DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Medicina) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21377

Title: Avaliação do volume cerebral e cerebelar em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva de etiologia chagásica e não chagásica através de ressonância magnética craniana em Salvador (Bahia, Brasil)
Authors: Gonçalves, Beatriz Martinelli Menezes
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira Filho, Jamary
Keywords: Doença de Chagas;Insuficiência cardíaca;Sistema Nervoso Central;Aatrofia
Issue Date: 8-Feb-2017
Abstract: A Doença de Chagas (DC) é a sexta maior infecção tropical do mundo, responsável pela morte de aproximadamente 10.000 pessoas por ano. Estudos cognitivos com pacientes acometidos por DC têm demonstrado a presença de acometimentos neurológicos centrais, não apenas associados à complicação por insuficiência cardíaca (IC). Essas alterações cognitivas podem ser identificadas a partir das diferenças anatômicas presentes no cérebro desses pacientes, inferidas a partir do estudo da ressonância magnética (RM) craniana. Objetivos: Comparar o volume cerebral e cerebelar de pacientes com IC chagásica e IC por outras etiologias, e identificar possíveis preditores de atrofia cerebral e cerebelar. Metodologia: A RM desses pacientes foi analisada pelo software MRIcro versão 1.40. Atrofia foi definida pela proporção entre o volume cerebral e cerebelar, respectivamente, e o volume intracraniano. Foram realizadas análises uni e multivariadas em regressão linear para avaliar possíveis preditores de diferenças de volume e atrofia. Resultados: Foram estudados 150 pacientes, 75 com ICC chagásica e 75 com IC por demais etiologias. Em relação aos preditores: há um decréscimo de volume cerebral e cerebelar com a idade, e homens possuem maior volume cerebral e cerebelar do que mulheres. Ter doença arterial coronariana é um preditor de atrofia cerebral e cerebelar e quanto maior a fração de ejeção, menos atrofia cerebral. Doença de Chagas não se mostrou como preditor de atrofia cerebral ou cerebelar, apesar de estar associado com alterações de volume. Conclusão: Doença de Chagas não é um preditor de atrofia cerebral ou cerebelar.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21377
Appears in Collections:Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC (Medicina)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Beatriz Martinelli Menezes Gonçalves.pdf8.08 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA