DSpace

RI UFBA >
Instituto de Geociências >
Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (OCEANOGRAFIA) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/27849

Title: Eficiência do mangue Vermelho (Rhizophora mangle) na fitorremediação de sedimentos de manguezal contaminados por petróleo
Authors: Silva, Jéssica Verâne Lima da
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira, Olívia Maria Cordeiro de
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Moreira, Ícaro Thiago Andrade
Keywords: Petróleo;Manguezal;Rhizophora mangle;Fitorremediação
Issue Date: 26-Oct-2018
Abstract: Este trabalho está dentro do projeto “DEMBPETRO – Desenvolvimento de multibioprocessos de remediação aplicável em áreas costeiras impactadas por atividades petrolíferas”. O manguezal do estuário do rio São Paulo, ao norte da Baía de Todos os Santos (BTS), Bahia, está inserido em uma região de grande pressão antrópica, situada a margem da Refinaria Landulpho Alves de Mataripe (RLAM). Em virtude dessa realidade, o objetivo deste estudo foi fornecer subsídios para recuperação do ecossistema manguezal, realizando um teste de fitorremediação com mudas da espécie de mangue Rhizophora mangle, para testar sua eficiência na remediação desses ambientes. Foi produzido um sistema de fitorremediação, simulando o ambiente de manguezal, com mudas da espécie cultivada durante 3 meses em sedimento contaminado com petróleo bruto e sedimento controle. Como sistema de referência, houve unidades em mesmas condições, porém sem a adição da espécie em questão (Biorremediação). As coletas de sedimento no experimento foram realizadas em 20, 40, 60 e 90 dias. A extração dos hidrocarbonetos totais de petróleo (HTP) no sedimento foi realizada utilizando sistema Soxhlet e determinados por cromatografia em fase gasosa acoplado a um Detector de Ionização de Chama (GC-FID). Observou-se um aumento nas concentrações de HTP na região da rizosfera da espécie durante os tempos de coleta. Isso pode ter ocorrido devido a grupos específicos de microrganismos reagirem de maneiras distintas às rizosferas de espécies diferentes, bem como aos contaminantes presentes no meio, associado à possível interação entre os exsudatos da raiz pelos hidrocarbonetos. Houve valores crescentes de acordo com o tempo na razão entre as concentrações de Pristano/C17 e Fitano/C18, indicando que houve degradação, além de ser observado um decréscimo na abundância molecular dos n-alcanos, inicial e final, e, consequente aumento da curva referente aos complexos não resolvidos (UCM), sendo estes, marcadores da degradação de HTP em compostos menos tóxicos e possivelmente não disponíveis para a biota. Com relação às mudas de Rhizophora mangle, não houve variações significativamente distintas entre as unidades de simulação contaminada e controle, havendo em ambas, um relativo crescimento da raíz principal das mudas, aparição de deformações nas folhas, e surgimento de brotos. Em suma, apesar das etapas de adaptação ao sistema implementado, a fitorremediação com Rhizophora mangle mostrou eficiência na remediação de ambientes de manguezal, fazendo-se necessário estudos quanto aos microrganismos associados à rizosfera da espécie e interações que ocorrem entre exsudatos-contaminante.
This work is within the "DEMBPETRO - multibioprocessos Development of remediation applicable in coastal areas affected by oil activities." The mangrove estuary of the river São Paulo, north of the Bay of All Saints (BTS), Bahia, is inserted in a region of great anthropic pressure, located the edge of Landulpho Alves Mataripe (RLAM). Given this reality, the objective of this study was to provide subsidies for recovery of mangrove ecosystem, performing a phytoremediation test with seedlings of mangrove species Rhizophora mangle, to test their effectiveness in remediation of these environments. one phytoremediation system was produced by simulating the mangrove environment, with species of plants cultivated for 3 months in sediment contaminated with crude oil and sediment control. As a frame of reference, there were units in the same conditions but without the addition of the species in question (bioremediation). The sediment collected in the experiment were performed at 20, 40, 60 and 90 days. The extraction of total petroleum hydrocarbons (TPH) in the sediment was performed using Soxhlet system and determined by gas chromatography coupled with a Flame Ionization Detector (GC-FID). We observed an increase in the HTP concentrations of species in the region of the rhizosphere during the sampling time. This may be due to specific groups of microorganisms react in different ways to the rhizosphere of different species, and the contaminants in the environment, associated with the possible interaction between the root exudates by oil. There was increasing values according to time of the ratio of the concentrations of Pristane / C17 and phytane / C18, indicating that there was degradation, and is also a decrease in molecular abundance of n-alkanes, start and end, and consequent increase in curve for the unresolved complex (UCM), which are, HTP degradation markers in less toxic compounds and possibly not available for biota. Regarding the seedlings mangle, there was not significantly different variations between contaminated simulation and control units, with both, a relative growth of the main root of seedlings, leaves deformation of appearance, and the appearance of buds. In short, despite steps to adapt to the system implemented, phytoremediation with mangle showed efficient remediation mangrove environments, making it necessary studies regarding the rhizosphere microorganisms of species and interactions that occur between exudates-contaminant.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/27849
Appears in Collections:Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (OCEANOGRAFIA)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Monografia_Jessica_Verane_Lima.pdf3.47 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA