DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26334

Title: O HIV às vezes me assombra: narrativas online de mulheres jovens vivendo com HIV.
Authors: Silva, Leonara Maria Souza da
???metadata.dc.contributor.advisor???: Silva, Luís Augusto Vasconcelos da
Keywords: Mulheres jovens vivendo com HIV;Aids;HIV/Aids;Relações afetivo-sexuais;Biossociabilidades;Internet
Issue Date: 9-Jul-2018
Abstract: Mulheres jovens, de modo geral, vivenciam situações de vulnerabilidade influenciadas, entre outros aspectos, pelo gênero, que produz e estabelece o sexo e as diferenças entre feminilidade e masculinidade. A soropositividade para o HIV tem implicações na vida de mulheres, repercutindo em seus relacionamentos. Com a longevidade alcançada devido aos avanços no tratamento, e, também, pelo surgimento das tecnologias digitais, a internet tem sido um importante espaço de biossociabilidade para elas. Assim, este trabalho tem o objetivo de descrever como as mulheres jovens vivendo com HIV/aids, que fazem uso de redes sociais online, vivem suas relações afetivo-sexuais (soroconcordantes e/ou sorodiscordantes). Trata-se de um estudo qualitativo, exploratório, realizado através de uma etnografia online. A dissertação teve participação de 08 mulheres jovens vivendo com HIV/aids, com diferentes orientações sexuais e idade entre 18 e 30 anos. A análise das narrativas foi pautada pela perspectiva construcionista, com foco nas práticas discursivas e produção de sentidos em torno do HIV/aids, dando destaque aos aspectos das relações afetivo-sexuais e repercussões dos novos discursos biomédicos para esses relacionamentos Após a infecção, a vida da maioria das jovens soropositivas muda radicalmente. Ao descobrirem o diagnóstico, vivenciam diversos medos. Em seu dia a dia, lidam com a rejeição dos parceiros e algumas enfrentam o dilema para contar ou não sobre sua sorologia. Após a infecção, há mudanças nas práticas sexuais, o que requer, por diversos momentos, negociação entre o prazer e a prevenção. Passam a viver com grande responsabilidade em se cuidar, pois atribuem a si mesmas o sentido de “risco” para o parceiro. Além disso, sentem medo de transmitir o vírus e adotam o discurso da carga viral indetectável como forma de prevenção. Jovens soropositivas heterossexuais vivenciam o desejo de envolvimentos com homens heterossexuais soropositivos, na tentativa de evitar dilemas, medos e aflições presentes nos envolvimentos sorodiscordantes/sorodiferentes. Para as interlocutoras, os espaços online que frequentam as ajudam na obtenção de informações sobre o tratamento, no acolhimento e, em menor grau, para o engajamento em relações afetivo-sexuais. Portanto, é necessário que esferas governamentais compreendam as especificidades do “ser mulher” nas campanhas para a prevenção e tratamento em HIV/aids. Além disso, é importante atentarem para a influência das relações de gênero na epidemia, que, mesmo marcada por avanços da terapia e novas tecnologias de prevenção, persistem ainda o preconceito e a discriminação.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26334
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Diss. LEONARA MARIA SOUZA DA SILVA. 2017.pdf1.58 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA