DSpace

RI UFBA >
Instituto de Geociências >
Programa de Pós-Graduação em Geoquímica: Petróleo e Meio Ambiente (POSPETRO) >
Dissertações de Mestrado (POSPETRO) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26280

Title: Do sedimento ao dna: será que a culpa é dos metais? (bioacumulação, resposta bioquímica e diversidade genética)
Authors: Oliveira, Daiane Aparecida Francisco
???metadata.dc.contributor.advisor???: Mafalda Júnior, Paulo de Oliveira
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Queiroz, Antônio Fernando de Souza
Oliveira, Eddy José Francisco
Keywords: ucides cordatus;bioacumulação;biomarcadores;biodisponibilidade;sedimento;manguezais
Issue Date: 3-Jul-2018
Abstract: Atualmente, diversos tipos de poluentes são lançados direta ou indiretamente nos sistemas estuarinos. Dentre eles, os metais recebem uma maior atençãodevido àalta toxicidade e bioacumulação apresentada por alguns desses elementos. Como efeito, podem desencadear respostas oxidativas e fisiológicas em diferentes níveis organizacionais e causar perda da diversidade genética em um processo conhecido como “erosão genética”. Assim, entender como essa contaminação está afetando as comunidades estuarinas é crucial para a preservação evolucionaria das espécies.Os objetivos desse estudo foram: i) determinar a concentração biodisponível dos metais (Ba, Cr, Cd, Cu, Mn, Ni, V e Zn) e a bioacumulação em caranguejos Ucides cordatusem três manguezais da Baía de Todos os Santos (BTS); ii) avaliar a resposta ao estresse ambiental por metais em caranguejos U. cordatus; iii) determinar os efeitos de diferentes históricos e graus de contaminação sobre a diversidade genética. O manguezal do rio São Paulo é o mais homogêneo vertical e horizontalmente e contem maiores concentrações nos sedimentos podem estar ligadas as atividades petroquímicas da região. No rio Subaé, os metais com maiores biodisponibilidade como Pb e Cd que estão claramente ligadas ao processamento de minério que ocorreu na região e gerou um passivo ambiental crônico. O manguezal do rio Jaguaripe apresentou-se o mais heterogêneo entre os três estudados, provavelmente devido à baixa concentração de metais encontrados na região. Os resultados comprovaram que os biomarcadores utilizados apresentam sensibilidade aos efeitos estressores dos metais em invertebrados. Os biomarcadores bioquímicos e moleculares, Glutationa S-transferase e razão RNA/DNA, indicaram forte influência e correlação positiva dos ambientes contaminados nas atividades metabólicas de U. cordatus. Além disso, os resultados obtidos com os biomarcadores moleculares, ISSR, indicaram redução da diversidade genética com o aumento da concentração de metais no ambiente. Os caranguejos de rio São Paulo apresentou diversidade genética inferior, seguido pelos caranguejos de rio Subaé e rio Jaguaripe, respectivamente.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26280
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (POSPETRO)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DISSERTA_DAIANE OLIVEIRA.pdf2.28 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA