DSpace

RI UFBA >
Instituto de Psicologia >
Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPSI) >
Dissertações de Mestrado (PPGPSI) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18877

Title: A inserção do psicólogo no Centro de Atenção Psicosocial: repercussão na significação da sua atuação profissional
Authors: Brito, Maria Alice Queiroz de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Chaves, Antônio Marcos
Keywords: Clinica ampliada;Centros de Atenção Psicossocial;Self dialógico;Reforma psiquiátrica;Identidade do psicólogo;Psychosocial Attention;Broader clinic;Dialogical self;Psychiatrica reform;Psychologis identity
Issue Date: 18-Apr-2016
Abstract: No Brasil, a ênfase dada à atenção primária em saúde, associada ao movimento da Reforma Psiquiátrica, levou à reestruturação dos serviços de saúde mental e à conceituação das equipes multiprofissionais em saúde mental, incorporando os psicólogos nos seus quadros efetivos. Nesse processo de reestruturação e criação de novos dispositivos de atenção à saúde mental, surgem os Centros de Atenção Psicossocial – CAPS, trazendo o enfoque de uma clínica psicossocial. Este contexto demanda do psicólogo um novo conjunto de habilidades e competências, configurando uma prática que vem sendo denominada de clínica ampliada. Buscando entender em que medida os psicólogos estão lidando com as mudanças que a atuação na atenção primária em saúde trouxe para a sua prática, este estudo pretende responder à seguinte questão: Como os psicólogos estão significando a sua prática profissional no contexto dos CAPS e como esta experiência repercute neste significado em construção? Este estudo teve por base a Teoria do Self Dialógico de Hubert Hermans. Optou-se por um estudo qualitativo exploratório, trabalhando-se com uma amostra intencional do universo dos Centros de Atenção Psicossocial, especificamente os CAPS II. Para a coleta de dados, foi utilizado o recurso da entrevista narrativa em profundidade, sendo entrevistados sete psicólogos, um de cada CAPS, indicados pela coordenação, em função da disponibilidade de horário do profissional no momento. Os relatos foram analisados através da técnica de Análise de Discurso proposta por Spink, obtendo-se as seguintes categorias: influência da formação acadêmica e profissional na relação com o trabalho da clínica ampliada; concepção do trabalho clínico psicológico e sua relação com a clínica ampliada; sentidos e desafios da proposta de trabalho no CAPS para o ser psicólogo; e impacto do trabalho com a equipe multiprofissional na delimitação do trabalho do psicólogo. As categorias de análise foram trabalhadas utilizando-se os Mapas de Associação de Idéias. Os resultados deste estudo demonstraram que, embora os psicólogos entrevistados tenham sido unânimes ao considerar o atendimento individual como o trabalho que caracterizaria a sua atuação como psicólogos, ao mesmo tempo concordam que o diferencial da clínica ampliada é o sair das “quatro paredes” do consultório e incluir o contexto social onde o cliente/usuário está inserido, uma atuação em todos os espaços da instituição e no espaço social. Isso sugere uma ambivalência entre o Eu-psicólogo como Eu-psicoterapeuta individual e o Eu-psicólogo como eu-técnico de saúde mental, que se reflete na própria identidade do psicólogo. Observou-se que a diversidade de atividades desenvolvidas aliada ao fato de serem integrantes de uma equipe multiprofissional, não só dificulta a delimitação do que seria o papel do psicólogo, por serem vários técnicos de diferentes áreas desenvolvendo o mesmo tipo de atividade, como também pode gerar uma crise de identidade para o profissional de Psicologia. Concluiu-se que o que vai realmente diferenciar o trabalho do psicólogo, é o “como” ele faz a intervenção, a qualidade do seu olhar, da sua escuta, muito mais do que o modelo de uma prática, como o atendimento individual. O estudo mostrou que a atuação do psicólogo nos CAPS deve estar sempre voltada para reabilitar o usuário como cidadão, empoderando-o e incluindo-o em seu território, o que implica um redimensionamento do Eu-psicólogo que trabalha com o sujeito para um Eu-psicólogo que trabalha com/em comunidade. Ficou também clara a dimensão política da atuação do psicólogo. In Brazil, the emphasis given to the health primary attention, connected to the Psychiatric Reform Movement, leaded to the mental health services restructuration. Because of it, it was also created mental health multiprofessional teams, thus incorporating psychologists in their boards. Among the units of mental heath services created because of that restructuration, there was the Psychosocial Attention Centers – CAPS. The CAPS brought the psychosocial clinical approach. In this context the psychologist needs to develop new abilities and competences; it´s the emergence of a new practice called a broader clinic. In an attempt to understand how the psychologists are dealing with all those changes, this research intends to answer the following question: What is the meaning that the psychologists are giving to their professional practice in the CAPS and what is the impact that this experience has on this meaning that is being developed? This research is based on Hubert Hermans` Dialogical Self Theory. It’s an exploratory qualitative study, working with a sample from the universe of the Psychosocial Attention Centers, the CAPS II. It was used the deep narrative interview, in order to collect the data. Seven psychologists were interviewed, one from each CAPS; they were chosen by their director, because they had some time available in their schedule, at the moment of the interview. Their speech were analyzed using Spink’s Speech Analysis Technique; resulting in the following categories: The academicals and professional influence on the broader clinical work; how the psychological clinical work is conceived and its relation with the broader clinic; meanings and challenges of the work in CAPS for the psychologist; the impact of the work with a multiprofessional team on defining borders of the psychologist`s work. The Ideas Association Maps were used to work with the categories. The results showed that, although the psychologist that were interviewed were unanimous on considering the individual psychotherapy as the work that would characterize their work as psychologists, at the same time they agree that what is specific of the broader clinic proposal is to “get out from inside of the walls” of the office, and to include the social context where the user belongs.; to work in all the spaces of the institution and in the social space. This brings about ambivalence between the I-psychologist as a I-individual psychotherapist and the I-psychologist as a I-mental health technician. It was also observed that variety of activities added to the fact that are done also by the multiprofessional team, not only makes it difficult to delimitate the role of the psychologist, as it can also generate a psychologist identity crisis. We reached the conclusion that what really characterizes the psychologist`s work is “how” he intervenes, the quality of his seeing, of his hearing, all these much more than his practice as the professional who does individual sessions. This study showed that the psychologist work in CAPS must always be towards rehabilitating the user as a citizen, empowering him and including him in his territory. This means a redimensioning of the I-psychologist that works with the individual to a I-psychologist that works with/in community. It was also observed the political dimension of the psychologist practice.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18877
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGPSI)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação de Maria Alice Queiroz de Brito.pdf1.78 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA