DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Pós-Graduação em Medicina e Saúde (PPGMS) >
Teses de Doutorado (PPGMS) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29127

Title: Equinócitos como potencial marcador de estresse oxidativo na doença hepática gordurosa não alcoólica
Authors: Oliveira, Yanaihara Pinchemel Amorim de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Cotrim, Helma Pinchemel
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Daltro, Carla Hilário
Keywords: Doença hepática gordurosa não alcoólica;Biomarcadores não invasivos;Esteatohepatite não alcoólica;Esteatose e estresse oxidativo
Issue Date: 2-Apr-2019
Abstract: Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica (DHGNA) é um problema médico crescente, e a distinção de esteatose e esteatohepatite não alcoólica (NASH) tem grande significado clínico. Para o diagnóstico de NASH, a biópsia hepática continua a ser o padrão-ouro para caracterizar a histologia da DHGNA (esteatose ou NASH), porém este procedimento é invasivo e apresenta risco de morbidade. O estresse oxidativo (OxS) desempenha um papel importante na patogênese de NASH e os eritrócitos são conhecidos por exercer atividade antioxidante e pró-oxidante. O primeiro é exercido em condições fisiológicas e o segundo pode ser detectado em diversas patologias inflamatórias. Quando eritrócitos intactos cruzam microambiente onde existe uma intensa produção de Espécies Reativas de Oxigênio (ROS) essas células podem acumular danos oxidativos com sérias consequências para suas propriedades funcionais e morfológicas, que ainda podem ser detectadas de forma estável na circulação sanguínea. Por estas razões, a nossa hipótese é que eritrócitos danificados pelo estresse oxidativo podem representar biomarcadores potenciais capazes de distinguir esteatose e NASH. Este estudo incluiu 37 pacientes obesos submetidos à cirurgia bariátrica e biópsia hepática. Os pacientes foram classificados de acordo com o diagnóstico histológico em relação à esteatose ou NASH. As dosagens de OxS foram realizadas por quimioluminiscência. Os eritrócitos obtidos do sangue total dos pacientes foram corados para avaliar a morfologia celular por microscopia óptica. Níveis mais elevados de OxS foram observados em pacientes obesos com NASH em comparação com aqueles com esteatose (d de Cohen= 4.1). Os eritrócitos danificados pelo OxS foram encontrados em 81,2% dos pacientes com esteatose e em 95,2% dos casos de NASH (Phi = 0,22). Esses resultados foram confirmados em um modelo in vitro. Os níveis de OxS foram encontrados elevados em 60,6% dos casos em que eritrócitos modificados também estavam presentes. Os resultados indicaram que os eritrócitos alterados podem representar um novo biomarcador não invasivo capaz de distinguir a esteatose de NASH.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29127
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGMS)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
OLIVEIRA, YPA-2018 - Cópia.pdf2.05 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA