DSpace

RI UFBA >
Instituto de Letras >
Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Letras) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32607

Title: Do gerúndio ao gerundismo: mudança e preconceito lingüístico
Authors: Serafim, Rafael Luz
???metadata.dc.contributor.advisor???: Machado Filho, Américo Venâncio Lopes
Keywords: Lingüística Histórica;Língua Portuguesa - História;Mudança lingüística;Gerúndio
Issue Date: 11-Jan-2021
Abstract: Desenvolveu-se, no Brasil, uma tendência de emprego do verbo ir – deveras curioso – em várias centrais de relacionamento com o cliente. Identificado como “gerundismo”, isto é, uma estrutura iniciada pelo próprio verbo ir em forma finita do presente do indicativo + o verbo estar no infinitivo + o gerúndio de outro verbo, considerada impertinente, até mesmo, indesejável, por parte dos falantes das chamadas normas cultas e, sobretudo, pelos gramáticos normativistas. Partindo-se da hipótese de que não se trata de um fenômeno exclusivo aos profissionais que trabalham nesses ambientes, ou seja, aos operadores de teleatendimento, buscou-se investigar esse fenômeno, tendo por suporte metodológico o Corpus do Português, base de dados de 45 milhões de palavras, disponibilizado na Internet. No intuito de reafirmar uma suspeita inicial de que o “gerundismo” vem co-ocorrendo com as perífrases sintéticas do verbo estar + gerúndio, foi criado, para a pesquisa, um corpus de controle, extraído de entrevistas publicadas nos jornais A Tarde Online e Correio da Bahia Online, ambos da cidade de Salvador, no estado da Bahia. Verificou-se que não é o gerundismo um fenômeno novo, mas patente desde cedo na língua portuguesa, conquanto sua freqüência tenha se ampliado sobremaneira a partir do século XX.
This work aims to analyze the occurrences of “gerundismo” in Brazilian Portuguese, a new tendency that has been recently created. It’s been used by several Client Relationship Centrals and it’s been very curious. This phenomenon is the morfematic use of the verb to go, a structure that starts with the use of “to go” in the Simple Present tense form + the to be verb in its infinitive form + the gerund of other verb. It’s considered unpleasant and unwished by regular speakers and normative grammar. But, it’s not an isolated event exclusively used by Call Center Operators. As a Methodology Support to this research it was used the website “Corpus do Português”. It has been developed also a Control Corpus using interviews taken by A Tarde and Correio da Bahia online newspapers, both from Salvador, Bahia. Using these dates, it was verified that the gerund carries the stigma in the analytic structure. However, the verb to go helps to create a tendency to analitize the syntactic periphrases of the verb to be + ing together with the verb in the nominal form of gerund would be responsible for this weird feeling that the structure denotes.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32607
Appears in Collections:Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Letras)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
MONOGRAFIA RAFAEL LUZ SERAFIM - Letras Vernáculas UFBA - Defendida em 2008.pdf2.69 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA