Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/35036
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorTroi, Marcelo de-
dc.date.accessioned2022-04-06T23:56:13Z-
dc.date.available2022-04-02-
dc.date.available2022-04-06T23:56:13Z-
dc.date.issued2021-11-29-
dc.identifier.citationTROI, Marcelo de. Salvador, cidade movente: corpos dissidentes, mobilidades e direito à cidade. 2021. Tese (doutorado em Cultura e Sociedade), Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021. 336 f.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufba.br/handle/ri/35036-
dc.description.abstractBased on the new mobility paradigm, this thesis investigates the Old Center of Salvador and analyzes the sociocultural history of this territory based on the movement of people, objects and ideas. In addition to investigating how mobilities were at the base of changes in urban space, they are also seen as the social sphere capable of enhancing conflicts based on differences and social markers (race, gender and class). The idea of a dissident body capable of facing up to urban transformations imposed by hegemonies and the impositions of ways of life and other norms that govern the right to public appearance and transit in the city is pursued. Mobile artifacts and ways of moving (trams, cars, bicycles, walking, etc.) have emerged throughout history as structuring relations in the city space and also as tools for organizing and mobilizing people. The multidisciplinary investigation brings together knowledge from various fields of studies and theoretical currents such as urban studies, gender studies, anti-colonial studies, urban sociology, mobility studies and political ecology. These are conclusive elements of the thesis: 1 - modernity is not fully established in the city, despite the cars symbolizing a partial victory of hegemony, which does not happen without resistance, made in a special way by the dissident bodies; 2 - modernity represented a barrier to other ways of life not aligned with European life, namely, indigenous and African organization and practices; 3 - new social practices linked to the body can change the city; 4 - mobility has been able to bring people and interests together, expanding the right to the city; 5 - active transport reduces the emission of pollutants and outlines the future that is approaching from the end of the world as we know and from the profound changes that will take place by the end of this century; 6 - all these aspects, movements and mobilities underpin various popular manifestations in Salvador, which allows us to think of it as a "moving city", namely, a territory constituted and structured from the movement with reflection in events, such as Carnival, the Bahia Independence Party, processions, symbols such as the sloop and characters such as the “Mulher de Roxo”.pt_BR
dc.description.sponsorshipCAPESpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal da Bahiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCidades e viaspt_BR
dc.subjectCidades e vias - Salvador (BA) - Históriapt_BR
dc.subjectCidades e vias - Salvador (BA) - Aspectos sociaispt_BR
dc.subjectMobilidade socialpt_BR
dc.subjectSociologia urbanapt_BR
dc.subjectEcologia políticapt_BR
dc.subjectCentros históricos - Salvador (BA) - Aspectos sociais - Históriapt_BR
dc.subject.otherCities and roadspt_BR
dc.subject.otherCities and roads - Salvador (BA) - Historypt_BR
dc.subject.otherUrban sociologypt_BR
dc.subject.otherPolitical ecologypt_BR
dc.subject.otherHistoric centers - Salvador (BA) - Social aspects - Historypt_BR
dc.titleSalvador, cidade movente: corpos dissidentes, mobilidades e direito à cidadept_BR
dc.title.alternativeSalvador, a moving city: dissident bodies, mobilities and the right to the city.pt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.publisher.programPrograma Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Poscultura) pt_BR
dc.publisher.initialsUFBApt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADASpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::SOCIOLOGIA URBANApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIApt_BR
dc.contributor.advisor1Colling, Leandro-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/9841032316581104pt_BR
dc.contributor.advisor-co1Batel, Susana-
dc.contributor.advisor-co1Latteshttps://ciencia.iscte-iul.pt/authors/susana-batelpt_BR
dc.contributor.referee1Fernandes, Ana Maria-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5071350422821688pt_BR
dc.contributor.referee2Ventura, Andrea Cardoso-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/3600389009789341pt_BR
dc.contributor.referee3Rocha Lima, Eduardo-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8364590024938492pt_BR
dc.contributor.referee4Milanez, Felipe-
dc.contributor.referee4Latteshttp://lattes.cnpq.br/7864564954901404pt_BR
dc.contributor.referee5Colling, Leandro-
dc.contributor.referee5Latteshttp://lattes.cnpq.br/9841032316581104pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/9133673507625290pt_BR
dc.description.resumoCom base no novo paradigma da mobilidade, esta tese investiga o Centro Antigo de Salvador e analisa a história sociocultural desse território a partir do movimento de pessoas, objetos e ideias. Além de investigar como as mobilidades estiveram na base das modificações do espaço urbano, elas também são vistas como a esfera social capaz de potencializar conflitos a partir das diferenças e dos marcadores sociais (raça, gênero e classe). Persegue-se a ideia de um corpo dissidente capaz de fazer frente às transformações urbanas impostas pelas hegemonias e às imposições de modos de vida e outras normatividades que regem o direito ao aparecimento público e o transitar na cidade. Os artefatos móveis e as maneiras de se mover (bondes, automóveis, bicicletas, caminhabilidade, etc.) surgem, ao longo da história, como estruturantes das relações do espaço citadino e também como ferramentas para o agenciamento e mobilização de pessoas. A investigação, de caráter multidisciplinar, agrega conhecimentos de vários campos de estudos e correntes teóricas como estudos urbanos, estudos do gênero, estudos anticoloniais, sociologia urbana, estudos das mobilidades e da ecologia política. São elementos conclusivos da tese: 1 - a modernidade não se instaura completamente na cidade, apesar dos carros simbolizarem uma vitória parcial da hegemonia, o que não acontece sem resistência, feita de forma especial pelos corpos dissidentes; 2 - a modernidade representou uma barreira a outros modos de vida não alinhados com a vida europeia, a saber, organização e práticas indígenas e africanas; 3 - novas práticas sociais ligadas ao corpo podem modificar a cidade; 4 - a mobilidade tem sido capaz de aglutinar pessoas e interesses, ampliando o direito à cidade; 5 - o transporte ativo reduz a emissão de poluentes e desenha o futuro que se aproxima a partir do fim do mundo tal qual o conhecemos e das profundas transformações que ocorrerão até o final deste século; 6 – todos esses aspectos, os movimentos e as mobilidades alicerçam diversas manifestações populares em Salvador, o que nos permite pensá-la como “cidade movente”, a saber, um território constituído e estruturado a partir do movimento com reflexo em eventos como o Carnaval, a Festa da Independência da Bahia, procissões, símbolos como o saveiro e personagens como a Mulher de Roxo.pt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos - IHACpt_BR
dc.relation.referencesAGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009. ALBERTO, Carlos. A locomoção da cidade através dos tempos. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 1940. ALBUQUERQUE, Wlamyra. Algazarra nas Ruas: Comemorações da Independência do Brasil na Bahia (1889-1823). Campinas: Editora da Unicamp, 1999. ALBUQUERQUE, Wlamyra. Algazarra nas Ruas: Comemorações da Independência do Brasil na Bahia. Conversando com sua história (transcrição adaptada de uma palestra proferida por Wlamyra Albuquerque em 2009), n. 2, p. 17-28, julho 2014. AMADO, Jorge. Bahia de Todos-os-Santos: guia de ruas e mistérios de Salvador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. AMÂNCIO, Camila Trolez; NASCIMENTO, Luiz Fernando Costa. Asma e poluentes ambientais: um estudo de séries temporais. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 58, n. 3, p. 302-307, jun. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302012000300009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 jun. 2020 ANDRADE MATOS, Edvete. SÁ DE CARVALHO, Silvana. “Mobilidade urbana em Salvador: da cadeira de arruar ao interminável metrô”. Revista Transporte y Territorio, n.7, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, p. 119-149, 2012. Disponível em: <http://www.rtt.filo.uba.ar/RTT00707119.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2020. ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz. Brasília: Iphan, 2015. ANSHELM, Jonas. HUTLMAN, Martin. A green fat Climate change as a threat to the masculinity of industrial modernity. Norma: International Journal for Masculinity Studies, vol 9, n. 2, p. 84-86, 19 Mai. 2014. ARARUNA, Maria Léo Fontes Borges. O direito à cidade em uma perspectiva travesti: uma breve autoetnografia sobre socialização transfeminina em espaços urbanos. Revista Periódicus, n. 8, v. 1, p. 133-153, 2017. ARAÚJO, Ubiratan Castro de. “A Baía de Todos os Santos: um sistema geo-histórico resistente”. In: CAROSO, Carlos; TAVARES, Fátima; PEREIRA, Cláudio (org.). Baia de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 49-67. ASSAILLY, Jean-Pascal. Homo automobilis ou l’humanité routière. Paris: Édition Imago, 2018. ASSUNÇÃO, Gabriela de Andrade Lira Mota. Imagens dissolventes da narrativa de modernidade: interpretações sobre a tradição a partir de casos de demolições em Recife e Salvador (1909-1933). 2019. 254 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil, 2019. AZEVEDO, Paulo Ormindo. “Recôncavo: território, urbanização e arquitetura”. In: CAROSO, Carlos; TAVARES, Fátima; PEREIRA, Cláudio (org.). Baia de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 205-252. BAILEY, Beth L. From front porch to back seat: courtship in twentieth-century America. Maryland: Johns Hopkins University Press, 1989. BALBIM, Renato; KRAUSE, Cleandro; LINKE, Clarisse Cunha. (org.). Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA: ITDP, 2016. BAMBER, Jonathan L.; OPPENHEIMER, Michael; KOPP, Robert E; ASPINALL, Willy P.; COOKE, Roger M. “Ice sheet contributions to future sea-level rise from structured expert judgment”. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 116 (23), p. 11195-11200, Jun 2019. BARTHES, Roland. Mythologies. Paris: Editions du Seuil, 1957. BASTOS, Felinto. Ofício de Felinto Bastos sobre a locomoção moderna. Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Caixa 12, manuscrito, documento 24, Salvador, 1912. BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000. BENJAMIN, Walter. On Hashish. Cambridge MA: Harvard University Press, 2006. BENJAMIN, Walter. Rua de Mão Única. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. BERTOLINI, Luca. From “streets for traffic” to “streets for people”: can street experiments transform urban mobility?, Transport Reviews, p. 1-20, 06 mai. 2020. BIJKER, Wiebe E. Of bicycles, bakelites, and bulbs: toward a theory of sociotechnical change. Massachusetts: The MIT Press, 1995. BÖHM, Steffen; JONES, Campbell; LAND, Chris; PATERSON, Matthew (org). Against automobility. Oxford: The Editorial Board of the Sociological Review, 2006. BRANCALEONE, Cassio; DE BEM, Daniel. As rebeliões da tarifa e as jornadas de junho no Brasil. Porto Alegre: Editora Deriva, 2014. BRITO, Francisco Lacerda. Direito à calçada: o espaço e o pedestre na cidade de Salvador-BA. 2008. 176 f. Mestrado (Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social), Universidade Católica de Salvador, Salvador, Brasil, 2008. BROOKS, Daphne A. Bodies in dissent: spectacular performances of race and freedom, 1850-1910. Princeton: Duke University Press, 2006. BUCCI, Eugênio. A forma bruta dos protestos: das manifestações de junho de 2013 à queda de Dilma Roussef em 2016. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. BURNICHON, Joseph. Le Brésil d’aujourd’hui. Paris: Librairie Académique Perrin et Cie, 1910. BÜSCHER, Monika. URRY, John. WITCHGER, Katian. “Introduction: mobile methods”. In: BÜSCHER, Monika et al. Mobile Methods. London: Routledge Taylor and Francis Group, 2011, p. 01-19. BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. CALIXTO, Bruno. Emissão de CO2 de carros e motos cresce 192% no Brasil, diz pesquisa. Revista Época, Blog do Planeta, São Paulo, sp, out. 2016. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2016/09/emissao-de-co2-de-carros-e-motos-cresce-192-no-brasil-diz-pesquisa.html. Acesso em: 22 dez. 2020. CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. CAMINHA, Ana Cristina da Silva. SAPUCAIA, Adriano de Jesus. BARBOSA, Bárbara Lopes. BOAVENTURA, Bethânia de Almeida. ZANOLI, Fabrício Oliveira. ATAÍDE, Gabriela Vieira de Toledo Lisboa. SILVA, Isabel Aquino e. CHASTINET, Ivana da Costa. CERQUEIRA, Laís da Silva. “Gamboa de Baixo: patrimônio e direito à cidade”. In: FERNANDES, Ana. FIGUEIREDO, Glória Cecília. ESPINOZA, José Carlos Huapaya. Práticas coletivas e o direito à cidade em Salvador, Bahia. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2017, p. 23-35. CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo: Editora G. Gili, 2013. CARIBÉ, Daniel Andrade. Tarifa zero: mobilidade urbana, produção do espaço e direito à cidade. 2019. 380 f. Doutorado (Arquitetura e Urbanismo), Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2019. CARVALHO, Carlos Alberto. A locomoção da cidade através dos tempos: Plano Inclinado Golnçalves e Charriot. Palestra realizada no IGHB em 23 mai. 1938. CARVALHO, Cláudio Oliveira de; MACEDO JR., Gilson Santiago. “‘Ainda vão me matar numa rua’: direito a cidade, LGBTI+ e heterocisnormatividade na cidade-armário”. In: Introdução crítica ao direito urbanístico [recurso eletrônico] / organizadoras e organizadores, José Geraldo de Sousa Júnior [et al.]. Brasília : Editora Universidade de Brasília, 2019, p. 195-202. CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018. CEI, Vitor. BORGES, David (Org.). Brasil em crise: o legado das jornadas de junho. Vila Velha: RCG Comunicação/ Praia Ed., 2015. CEI, Vitor. DANNER, Leno Francisco. OLIVEIRA, Marcus Vinícius Xavier de. BORGES, David (Org.). O que resta das jornadas de junho. Porto Alegre: Editora Fi, 2017. CEPAL – Comissão Econômica para a América Latina e Caribe. La emergencia del cambio climatico en America Latina y el Caribe - ¿Seguimos esperando la catástrofe o pasamos a la acción? Santiago, Chile, 2020. CERQUEIRA, Luiz Lanat Pedreira de. O primeiro carro da Bahia: o Panhard 475 de José Henrique Lanat. Bahia: [s. n.], 2001. CÉSAIRE, Aimé. Discours sur le colonialisme. Paris: Éditions Présence Africaine, 1955. CÉSAIRE, Aimé. The complete poetry of Aimé Césaire. Middletown: Wesleyan University Press, 2017. CHAKRABARTY, Dipesh. “O clima da história: quatro teses”. Revista Sopro, n.91, [S.l.], p. 02-22, julho 2013. CLARKE, Simon. The marxist theory of overaccumulation and crisis. Science and Society, [S.l.], vol. 54, n. 4, p. 442-467, 1990. CLARSEN, Georgine. Revisiting ‘Driving while black’ - racialized automobilities in a settler colonial context. Mobility in History, v. 8., p. 51-59, 2017. CONCEIÇÃO, Jamile Santana da. Mulher negra e o direito à cidade: a bicicleta como ferramenta de autonomia e cura. 2018. 26 f. Projeto de Pesquisa (Bacharelado em Humanidades), Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB, São Francisco do Conde, Brasil, 2018. CORAZON, Ashley. Literature Review on Urban Trauma and Applying a Trauma-Informed Approach. Expressive Therapies Capstone Theses, 226, sp, 2019. Disponível em: <https://digitalcommons.lesley.edu/expressive_theses/226>. Acesso em: 03 jun. 2021. CORTÉS, José Miguel G. Políticas do Espaço: Arquitetura, Gênero e Controle Social. São Paulo: Editora Senac, 2008. COUTINHO, Juliana Fausto de Souza. A cosmopolítica dos animais. 2017. 300 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em Filosofia), Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, Brasil, 2017. CRESSWELL, Tim. On the move: mobility in the modern western world. New York: Routledge, 2006. CRUTZEN, Paul J. “Geology of mankind”. Nature, vol. 415, p. 23, 03 jan. 2002. CUNHA JÚNIOR, Henrique. NTU: Introdução ao pensamento filosófico Bantu. Revista Educação em Debate, v. 1, n. 59, ano 32, p. 25-40, 2010. CUNHA JÚNIOR, Henrique. Urbanismo africano: 6.000 anos construindo cidades (uma introdução ao tema). Revista Teias, v. 21, n. 62, p. 317-382, jul./set. 2020. DA SILVA, Marta Regina Paulo. “Meninas não desenham carros... mas têm meninas que desenham”: culturas infantis, relações de gênero e histórias em quadrinhos. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 3, p. 983-1009, abr. 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2015v33n3p983>. Acesso em: 16 jun. 2020. DAGGETT, Cara. Petro-masculinity: Fossil Fuels and Authoritarian Desire. Millennium: Journal of International Studies, Vol. 47(1), p. 25-44, 2018. DAMATTA, Roberto. DRURY, John. "Carnivals, Military Parades, and Processions." In: Carnivals, Rogues, and Heroes: An Interpretation of the Brazilian Dilemma. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1991, p. 26-60. DAMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1997. DANOWSKI, Débora. Negacionismo. São Paulo: n-1 Edições, 2018. DANOWSKI, Débora. O hiperrealismo das mudanças climáticas e as várias faces do negacionismo. Revista Sopro, n. 70, p. 01-11, Abril de 2012. DANOWSKI, Débora. VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie Editora/Instituto Socioambiental, 2014. DEL PRIORE, Mary. O mal sobre a Terra: uma história do terremoto de Lisboa. Rio de Janeiro: Topbooks, 2015. DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005. DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. São Paulo: Editora 34, 1996. DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. São Paulo: Editora 34, 2010. DELEUZE, Gilles. PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998. DEMOLI, Yoann. LANNOY, Pierre. Sociologie de l’automobile. Paris: Éditions La Découverte, 2019. DEMOLI, Yoann. Young People and Cars: “A Case of Frustrated Desire?”, Metropolitics, [on line], sp, 30 nov. 2018. Disponível em: <www.metropolitiques.eu/Young-People-and-Cars-A-Case-of-Frustrated-Desire.html>. Acesso em: 04 jul. 2020. DERRIDA, Jacques. “A Diferença”. In: DERRIDA, Jacques. Margens da filosofia. Campinas: Papirus, 1991, p. 33-63. DOS SANTOS, Daniel. Como fabricar um gangsta: masculinidades negras nos videoclipes dos rappers Jay-Z e 50 Cent. 2017. 176 f. Mestrado (Multidisciplinar em Cultura e Sociedade), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2017. DOWBOR, Monika. SZWAKO, José. Respeitável público...: performance e organização dos movimentos antes dos protestos de 2013. Novos estudos CEBRAP [online], n. 97, p. 43-55, 2013. DUARTE, Adriano Luiz. O "dia de São Bartolomeu" e o "carnaval sem fim": o quebra-quebra de ônibus e bondes na cidade de São Paulo em agosto de 1947. Revista Brasileira de História [online], v. 25, n. 50, p. 25-60, 2005. DUPUIS-DÉRI, Francis. Black blocs: abaixo às máscaras. Revista Verve, n. 30, p. 68-83, 2016. DURAN, Leandro Domingues; RAMBELLI, Gilson. Água de Meninos: insights de uma arqueologia subaquática da sociedade contemporânea. Revista Habitus - Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 221-242, ago. 2019. EDENSOR, Tim. Vital urban materiality and its multiple absences: the building stone of central Manchester. Cultural geographies, 20 (4), p. 447-465, 2012. ELTIS, David. Um breve resumo do tráfico transatlântico de escravos. In: A travessia do Atlântico, Banco de Dados do Tráfico de Escravos Transatlântico, Emory University, [on line], 2007, sp. Disponível em: <https://www.slavevoyages.org/voyage/essays>. Acesso em: 27 fev. 2020. ERVIN, Lorenzo Kom’boa. Anarquismo e revolução negra e outros textos do anarquismo negro. São Paulo: Coletivo Editorial Sunguilar, 2015. FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968. FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008. FARGE, Arlette. Lugares para a história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. FERNANDES, Ana. “Cidades e Cultura: rompimento e promessa”. In: JEUDY, Henri Pierre. JACQUES, Paola Berenstein. (Org.). Corpos e cenários urbanos: territórios urbanos e políticas culturais. Salvador: EDUFBA, 2006, p. 51-64. FERNANDES, Ana. (Org.). Acervo do EPUCS: contextos, percursos, acesso. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2014. FERNANDES, Ana. GOMES, Marco Aurélio A. de Filgueiras. “Idealizações urbanas e a construção da Salvador moderna: 1850-1920”. Espaço & Debates São Paulo, v.11, n.34, p. 92-103, 1991. FERNANDES, Florestan. A organização social dos Tupinambás. São Paulo: Editora Hucitec, 1989. FERREIRA FILHO, Alberto Heráclito. Desafricanizar as ruas: elites letradas, mulheres pobres e cultura popular em Salvador 1890- 1937. Revista Afro-Ásia, v. 1, n. 21-22, p. 239-256, 1998. FERREIRA FILHO, Alberto Heráclito. Quem pariu e bateu, que balance! Mundos femininos, maternidade e pobreza – Salvador, 1890-1940. Salvador: EDUFBA, 2003. FERREIRA, Edemir Brasil. A multidão rouba a cena: o quebra-quebra em Salvador (1981). 2008. 118 f. Mestrado (História Social), Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2008. FIGUEIREDO, Joabson Lima. SANTOS, Alvanita Almeida. Quem precisa de baianidades? - reflexões sobre as construções identitárias da Bahia. In: Congresso Internacional Abralic – Associação Brasileira de Literatura Comparada, XIV, 2015, Belém. Anais, Belém: Abralic, 2015. p. 01-12. FONSECA, Marina Silva. MOREIRA, Suelen da Silva. Mercado Modelo e sua Importância para o Desenvolvimento Econômico da Cidade Baixa. Revista Seminário Estudantil de Produção Acadêmica, v. 10, n. 1, p. 2-8, 2006. FOUCAULT, Michel. “Aula de 17 de março de 1976”. In: FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso do Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 287-315. FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2009. FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2001. FOUCAULT, Michel. Os anormais: cursos do Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987. FREMON, David K. The Jim Crow laws and racism in American history. New Jersey: Enslow Publishers, 2000. GAARD, Greta Claire. “Rumo ao ecofeminismo queer” [1997]. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n.19, p. 197-223, jan-abr 2011. GARTMAN, David. Three Ages of the Automobile: The Cultural Logics of The Car. Theory, Culture & Society, 21 (4–5), p. 169–195, 2004. Disponível em: <https://doi.org/10.1177/0263276404046066>. Acesso em: 27 abr. 2020. GILROY, Paul. “Driving while black”. In: MILLER, Daniel (ed.). Car Cultures. New York/Oxford: Berg, 2001, p. 81-104. GOMES FILHO, Antoniel dos Santos; LIMA, Antônio Ailton de Sousa; DA SILVA, Micael Pontes; NUNES, Larissa Ferreira; LAVOR FILHO, Tadeu Lucas. E quando as bichas, sapatão, travas e trans caminham pelas ruas? Os emblemas sociais da caminhabilidade no Brasil. Revista Sociologias Plurais, v. 7, n. 1, p. 276-297, jan. 2021. GOMIDE, Alexandre de Ávila. GALINDO, Ernesto Pereira. “A mobilidade urbana: uma agenda inconclusa ou o retorno daquilo que não foi”. Estudos Avançados [online], v. 27, n. 79, p. 27-39, 2013. GORZ, André. “A ideologia social do automóvel”. In: LUDD, Ned. (org). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2005, p. 73-82. GRAHAM, Richard. Alimentar a cidade – Das vendedoras de rua à reforma liberal (Salvador, 1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2010. GRAMSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. São Paulo: Hedra, 2008. GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere – vol. 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982. GRAMSCI, Antonio. Selections of the Prison Notebooks. New York: International Publishers, 1971. GREGORI, Márcia Sandoval. “Imagens por uma vida sem catracas”. Revista ARA, n. 7, v. 7, p. 18-35, 2019. GUERREIRO, Goli. Terceira Diáspora: culturas negras no mundo atlântico. Salvador: Corrupio, 2010. HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2000. HABSBURGO, Maximiliano. Bahia 1860: esboços de viagem. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro; Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1982. HARAWAY, Donna. “Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes”. Revista ClimaCom Cultura Científica – pesquisa, jornalismo e arte, [S.l.], ano 03, n.05, p. 139-146, mar. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2OMNQsa>. Acesso em: 20 ago. 2018. HARKOT, Marina Kohler. A bicicleta e as mulheres: mobilidade ativa, gênero e desigualdades socioterritoriais em São Paulo. 2018. 194 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2018. HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 2008. HARVEY, David. Paris, capital da modernidade. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015. HEUSSENSTAMM, Frances Kovacs. “Bumper stickers and the cops”. Trans-action, v. 8, p. 32–33, 1971. Disponível em: <https://doi.org/10.1007/BF02804118>. Acesso em: 14 mai. 2020. HIRATA, Daniel Veloso. Produção da desordem e gestão da ordem: Notas para uma história recente do transporte clandestino em São Paulo. Dilema – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 4, n. 3, p. 441-465, 2011. INSTITUTO BRASILEIRO DE DIREITO URBANÍSTICO – IBDU. Direito à Cidade: Vivências e Olhares de identidade de gênero e diversidade afetiva & sexual. São Paulo: IBDU, 2017. 116 p. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Pesquisa de Informações Básicas Municipais, 2010. IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE URBANA EM CENTROS HISTÓRICOS. Brasília: Iphan, 2014. ITDP, MULTIPLICIDADE MOBILIDADE. Sensibilidade de variáveis sociodemográficas na mobilidade urbana, 2020. JOURDAN, Camila. 2013: memória e resistência. Rio de Janeiro: Circuito, 2018. KALLIS, Giorgos; DEMARIA, Federico; D’ALISA, Giacomo. “Decrescimento”. In: D’ALISA, Giacomo; DEMARIA, Federico; KALLIS, Giorgos. (Org.). Decrescimento: vocabulário para um novo mundo. Porto Alegre : Tomo Editorial, 2016, p. 14-16. KANANOJA, Kalle. As raízes africanas de uma doença brasileira – o banzo em Angola nos séculos XVII e XVIII. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 12, n. 23, p. 69-94, 31 dez. 2018. KEMMER, Laura. Bonding - Infrastructure, affect, and the emergence of urban collectivity. 2020. 241 f. Doutorado (Filosofia), Universität Hamburg, Hamburgo, Alemanha, 2020. KLEIN, Naomi. On: the burning case for a green new deal. Canada: Alfred A. Knopf, 2019. KONZEN, Lucas Pizzolatto. “A mudança de paradigma em sociologia urbana: do paradigma ecológico ao socioespacial”. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 45, n. 1, p. 79-99, abr. 2011. KOPP, Robert E; DECONTO, Robert M.; BADER, Daniel A.; HAY, Carling C.; HORTON, Radley M.; KULP, Scott; OPPENHEIMER, Michael; POLLARD, David; STRAUSS, Benjamin. Evolving Understanding of Antarctic Ice-Sheet Physics and Ambiguity in Probabilistic Sea-Level Projections. Earth’s Future, 5, p. 1217-1233, 2017. KOPP, Robert E; HORTON, Radley M.; LITTLE, Christopher M.; MITROVICA; Jerry X.; OPPENHEIMER, Michael; RASMUSSEN, D. J.; STRAUSS, Benjamin; TEBALDI, Claudia. Probabilistic 21st and 22nd century sea-level projections at a global network of tide-gauge sites. Earth’s Future, 2, p. 383–406, 2014. KRAAY, Hendrik. Entre o Brasil e a Bahia: as comemorações do Dois de Julho em Salvador no século XIX. Afro-Ásia, Salvador, n. 23, p. 49-87, 2000. KRENAK, Ailton. O amanhã não está a venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020. LA METTRIE, Julien Offray. L’Homme-machine [1747]. Paris: Numilog, 2001. LANDES, Ruth. A cidade das mulheres. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002. LATOUR, Bruno. Down to Earth: Politics in the New Climate Regime. Cambridge: Polity Press, 2018. LAZARIDIS, Iosif et al. The genetic structure of the world’s first farmers. BioRxiv, [S.l.], p. 01-37, jun. 2016. Disponível em: <https://www.biorxiv.org/content/10.1101/059311v1.full.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2020. LAZZARATO, Maurizio. Sujeição e servidão no capitalismo contemporâneo. Cadernos de Subjetividade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, p. 168-179, 2010. LEAL, Geraldo da C. Perfis urbanos da Bahia: os bondes, a demolição da Sé, o futebol e os galegos. Salvador: Gráfica Santa Helena, 2002. LEFEBVRE, Bruno. “La ritualisation du quotidien”. Ethnologie française nouvelle serie, T. 26, No. 2, p. 317-328, Avril-Juin 1996. Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/40989659?seq=1>. Acesso em: 15 mai. 2020. LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991b. LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001. LEFEBVRE, Henri. The production of Space. Cambridge: Blackwell, 1991a. LEITE, Rinaldo César Nascimento. E a Bahia civiliza-se...Ideias de civilização e cenas de anti-civilidade em um contexto de modernização urbana – Salvador, 1912-1916. 1996. 162 f. Mestrado (Programa de Pós-graduação em História), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 1996. LES CAHIERS Science & Vie. Les nouveaux mystères de Paris. n. 153. Paris: Mondadori France, p. 15-76, mai 2015. LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. São Paulo: Editora Anhembi Limitada, 1957. LIMA, Vivaldo da Costa. “O candomblé no Centro Histórico”. In: LIMA, Vivaldo da Costa. Lessé Orixá – Nos pés do Santo. Salvador: Corrupio, 2010, p. 235-255. LONGHURST, James. Las batallas de la bici. Pamplona: Katakrak Liburuak, 2019. LUCA, Tânia Regina de. “História dos, nos e por meio dos periódicos”. In: PINSKY, Carla Bessanezi (org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2008, p. 111-153. LUDD, Ned. (org). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2005. LUTZ, Catherine. FERNANDEZ, Anne Lutz. Carjacked: the culture of the automobile and its effect on our lives. New York: Palgrave Mcmillan, 2010. MAGNANI, José Guilherme Cantor. “De perto e de dentro: notas pra uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 49, pp. 11-29, jun. 2002. MALATESTA, Maria Ermelina Brosch. Andar a pé: um modo de transporte para a cidade de São Paulo. 2007. 254 f. Mestrado (Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo ), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2007. MARIANO, Agnes. A invenção da baianidade: segundo as letras de canções. Salvador: EDUFBA, 2019. MARICATO, Ermínia. “É a questão urbana, estúpido!”. In: MARICATO, Ermínia (Org.). Cidades rebeldes: passa livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013. E-book. MARTINE, George. SCHENSUL, Daniel (org.). The Demography of Adaptation to Climate Change. New York, London and Mexico City: United Nations Population Fund – UNFPA and El Colegio de México, 2013. MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858 : esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011. MATTOS, Wilson Roberto de. Negros contra a ordem: astúcias, resistências e liberdades possíveis (Salvador, 1850-1888). Salvador: EDUNEB/EDUFBA, 2008. MATTOSO, Katia M. de Queirós. Bahia, século XIX: uma província do império. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S.A., 1992. MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Portugal: Antígona Editores Refractários, 2017. MCSHANE, Clay. Transforming the Use of Urban Space: A Look at the Revolution in Street Pavements, 1880 − 1924. Journal of Urban History, n. 5, p. 279-307, 1979. MEADOWS, Donella H. et al. The limits to growth. New York: Universe Books, 1972. MELO, Victor Andrade de; SCHETINO, André. A bicicleta, o ciclismo e as mulheres na transição dos séculos XIX e XX. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 111-134, jan. 2009. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2009000100007/10986>. Acesso em: 27 maio 2020. MENA, Fernando Carrión; DAMMERT-GUARDIA, Manuel. “Introducción - El Derecho a la Ciudad: una aproximación”. In: MENA, Fernando Carrión; DAMMERT-GUARDIA, Manuel (Org.). Derecho a la ciudad: una evocación de las transformaciones urbanas em América Latina. Lima: CLACSO, Flacso - Ecuador, IFEA, 2019. MENDONÇA, Teresa Cristina de Sousa. Nuances da vida e da morte no cotidiano da cidade de Salvador da Bahia Seiscentista: a busca de evidências em um estudo paleobiológico. 2012. 320 f. Doutorado (Antropologia), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal, 2012. MENEZ, Alexandro R. Civilização versus barbárie: a destruição do morro do Castelo no Rio de Janeiro (1905-1922). Revista Historiador, n. 6, ano 6, sp, jan. 2014. MENEZES, Dirla Maria dos Santos. Revolta do Buzu: transporte público e direito social, em Salvador – 2003. 2017. 138 f. Mestrado (Desenvolvimento Regional Urbano), Universidade Salvador, Laureate International Universities, Salvador, Brasil, 2017. MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, n. 94, p. 01-18, junho/2017. MIGNOLO, Walter D. Trayectorias de re-existencia: ensayos en torno a la colonialidad/decolonialidad del saber, el sentir y el creer. Bogotá: Universidad Distrital Francisco José de Caldas, 2015. MILANEZ, Felipe. “O que pode vir a ser no Brasil a ideia de decrescer?”. In: D’ALISA, Giacomo; DEMARIA, Federico; KALLIS, Giorgos. (Org.). Decrescimento: vocabulário para um novo mundo. Porto Alegre : Tomo Editorial, 2016, p. 09-13. MILANEZ, Felipe. Cuerpo y alma del fascismo contemporáneo en Brasil - La ecología política del racismo y del extractivismo. Ecologia Politica, v. 59, p. 17-23, 2020b. MILANEZ, Felipe. Fundamentos de Ecologia. Salvador: UFBA, Faculdade de Direito/Superintendência de Educação a Distância, 2020a. MINISTÉRIO DAS CIDADES. INDICADORES DE EFETIVIDADE DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. Brasília: Ministério das Cidades, out. 2016. MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA, Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo, Inquérito Civil - IDEA 003.0.101732/2018, Recomendação n. 02/2019, 24 jul. 2019, 12 f. MIRANDA, Sílvia Camargo Fernandes. Como está o transporte em Salvador? Análise da qualidade do sistema de transporte coletivo por ônibus através da percepção das pessoas com deficiência. 2010. 198 f. Mestrado (Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Urbana), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2010. MITCHELL, Timothy. Carbon democracy. New York: Verso, 2011. MOBILIDADOS EM FOCO. Boletim 5. Estatísticas Nacionais e Políticas de Mobilidade Urbana. Rio de Janeiro: Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, 2019. MOON-MIKLAUCIC, Christopher. BRAY-SHARPIN, Anna. LA LANZA, Ivan. KHAN, Azra. LO RE, Luca. MAASSEN, Anne. “The Evolution of Bike Sharing: 10 Questions on the Emergence of New Technologies, Opportunities, and Risks”. Financing Sustainable Cities Initiative - Working Paper. Washington, DC: World Resources Institute, p. 01-44, 2018. Disponível em: <http://www.wri.org/publication/evolution-bike-sharing>. Acesso em: 06 mar. 2020. MOORE, Jason W. Anthropocene or Capitalocene? Nature, history, and the crisis of capitalism. Okland: PM Press, 2016. MOORE, Jason W. Sugar and the Expansion of the Early Modern World-Economy: Commodity Frontiers, Ecological Transformation, and Industrialization. Review (Fernand Braudel Center), Vol. 23, n. 3, p. 409-433, 2000. MORAES, Alana; GUTIÉRREZ, Bernardo; PARRA, Henrique; ALBUQUERQUE, Hugo. TIBLE, Jean; SCHAVELZON, Salvador (Org.). Junho: potência das ruas e das redes. São Paulo: Friederich Ebert Stiftung, 2014. MÖSER, Kurt. The Dark Side of ‘Automobilism’, 1900–30: Violence, War and the Motor Car. The Journal of Transport History, 24(2), p. 238–258, 2015. Disponível em: <https://doi.org/10.7227/TJTH.24.2.7>. Acesso em: 27 abr. 2020. MOTT, Luiz. “Relações raciais entre homossexuais no Brasil colonial”. Revista de Antropologia, [S. l.], v. 35, p. 169-189, 1992. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/111359. Acesso em: 24 maio. 2021. MOVIMENTO PASSE LIVRE - MPL. “Não começou em Salvador, não vai terminar em São Paulo”. In: MARICATO, Ermínia (Org.). Cidades rebeldes: passa livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo/Carta Maior, 2013. E-book. MUSSI, Daniela; GOÉS, Camila. Antonio Gramsci no centro e na periferia: notas sobre hegemonia e subalternidade. International Gramsci Journal, 2 (1), p. 271-328, 2016. NARBY, Jeremy. A serpente cósmica: o DNA e a origem do saber. Rio de Janeiro: Dantes, 2018. NASCIMENTO, Manoel. Teses sobre a revolta do buzu. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, [S.l.], n. 231, p. 31-45, set. 2008. NEGRI, Antônio. Para uma definição ontológica da Multidão. Lugar Comum, Rio de Janeiro, n. 19-20, p.15-26, jan./jun. 2004. NEGRO, Antonio Luigi. BRITO, Jonas. Insurgentes incendeiam a cidade da Bahia - O Quebra Bondes e a Revolução de 30. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, [online], v. 33, n. 71, p. 579-599, 2020. NOVAES, Luciana de Castro Nunes. A morte visível e a vida invisível: um estudo sobre o assentamento de Exu e a Paisagem Sagrada da Enseada de Água de Meninos, Salvador (Bahia). 2013. 113 f. Dissertação (Mestrado em Arqueologia), Universidade Federal de Sergipe, Laranjeiras, 2013. O’FOLLOWELL, Ludovic. Bicyclette et organes génitaux. Paris: Librairie J. B. Baillière et fils, 1900. OBSERVATORIO DE MOVILIDAD URBANA PARA AMÉRICA LATINA. Corporacion Andina de Fomento, Bogotá, Colômbia, 2010. OLIVEIRA, Edu. “Vocês, bípedes, me cansam!” Correio 24 horas, Salvador [on line], s.p., 27 mai. 2019. Disponível em: <https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/voces-bipedes-me-cansam/>. Acesso em: 08 jan. 2020. OLIVEIRA, Júlia Ribeiro de. CARVALHO, Ana Paula. A Revolta do Buzu - Salvador (BA) - Manifestações dos estudantes secundaristas contra o aumento da tarifa de ônibus. Relatório das situações-tipo Brasil. São Paulo: Ibase Betinho, Instituto Pólis, IDCR/CRDI, setembro 2007. 36 f. PAINEL SALVADOR DE MUDANÇA DO CLIMA. Cadernos temáticos. Vol. 1. Salvador: Secretaria de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (SECIS) e Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), 2020. PALMA, Joelma Araújo Silva da. Idealizações modernas na cidade de Salvador 1935-1960. Cadernos PPG-AU/UFBA, Salvador, Universidade Federal da Bahia, v. 7, n.1, p. 73-85, 2008. PARAÍSO, Maria Hilda Baqueiro Paraíso. “Índios, náufragos, moradores, missionários e colonos em Kirimurê no século XVI: embates e negociações”. In: CAROSO, Carlos; TAVARES, Fátima; PEREIRA, Cláudio (org.). Baia de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 69-127. PAZELLO, Ricardo Prestes. O direito entre a historicidade e a universalidade a partir da polêmica entre Pachukanis e Kelsen. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, PR, Brasil, v. 57, p. 203-220, dez. 2013. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/direito/article/view/34564>. Acesso em: 28 fev. 2020. PELBART, Peter Pal. “Anota aí: eu sou ninguém”, Jornal de Debates, Observatório da Imprensa, [on line], sp, 23 jul. 2013, disponível em: <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/jornal-de-debates/_ed756_anota_ai__eu_sou_ninguem/>. Acesso em: 21 jun. 2021. PEREIRA, Maria das Graças Borja Gondim dos Santos. “Mobilidade por bicicleta em Salvador/Bahia: liberdade e liberação”. In: ANDRADE, Victor et al. (org.). Mobilidade por bicicleta no Brasil. Rio de Janeiro: PROURB/UFRJ, 2016, pp. 211-237. PERES, Fernando Rocha. Memória da Sé. Salvador: Editora Corrupio, 2009. PERFIL DO CICLISTA BRASILEIRO 2015. Associação Transporte Ativo, São Paulo: Observatório das Metrópoles, 2015. PERRY, Keisha Khan Y. CAMINHA, Ana Cristina da Silva. Daqui não saio, daqui ninguém me tira: poder e política das mulheres negras da Gamboa de Baixo, Salvador. Revista Gênero-UFF, Niterói, v. 9, n. 1, p. 127-153, 2008. PERRY, Keisha Khan Y. The roots of black resistance: race, gender and the struggle for urban land rights in Salvador, Bahia, Brazil. Social Identities: Journal for the Study of Race, Nation and Culture, 10:6, p. 811-831, 2004. PESSOA, Yumara Souza Pessoa. O mar como testemunha: a modernização do bairro da Barra (1850-1950). 2017. 270 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2017. PINHO, Osmundo S. de Araujo. A Bahia no Fundamental: Notas para uma Interpretação do Discurso Ideológico da Baianidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online]. 1998, v. 13, n. 36, p. 109-120. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0102-69091998000100007>. Acesso em: 22 ago. 2021. PINHO, Wanderley. História Social da Cidade do Salvador. Salvador: Prefeitura Municipal de Salvador, 1968. PINTO, Simã Catarina de Lima. O novo paradigma epistemológico das mobilidades na dicotomia entre o espaço público e privado. Revista Húmus, v. 10, n. 29, p. 163-176, 2020. Disponível em: <http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/14057>. Acesso em: 19 mai. 2021. PLANO DE AÇÃO CLIMÁTICA – SALVADOR. Salvador: Prefeitura Municipal de Salvador, 2020. POMBO, Olga. “Epistemologia da interdisciplinaridade”. Ideação – Revista do Centro de Educação e Letras da Unioeste, Foz do Iguaçu, v.10, n.1, p. 9-40, 1o semestre 2008. POMBO, Olga. “Interdisciplinaridade e integração dos saberes”. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 3-15, mar 2005. PRECIADO, Paul B. Pornotopía: arquitectura y sexualidad em Playboy durante la guerra fría. Barcelona: Editorial Anagrama, 2010. PRECIADO, Paul B. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018. PRIETO CURIEL, Rafael; GONZÁLEZ RAMÍREZ, Humberto; QUIÑONES DOMÍNGUEZ, Mauricio; ORJUELA MENDOZA, Juan Pablo. A paradox of traffic and extra cars in a city as a collective behaviour. Royal Society Open Science, 8, 201808, p. 1-17, 2021. QUERINO, Manuel. A Bahia de outrora. Salvador: Livraria Progresso Editora, 1955. QUIJANO, Anibal. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro 2005, p. 227-278. RAMBELLI, Gilson. Tráfico e navios negreiros: contribuição da Arqueologia Náutica e Subaquática. Revista Navegator, Rio de Janeiro, fascículo 4, p. 59-72, 2006. Disponível em: <http://www.revistanavigator.com.br/navig4/art/N4_art4.html>. Acesso em: 27 fev. 2020. RAMOS, Maria Estela. CUNHA JÚNIOR, Henrique. Ambiances in "Black Urban Areas", Salvador City, Bahia, Brazil. Ambiances in action / Ambiances en acte(s) - International Congress on Ambiances, Montreal, Canada. p. 311-316, Sep 2012. REIS, João José. A greve negra de 1857 na Bahia. Revista USP, [S. l.], n. 18, p. 6-29, 1993. REIS, João José. Ganhadores. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. REIS, Nestor Goulart. Evolução Urbana do Brasil (1500/1720). São Paulo: Pini, 2000. RENNÓ, Carlos. (Org.). Gilberto Gil: todas as letras: incluindo letras comentadas pelo compositor. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. RIBEIRO, Giovani Espíndola. Transporte público como direito social – regulação e financiamento do transporte por ônibus municipal em São Paulo de 1988 a 2015. 2015. 136 f. Monografia (Bacharelado em Ciências Econômicas), Instituto de Economia, Universidade de Campinas, Campinas, Brasil, 2015. RISÉRIO, Antônio. Uma história da cidade da Bahia. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2004. E-book. ROCHA, Francisco Ulisses Santos. “A mobilidade a pé em Salvador”. Cadernos PPG-AU UFBA, Salvador, v.2, n.1, p. 41-60, 2003. ROCHA, Francisco Ulisses Santos. O perfil da mobilidade urbana em Salvador (1975-2012): a cidade dividida. 2014. 265 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2014. RODRIGUES, José Carlos Barros. A Implantação do Automóvel em Portugal (1895-1910). 2012. 219 f. Doutorado (História, Filosofia e Patrimônio da Ciência e da Tecnologia), Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Portugal, 2012. ROLNIK, Raquel; KLINK, Jeroen. Crescimento econômico e desenvolvimento urbano: por que nossas cidades continuam tão precárias? Novos estudos - CEBRAP, São Paulo , n. 89, p. 89-109, 2011. ROLNIK, Raquel. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1995. ROSA, Thaís T. “Pensar por margens”. In: JACQUES, P.; PEREIRA, M. (org.). Nebulosas do pensamento urbanístico: tomo I - modos de pensar. Salvador: Edufba, 2018, p. 176-204. ROSSETO, Adriana Marques; LOPES, Kaíc Fernando Ferreira. Integração intermodal entre a bicicleta e o Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas (SMSL). In: PAINEL DE MUDANÇA CLIMÁTICA. Cadernos temáticos. Vol. 1. Salvador: Secretaria de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (SECIS) e Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), 2020, p. 277-292. ROZESTRATEN, Reinier J.A. Psicologia do trânsito; o que é e para que serve. In: Psicologia: Ciência e Profissão, vol. 1, n.1, p.141 – 143, jan. 1981. SAES, Alexandre Macchione. Modernização e concentração do transporte urbano em Salvador (1849-1930). Revista Brasileira de História, v. 27, n. 54, p. 219-238, 2007. SAMPAIO, Antônio Heliodorio Lima. Forma urbana: cidade-real e cidade-ideal. 1998. 276 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 1998. SAMPAIO, Consuelo Novais. 50 anos de urbanização: Salvador da Bahia no século XIX. Rio de Janeiro: Versal, 2005. SANDILANDS, Catriona Mortimer. “Paixões desnaturadas? Notas para uma ecologia queer” [2004]. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n.19, p. 175-195, jan-abr 2011. SANTIAGO, Cybèle Celestino. CERQUEIRA, Karina Matos de Araújo F. Sobre arcos e bondes: resgatando a memória urbana de Salvador. Salvador : EDUFBA, 2019. SANTOS, Cleide Magáli. Da Ordem e das Desordens: sobre manutenção da ordem pela PM nas ações coletivas de protestos em Salvador na primeira década do século XXI. 2014. 228 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2014. SANTOS, Milton. “A rede urbana do Recôncavo”. In: BRANDÃO, Maria de Azevedo (org.). Recôncavo da Bahia: sociedade e economia em transição. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1998. SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Editora USP, 2006. SANTOS, Milton. O centro da cidade do Salvador: estudo de geografia urbana. Salvador: EDUFBA, 2008 [1958]. SCHWARCZ, Lilia Moritz. STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. SEMANA DE URBANISMO, 1., 20 a 27 de outubro de 1935, Salvador. Conferências. Salvador: Cia. Editora e Graphica da Bahia, 1937. SEMINÁRIO SOBRE O CENTRO DA CIDADE DO SALVADOR, 1., 24 a 28 de janeiro de 1977. Anais. Organizado pela Fundação do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, Prefeitura Municipal de Salvador. Salvador: Oceplan, 1977. SEMOB. PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE SALVADOR. TOMO 2. Salvador: Secretaria Municipal de Mobilidade de Salvador, 2018. SEMOB. Secretaria de Mobilidade de Salvador. Relatório Técnico RT14: Plano de Mobilidade Urbana Sustentável de Salvador – TOMO 1. Salvador, 2018. SENNETT, Richard. Carne e Pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Editora Record, 2003. SEO, Sarah A. Policing the open road – how cars transformed American freedom. Cambridge: Harvard University Press, 2019. SHELLER, Mimi; URRY, John. “Mobile Transformations of ‘Public’ and ‘Private’ Life”. Theory Culture & Society, vol. 20, n. 3, p. 107-125, 2003. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/02632764030203007>. Acesso em: 19 mai. 2021. SHELLER, Mimi. “Automotive emotions: feeling the car”. Theory, Culture & Society, 21(4–5), p. 221–242, 2004. Disponível em: <https://doi.org/10.1177/0263276404046068>. Acesso em: 29 abr. 2020. SHELLER, Mimi. “From spatial turn to mobilities turn”. Current Sociology, p. 1-17, 2017. SHELLER, Mimi. “Mobility”. Sociopedia.isa, p. 1-12, 2011. Disponível em: <https://www.isaportal.org/resources/resource/mobility/>. Acesso em: 19 mai. 2021. SHELLER, Mimi. URRY, John. “The new mobilities paradigm”. Environment and Planning A, vol. 38, p. 207-226, 2006. SILVA FILHO, Rubens Antônio da. A integração de recursos históricos aos geológicos no resgate da construção paleogeomorfológica e paleovisual litorânea - o caso de Salvador. 2008. 382 f. Mestrado (Geologia), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008. SILVA PINTO, Renata Inês Burlacchini Passos da. A praça na história da cidade: o caso da Praça da Sé – Suas Faces durante (1933/1999). 2003. 219 f. Mestrado (Arquitetura e Urbanismo), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2003. SILVA, Ana Cristina Mota. “A contribuição do método regressivo-progressivo na análise de Henri Lefebvre: o vale de Campan – estudo de sociologia rural”. GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 19, n.1, p. 25-43, 2015. SILVA, Daniel Farias da; SOUZA, Laura Fernandes de. “Análise espacial da utilização de transporte individual na Região Metropolitana de Salvador: Contribuições para o BRT Lapa-Iguatemi”. In: PAINEL DE MUDANÇA CLIMÁTICA. Cadernos temáticos. Vol. 1. Salvador: Secretaria de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (SECIS) e Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), 2020, p. 255-264. SILVA, Denise Ferreira da. Toward a global idea of race. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2007. SILVA, F. H. V. C.; GÜNTHER, H. Psicologia do trânsito no Brasil: de onde veio e para onde caminha? Temas em Psicologia, vol. 17, n. 1, p. 163-175, 2009. SILVA, Maria Alice Pereira da. Salvador- Roma Negra: cidade diaspórica. In: (RE) Existência Intelectual Negra Ancestral - X Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros, Uberlândia. (Te) Existência Intelectual Negra Ancestral, 2018, p. 1-17. SILVEIRA, Renato. “Nota do tradutor”. In: FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008, p. 7-9. SILVEIRA, Renato. O candomblé da Barroquinha: processo de constituição do primeiro terreiros de Keto. Salvador: Edições Maianga, 2006. SIMMEL, Georg. “As grandes cidades e a vida do espírito” (1903). Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 577-591, Outubro 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132005000200010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 29 mai. 2018. SIMS, R.; SCHAEFFER, R.; CREUTZIG, F.; CRUZ-NÚÑEZ, X.; D’AGOSTO, M.; DIMITRIU, D.; FIGUEROA MEZA, M. J.; FULTON, L.; KOBAYASHI, S.; LAH, O.; MCKINNON, A.; NEWMAN, P.; OUYANG, M.; SCHAUER, J.J.; SPERLING, D.; TIWARI, G. “Transport”. In: Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. Contribution of Working Group III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Edenhofer, O., R. Pichs-Madruga, Y. Sokona, E. Farahani, S. Kadner, K. Seyboth, A. Adler, I. Baum, S. Brunner, P. Eickemeier, B. Kriemann, J. Savolainen, S. Schlömer, C. von Stechow, T. Zwickel and J.C. Minx (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, 2014, p. 599-670. SOUSA, Maria Luísa de Castro Coelho de Oliveira e. A mobilidade automóvel em Portugal: a construção do sistema socio-técnico, 1920-1950. 2013. 403 f. Doutorado (História, Filosofia e Patrimônio da Ciência e da Tecnologia), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2013. SOUZA, Bernardino José de. Ciclo do carro de boi no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1958. SPIX, Von; MARTIUS, Von. Através da Bahia – excertos da obra Reise in Brasilien. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. STENGERS, Isabelle. A invenção das ciências modernas. São Paulo: Editora 34, 2002. STRATHERN, Marilyn. Reproducing the future. Manchester: Manchester University Press, 1992. SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA - SEI. CAS – Centro Antigo de Salvador [livro eletrônico]: território de referência. Salvador: SEI, 2013. TAVARES, Luís Henrique Dias. História da Bahia. São Paulo: Unesp, 2008. TEIXEIRA, Cid. Transportes na cidade da Bahia. Salvador: Caramurê Publicações, 2017. TERRA, Paulo Cruz. Conflitos cotidianos e motins: os usuários de bondes no Rio de Janeiro no final do século XIX e início do XX. História Social, n. 22/23, p. 235-253, 2 jul. 2013. TRINCHÃO, Gláucia Maria Costa. O Parafuso: de meio de transporte a cartão-postal. Salvador: EDUFBA, 2010. TROI, Marcelo de; BATEL, Susana. Cidade straight versus cidade dissidente: a street art como demarcação do lugar em Lisboa. Revista Ponto de Interrogação, v. 10, n. 2, p. 247-270, 2020. Disponível em: <doi.org/10.30620/p.i..v10i2.10848>. Acesso em: 04 set. 2021. TROI, Marcelo de; BATEL, Susana. Mobilidade, emergência climática e a street art de Lisboa. 2021. Inédito. TROI, Marcelo de; CARVALHO, Paulo Roberto Juliano de. Mobilities, climate change and rights of city. International Journal of Advanced Engineering Research and Science, v. 7, n. 11, 27 nov. 2020. TROI, Marcelo de; COLLING, Leandro; BATEL, Susana. Espaço performativo: cidade em disputa e atualização histórica. 2021. Inédito. TROI, Marcelo de; REIS, Weber. Quando estradas desafiam futuros: reflexões iniciais acerca da mobilidade na cidade de José Bonifácio (SP). 2021. Inédito. TROI, Marcelo de. “Carrocracia: fluxo, desejo e diferenciação na cidade”. Revista Periodicus, UFBA, Salvador, vol. 1, n.8, p. 270-298, nov. 2017. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/22764>. Acesso em: 09 jan. 2020. TROI, Marcelo de. “Faça a Terra grande de novo”. Ponte [on line], São Paulo, 26 mai. 2019a. Disponível em: <https://ponte.org/artigo-faca-a-terra-grande-de-novo/>. Acesso em: 27 jan. 2020. TROI, Marcelo de. “Cidade, ferida aberta: uma etnografia urbana com o coletivo Selvática”. In: COLLING, Leandro (org). Artivismos das dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2019b, p. 109 – 134. TROI, Marcelo de. Artivismos, religiosidades, the mônias e ecodrags: notas sobre corpos dissidentes no Pará. Revista Vazantes, v. 3, n. 2, p. 76-94, 2019c. TRÓI, Marcelo de. “Direitos sexuais e identidade de gênero são direitos humanos: onde está a ideologia?” In: CALAZANS, Márcia Esteves de; MALOMALO, Bas’llele; PIÑERO, Emilia da Silva (Orgs.). As desigualdades de gênero e raça na América Latina no século XXI. Porto Alegre: Editora Fi, 2019d. p. 43-62. TROI, Marcelo de. “A fubica é o anticarro”. IBahia Blog Cultura e Sexualidade [on line], Salvador, 06 mar. 2019e. Disponível em: <http://blogs.ibahia.com/a/blogs/sexualidade/2019/03/06/a-fubica-e-o-anticarro/>. Acesso em: 26 ago. 2021. TROI, Marcelo de. “Mobilidade e marcadores da diferença: a bicicleta como libertação feminina”. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIVERSIDADE SEXUAL, ÉTNICO-RACIAL E DE GÊNERO, 10, 2021, Juiz de Fora [on line]. Anais do X Congresso Internacional de Diversidade Sexual, Étnico-Racial e de Gênero. Juiz de Fora: ABEH, 2021, p.1-30. TROI, Marcelo de. “Salvador da Mobilidade e da crise climática”. Revista Coletiva [on line], v. 1, n. 27, sp, jan-abr. 2020. Disponível em: <https://www.coletiva.org/salvador-das-mobilidades-e-da-crise>. Acesso em: 12 mai. 2020. TROI, Marcelo de. Corpo dissidente e desaprendizagem: do Teat(r)o Oficina aos a(r)tivismos queer. 2018. 162 f. Mestrado (Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade), Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2018. TROI, Marcelo de. QUINTILIO, Wagner. Coronavírus: lições anti-negacionistas e o futuro do planeta [online]. SciELO em Perspectiva, 31 mar. 2020. Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2020/03/31/coronavirus-licoes-anti-negacionistas-e-o-futuro-do-planeta/. Acesso em: 10 abr. 2020. URRY, John. “Mobile sociology”. The British Journal of Sociology, London School of Economics and Political Science, p. 347-366, 2010. URRY, John. “The 'system' of automobility”. Theory, Culture & Society, Vol. 21, n. 4-5, p. 25-39, 2004. UZÊDA, Jorge Almeida. O aguaceiro da modernidade na cidade do Salvador 1935-1945. 2006. 314 f. Doutorado (Programa de Pós-graduação em História), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil, 2006. VASCONCELLOS, Eduardo Alcântara de. Transporte urbano, espaço e equidade: análise das políticas públicas. São Paulo: Annablume, 2001. VASCONCELOS, Pedro de Almeida. “A Igreja Católica como agente estruturador da cidade do Salvador no período colonial”. Geografares - Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia e do Departamento de Geografia da UFES, n. 31, p. 30-64. 2020. VASCONCELOS, Pedro de Almeida. Salvador: transformações e permanências (1549-1999). Salvador: EDUFBA, 2016. VELOSO, André. Revoltas do busão. PISEAGRAMA, Belo Horizonte, número 13, p. 12 - 21, 2019. VIANNA FILHO, Luiz. O negro na Bahia. São Paulo: José Olympio Editora, 1946. VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia feitas, e ordenadas pelo ilustríssimo e reverendíssimo D. Sebastião Monteiro da Vide. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2011. VIEIRA, Cláudia Andrade. Imagens reveladas, diferenças veladas – Relações de gênero na dinâmica do espaço público na cidade do Salvador, Bahia. Salvador: EDUNEB, 2017. VIRILIO, Paul. Speed and politics. Los Angeles: Semiotext(e), 2006. VOUSDOUKAS, Michalis I., RANASINGHE, Roshanka, MENTASCHI, Lorenzo et al. “Sandy coastlines under threat of erosion”. Nature Climate Change, [S.l.], n. 10, 02 mar. p. 260–263, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.1038/s41558-020-0697-0>. Acesso em: 04 mar. 2020. WALSH, Margaret. Gendering Transport History: Retrospect and Prospect. The Journal of Transport History, 23 (1), p. 01–08, 2002. Disponível em: <https://doi.org/10.7227/TJTH.23.1.2>. Acesso em: 28 abr. 2020. WOLFE, Joel. Autos and Progress: The Brazilian Search for Modernity. New York: Oxford University Press, 2010. YANG, Hu. LOHMANN, Gerrit. KREBS-KANZOW, Uta. IONITA, Monica. SHI, Xiaoxu. SIDORENKO, Dimitry et al. "Poleward shift of the major ocean gyres detected in a warming climate". Geophysical Research Letters, 47, p. 01-10, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.1029/2019GL085868>. Acesso em: 12 jun. 2020. ZORZO, Francisco Antônio. Retornando à história da rede viária baiana: o estudo dos efeitos do desenvolvimento ferroviário na expansão da rede rodoviária da Bahia (1850-1950). Sitientibus, Feira de Santana, n. 22, p. 99-115, jan./jun. 2000. ZWEIG, Stefan. Brasil, país do futuro. São Paulo: Rocket Edition, 1941. E-book.pt_BR
Appears in Collections:Tese (POSCULTURA)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SALVADOR CIDADE MOVENTE tese doutorado Marcelo de Trói 2021 UFBA-compressed.pdf4,23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.