DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH) >
Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) >
Dissertações de Mestrado (PPGA) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21989

Title: Uma etnografia do cuidado: a atenção ao usuário de crack na rotina de agentes comunitários/as de saúde
Authors: Costa, Talita Nunes
???metadata.dc.contributor.advisor???: Carvalho Filho, Milton Júlio de
Keywords: Etnografia e antropologia do cuidado;Estratégia saúde da família;Agente comunitário de saúde;Usuários de drogas;Ethnography and anthropology of care;Family health program;Community health agent;Drug users
Issue Date: 12-Apr-2017
Abstract: A Estratégia de Saúde da Família (ESF) é convocada a garantir assistência para as pessoas que consomem drogas (i)legais, na medida que esta prática social adquiriu a dimensão de problema de saúde pública. Similar aos demais serviços de saúde, a ESF espelha modos particulares, socialmente construídos, de compreender e lidar com os fenômenos de saúde e doença. O trabalho se fundamenta no/a agente comunitário/a de saúde, popularmente conhecido/a em Salvador/BA como “ACS”. Trata-se habitualmente de um/a morador/a que se torna cuidador/a da comunidade, o que lhe permite desempenhar o papel de “elo” entre a população e o serviço. A dupla inserção do/a ACS no território o/a destaca entre os/as demais profissionais da unidade de saúde, e é crucial para garantir a adesão e a eficácia das ações em saúde. Sua atuação multifuncional é ancorada na legislação; está submetida a diferentes esferas de gestão; é integrada às demais atividades desenvolvidas nos diferentes espaços da ESF; é orientada e/ou apoiada por profissionais vinculados/as ao posto de saúde e a outros serviços com quem atuam em parceria; é marcada pela relação entre concepções terapêuticas distintas que coexistem no âmbito da ESF; e está estreitamente relacionada à realidade das microáreas e da cidade onde elas se situam. Portanto, a gerência do processo de cuidar e a prática do/a agente de saúde revelam-se multideterminadas, ambivalentes e condicionadas culturalmente. Ao mesmo tempo, são responsáveis por causar sofrimento psíquico neste/a trabalhador/a, ao qual o/a ACS reage por meio de mecanismos de defesa (in)conscientes, individuais e coletivos. O cuidado oferecido por ACS para homens adultos que moram no bairro e consomem crack não foge a esta regra. A resistência masculina em acessar e/ou aderir à assistência prestada na rede básica de saúde acentua o distanciamento existente entre este público e o serviço. O/A profissional afirma desconhecer ou não se sente apto/a para lidar com os desafios que caracterizam a abordagem do usuário de crack. Apesar disto, encontra meios para assegurar o cuidado de si e deste sujeito, o qual é pautado sobretudo na sabedoria prática baseada em sua experiência cotidiana no território. Trata-se, portanto, de um cuidado no/do habitar. Este trabalho reúne algumas considerações sobre o assunto a partir de uma pesquisa etnográfica, realizada entre junho de 2015 e setembro de 2016, em uma unidade da ESF soteropolitana e seu território de abrangência. O objetivo é problematizar, do ponto de vista antropológico, as questões sociais e culturais do trabalho do/a ACS; e compreender os limites e possibilidades de sua atuação na ESF frente ao consumidor de crack.
The public health care system, through the Family Health Program (FHP), is summoned to provide assistance to (il)legal drugs users, as soon as this social practice was considered a public health problem. Similar to others health services, the FHP reflects a peculiar and socially built manner to comprehend and deal with the health and the illness related issues. This study focus on the Community Health Agent, commonly known as ACS (Agente Comunitário de Saúde) in the city of Salvador, Bahia, Brazil. The ACS usually is a person who lives in the neighborhood and becomes a community caregiver, which allows him/her to bridge the gap between the community and the public health service. The double insertion of the ACS in the territory distinguishes him/her from other health professionals at the same service. Besides that, it is a crucial aspect to ensure the access of the community to the health assistance and as well as to guarantee its effectiveness. The ACS practice is a multifunctional one. It is based on the Brazilian legislation; It is under different levels of management; It is part of the others activities developed in the different places of the health service; It is supported and guided by professionals from the same service whom the ACS work with, and professionals from others services of the public health care system. Furthermore, the ACS actions are influenced by a variety of the therapeutic approaches which exist on the context of the Family Health Program; It depends on the life conditions of the population that lives in the particular areas where the ACS acts and Salvador social features in general. Therefore, it is possible to say that the ACS professional oversight and the peculiar work of this professional are both multidetermined, ambivalent, and social and culturally conditioned. At the same time, it affects the ACS mental health and as a result, he/she reacts through psychological defensive strategies, in an attempt to protect himself/herself. The assistance that the ACS provides to adult male crack users that live in the community occurs in the same way. Men resist to access and to adhere to the care provided by the public health service and it increases the distance between this specific public and the Brazilian public health care service unit. The ACS states that he/she doesn’t know how or is incapable to deal with the challenges related to the approach of the crack users. Nevertheless, this professional develops strategies to protect himself/herself and also to ensure the drug users’assistance. Such strategies are based on “practical wisdom”, built on his/her daily field experience. It refers to care “from/within the dwelling”. This study analyses these subjects based on an ethnographic research developed between June 2015 and September 2016 in a FHP unit located in the city of Salvador. It aims to discuss, from an anthropological perspective, the social and cultural issues related to the practice of the ACS and to understand the limits and the possibilities of his/her work when dealing with the crack user. Key-words: Ethnography and Anthropology of Care, Family Health Program, Community Health Agent, Drug users.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21989
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGA)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
dissertação talita nunes costa.pdf2.81 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA