DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH) >
Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PPGF) >
Dissertações de Mestrado (PPGF) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11481

Title: A má-fé na analítica existencial Sartriana
Authors: Póvoas, Jorge Freire
???metadata.dc.contributor.advisor???: Santos, José Antonio Saja Ramos Neves dos
Keywords: Ética;Sartre;Existencialismo;Ontologia;Fenomenologia;Angústia;Ethics;Existentialism;Ontology;Phenomenology;Anguish
Issue Date: 2005
Publisher: Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFBA
Abstract: Presente na obra filosófica sartriana O Ser é o Nada, o conceito de má-fé, não ocorre em dois momentos distintos da realidade humana, mas em um só. Na má-fé não existe a dualidade do enganador e do enganado que estão presentes na mentira. Não há um interlocutor na má-fé para quem a mentira possa ser direcionada. Logo, a má-fé é uma espécie de negação interna, um mentir para si mesmo. Aqui, o enganador conhece tudo que o enganado busca esconder. É a consciência que direciona sua negação para dentro de si mesma. Desta forma, a má-fé não vem de fora da realidade humana. É a consciência que infecta a si mesma de má-fé. Porém, se toda consciência é consciência de alguma coisa, quem age de má-fé tem consciência desse agir, sabendo exatamente o que busca esconder, já que ser consciente é conhecer, é saber o que se sabe. A consciência na visão sartriana é plenamente consciente de si, não havendo inconsciente ou não-consciência que possa justificar as ações humanas. Nesse sentido a má-fé representa uma eterna fuga. Fuga da angústia provocada pelo peso da responsabilidade. É nesse contexto que a má-fé se instaura, quando o homem tenta fugir do que ele não é, em busca do que ele nunca será. Por se configurar como um ser inacabado o para-si jamais será como um ser em-si pleno, conciso em si mesmo, devendo-se isso ao fato de que a consciência esconde em seu ser um permanente risco de má-fé, uma vez que para Sartre ela se revela como um ser que não-é-o-que-é. Assim, a consciência é um vazio e por ser consciência de alguma coisa ela nunca será o que busca ser, sendo sempre uma representação. Por conseguinte, é através dessa desagregação da consciência que a má-fé se instaura e se habilita a propiciar alívio imediato, em forma de fuga, para o existir humano.
Description: 117f.
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11481
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGF)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertacao Jorge Povoasseg.pdf456.08 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA