DSpace

RI UFBA >
Escola de Enfermagem >
Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGENF) >
Dissertações de Mestrado (PPGENF) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22811

Title: Sobrevida e Fatores Prognósticos de Dermatite Associada à Incontinência em Pacientes Críticos
Authors: Oliveira, Daniela Fagundes de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Pereira, Álvaro
Keywords: Dermatite;Incontinência;Fatores de risco;UTI
Issue Date: 6-Jun-2017
Abstract: Este estudo objetiva estimar a sobrevida e verificar os fatores associados à Dermatite Associada à Incontinência em pacientes críticos internados em UTI de um hospital público na cidade de Salvador – BA. Trata-se de uma coorte histórica hospitalar, com característica aberta. A análise descritiva dos fatores prognósticos, para as variáveis numéricas, foi realizada a partir das medidas de tendência central (média e mediana), variabilidade (máximo, mínimo, amplitude e desvio padrão, e estudo da distribuição dos dados via análise gráfica). O tempo de sobrevida entre o internamento na UTI e a ocorrência de DAI foi analisado utilizando-se o método não paramétrico Kaplan-Meyer e o modelo de regressão de Cox para estimar o efeito de fatores de risco no tempo de sobrevida. O tempo de interesse foi o tempo decorrido entre o internamento do paciente e diagnóstico de DAI. O teste de Log-Rank- Mantel-Haenzel foi utilizado para testar a hipótese de que o tempo de sobrevida era igual nos estratos dos fatores de risco para os desfechos do estudo. Do total de 217 pacientes que compuseram a amostra 8,3% apresentaram DAI, 77,8% eram do sexo masculino, a média de idade foi de 41, 4 anos, 94,4% dos pacientes com diarreia. Dos pacientes sem DAI 79,4% não apresentaram UP, e entre os que tiveram DAI 4,8% também tiveram UP. Foram consideradas censuras os pacientes que entraram na UTI e vieram a óbito ou saíram da unidade sem o diagnóstico de DAI. O tempo médio sem desenvolver DAI foi de 14 dias e o tempo mediano foi de 10 dias. A probabilidade de um paciente não ser diagnosticado com DAI, quanto internado até 14 dias na UTI do estudo foi de 0,91 (IC95%: 0,85;0,95). O risco de um paciente desenvolver DAI no 100 dia de internamento na UTI do estudo foi de 0,07 (IC95%: 0,04;0,13). Análise multivariada para DAI na UTI identificou sedação (IC95%: 0,09-0,84; p=0,037), dias de antibiótico (IC95%: 0,002-0,41; p=0,004), dias de internamento antes da UTI (IC95%:1,01-19,87; p=0,048), diarreia (p valor = 0,0000 Long-rank/ p= 0,0000 - Peto) e subescala umidade da escala de Braden com significância estatística (p= 0,0237 –Long-rank/ p= 0,0218- Peto).
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22811
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGENF)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação_ Enf_ Daniela Fagundes de Oliveira.pdf2.86 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA