alimentos, Nutrição e Saúde (PGNUT) >
Dissertações de Mestrado (PGNUT) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10421

Title: Comida de rua na orla de Salvador-BA: um estudo na perspectiva socioeconômica e da segurança de alimentos
Authors: Silva, Sueli Alves da
???metadata.dc.contributor.advisor???: Cardoso, Ryzia de Cássia Vieira
Keywords: Trabalho informal;;Qualidade de alimentos;;Segurança alimentar e nutricional.
Issue Date: 4-May-2013
Abstract: A comida de rua compreende diversos alimentos e bebidas largamente comercializados em vias públicas, incluindo espaços de lazer, como as praias, ainda que inexistam estudos nesse cenário. Este estudo objetivou caracterizar o comércio de comida de rua na orla de Salvador-BA, sob a perspectiva socioeconômica, do trabalho e da segurança de alimentos. Realizou-se estudo exploratório e quantitativo, em 14 praias, com uso de questionário, que contemplava os seguintes blocos: características sócio-demográficas dos vendedores, características do trabalho e condições higiênico-sanitárias da atividade. A amostra contemplou 247 vendedores, média de idade 40,3 anos, sendo 55,9% mulheres, e 48,7% tinham até ensino fundamental completo. A mediana de tempo na atividade foi de nove anos, com média de jornada/dia de 8,3 horas; 46,2% trabalhavam apenas nos finais de semana; 72,0% tinham renda familiar mensal entre um e três salários mínimos, sendo que, para 29,1%, a renda obtida era única. Predominaram pontos de venda fixos (57,5%) e os produtos comercializados procediam, sobretudo, de supermercados (48,1%), fornecedores (36,8%) e feiras (36,%). Entre os alimentos comercializados verificou-se a prevalência de alimentos manufaturados (61,6%), apesar de água mineral/refrigerante (35,8%) e cerveja (35,2%) serem os alimentos mais comercializados, seguidos de acarajé (21,9%), água de coco (19%), peixe frito (14,2%) e abará (12,5%). Apenas 33,8% dos alimentos perecíveis eram conservados em caixas isotérmicas. Entre os entrevistados, 22,6% disseram não higienizar as mãos durante o trabalho, enquanto, 80,2% manipulavam alimento e dinheiro simultaneamente. O estudo revela a importância socioeconômica do segmento e a oferta e a tradição de alimentos nas praias, em contraposição às precárias condições higiênicas de seu funcionamento.
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10421
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PGNUT)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação_Nut_Sueli Silva.pdf2.26 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA