DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH) >
Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PPGF) >
Dissertações de Mestrado (PPGF) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31377

Title: O silenciamento como problema epistemológico
Authors: Barreto, Rodrigo Gottschalk Sukerman
???metadata.dc.contributor.advisor???: Silva Filho, Waldomiro José da
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Santos, Felipe Rocha Lima
Keywords: Epistemologia Social;Injustiça Epistêmica;Teoria dos Atos de Fala;Silenciamento;Democracia Epistêmica
Issue Date: 3-Feb-2020
Abstract: O objetivo desta dissertação é analisar o silenciamento como um problema epistemológico. Do modo como está sendo entendido neste trabalho, o silenciamento refere-se a um fenômeno comunicativo em que um emissor mantém suas palavras para si em vez de enunciá-las ao seu interlocutor. Enquanto problema linguístico, o silêncio prejudicial não é aquele derivado de uma estratégia ou deliberação em que pretenso emissor cede a vez para que o seu interlocutor se pronuncie, pelo contrário, refere-se a um silêncio imposto em que os emissores são compelidos a não se manifestar. No que tange este problema enquanto questão epistemológica, os tipos de ato comunicativo em questão são aqueles que visam a transmitir conhecimento para outras pessoas. A partir da obra inaugural de Miranda Fricker, Epistemic Injustice: Power and Ethics of knowing (2007), foi aberto na filosofia analítica um frutífero campo de investigação acerca de como as relações sociais podem interferir negativamente nas práticas de produção, manutenção e disseminação do conhecimento. Esta obra está situada no campo da epistemologia social e, portanto, concebe os agentes individuais e coletivos dentro dos contextos e dinâmicas do mundo real, considerando as estruturas sociais as quais eles estão submetidos – nesse sentido, afasta-se do modelo de sujeito de conhecimento da epistemologia clássica que, comumente, abstraia o indivíduo do seu contexto social. Partindo destas considerações, a proposta desta dissertação é entender o papel do testemunho na vida cognitiva de outras pessoas, analisar os mecanismos epistemicamente disfuncionais que induzem determinados indivíduos e grupos a serem silenciados e, por fim, vislumbrar possibilidades de reversão desses processos através de virtudes e práticas que promovam justiça epistêmica, isto é, a abertura e inclusão de agentes marginalizados nas práticas epistêmicas.
The purpose of this dissertation is to analyze silencing as an epistemological problem. As understood in this paper, silencing refers to a communicative phenomenon in which a speaker keeps her words to herself instead of speaking them to her interlocutor. As a linguistic problem, harmful silence is not that derived from a strategy or deliberation in which a wouldbe speaker gives in to her interlocutor, on the contrary, it refers to an imposed silence in which speakers are compelled not to speak. Regarding this problem as an epistemological issue, the types of communicative act in question are those that aim to transmit knowledge to other people. From Miranda Fricker's inaugural work, Epistemic Injustice: Power and Ethics of Knowing (2007), a fruitful field of inquiry into how social relations can negatively interfere with practices of production, maintenance and dissemination of knowledge has opened in analytic philosophy. This work is situated in the field of social epistemology and, therefore, conceives of individual and collective agents within real-world contexts and dynamics, considering the social structures to which they are subjected - in this sense, departs from the subject of knowledge model. of classical epistemology that commonly abstracts the individual from their social context. Based on these considerations, the purpose of this dissertation is to understand the role of testimony in the cognitive life of other people, to analyze the epistemically dysfunctional mechanisms that induce certain individuals and groups to be silenced and, finally, to glimpse possibilities of reversal of these processes through virtues and practices that promote epistemic justice, that is, the openness and inclusion of marginalized agents in epistemic practices.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31377
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGF)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
GOTTSCHALK, Rodrigo (2019) -O Silenciamento como problema epistemológico (DEFINITIVA).pdf1.5 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA