Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/35391
metadata.dc.type: Dissertação
Title: Conflitos em tela: uma trama de relações entre territorialidades e violências no cinema baiano
Other Titles: Conflicts on screen: A plot of relations between territorialities and violence in Bahian cinema
metadata.dc.creator: Matos, Matheus Vianna
metadata.dc.contributor.advisor1: Gomes, Itania Maria Mota
metadata.dc.contributor.referee1: Gomes, Itania Maria Mota
metadata.dc.contributor.referee2: Prysthon, Ângela Freire
metadata.dc.contributor.referee3: Vilas Bôas Araujo, Valéria Maria Sampaio
metadata.dc.description.resumo: Este trabalho constrói uma articulação entre cinemas baianos, territorialidades e violências, ideias-chave na pesquisa. Buscamos, então, conceber nossa própria filmografia a partir das formas de compreender territorialidades e violências em filmes baianos, num movimento de desestabilizar e reconstruir contextos. É devido à construção do nosso problema de pesquisa que se torna importante o movimento de contextualização radical, proposto por Lawrence Grossberg (2010), que busca dar conta de mapear as relações em um processo cultural e realizar desarticulações e rearticulações a partir desses contextos construídos na pesquisa. Ao apresentarmos territórios e violências a partir de suas múltiplas dimensões, tanto físicas quanto simbólicas, trabalhamos com uma rede relações que se manifestam nas mais diversas formas e entre os variados elementos sociais. Todo esse movimento nos levou a construir os três eixos que compõem a trama analítica: Articulações entre discriminações raciais, de gênero e de classe; Enfrentamentos e incorporações na cultura popular e suas práticas; Violências de estado. O modo de olhar nossa questão foi a partir de uma trama analítica, em que cada um dos eixos elaborados seja constituído por atravessamentos e inter-relações que nos dizem de diferentes contextos, sem que haja uma hierarquia ou separação entre eles. Defendemos uma abordagem inserida nos Estudos Culturais e com uma proposta de compreender os processos culturais a partir de suas múltiplas temporalidades. A partir dessa posição política e científica, vamos de encontro ao estabelecimento de marcos e ciclos, enquadramento recorrente na bibliografia sobre o cinema brasileiro. Portanto, este trabalho mapeia as disputas dos cinemas baianos, a partir de nossa preocupação com uma articulação entre territórios e violências. Compreendemos território a partir da aproximação com o trabalho de Rogério Haesbaert, que o discute tanto numa noção do simbólico, com marcas das experiências cotidianas, quanto uma noção funcional, do espaço físico onde são possíveis essas vivências. Como um desdobramento dessa abordagem, apostamos no conceito de territorialidade enquanto uma ideia-chave, compreendendo o conceito como algo presente na vida cotidiana e que permeia entendimentos sobre territórios. Assim como as territorialidades são múltiplas e coexistem, as violências e os conflitos sociais também. A partir da ideia foucaultiana de microfísica do poder, José Vicente Tavares dos Santos propõe uma microfísica da violência, que atinge diversas camadas sociais. Uma chave importante que convocamos aqui é a articulação de um tratamento do exótico e preconceituoso, que são violências simbólicas que perpassam as territorialidades também atuais, uma historicidade de violências que não pertencem apenas a um passado estático. Essa compreensão está em estreita relação com as diversas dimensões das violências em torno do gênero, raça, classe e religião. As dinâmicas de apropriação e disputas em torno da cultura popular, lutas simbólicas e físicas por territórios sagrados ou de comunidades tradicionais e tentativas de sobrevivência frente a discriminações raciais, de gênero ou classe foram algumas das questões que deixamos ver a partir da nossa trama analítica.
Abstract: This work builds an articulation between Bahian cinemas, territorialities and violence, key ideas in the research. We seek, then, to conceive our own filmography from the ways of understanding territorialities and violence in Bahian films, in a movement to destabilize and reconstruct contexts. It is due to the construction of our research problem that the movement of radical contextualization, proposed by Lawrence Grossberg (2010), which seeks to map the relationships in a cultural process and perform dislocations and rearticulations from these contexts built in search, is important. When presenting territories and violence from its multiple dimensions, both physical and symbolic, we work with a network of relationships that manifest themselves in the most diverse forms and among the various social elements. All this movement led us to build the three axes that make up the analytical plot: Articulations between racial, gender and class discrimination; Confrontations and incorporations in popular culture and its practices; State violence. The way of looking at our question was based on an analytical plot, in which each of the elaborated axes is constituted by crossings and interrelations that tell us from different contexts, without there being a hierarchy or separation between them. We defend an approach inserted in Cultural Studies and with a proposal to understand cultural processes from their multiple temporalities. From this political and scientific position, we go against the establishment of milestones and cycles, a recurring framework in the bibliography on Brazilian cinema. Therefore, this work maps the disputes of Bahian cinemas, based on our concern with an articulation between territories and violence. We understand territory from the approximation with the work of Rogério Haesbaert, who discusses it both in a notion of the symbolic, with marks of everyday experiences, and a functional notion, of the physical space where these experiences are possible. As a result of this approach, we bet on the concept of territoriality as a key idea, understanding the concept as something present in everyday life and that permeates understandings about territories. Just as territorialities are multiple and coexist, so are violence and social conflicts. Based on the Foucauldian idea of microphysics of power, José Vicente Tavares dos Santos proposes a microphysics of violence, which affects different social strata. An important key that we call here is the articulation of a treatment of the exotic and prejudiced, which are symbolic violence that permeates also current territorialities, a historicity of violence that does not belong only to a static past. This understanding is in close relationship with the various dimensions of violence around gender, race, class and religion. The dynamics of appropriation and disputes around popular culture, symbolic and physical struggles for sacred territories or traditional communities and attempts to survive in the face of racial, gender or class discrimination were some of the issues that we see from our analytical plot.
Keywords: Comunicação e cultura
Cinema - Bahia - Aspectos sociais
Territorialidade humana
Violência no cinema
Contextualização radical
Estudos culturais
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Bahia
metadata.dc.publisher.initials: UFBA
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Comunicação
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas ( POSCOM) 
Citation: VIANNA, Matheus. Conflitos em Tela: Uma trama de relações entre territorialidades e violências nos cinemas baianos. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Culturas contemporâneas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020.
URI: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/35391
Issue Date: 26-Aug-2020
Appears in Collections:Dissertação (PÓSCOM)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Final - Matheus Vianna Matos.pdf3,62 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.