DSpace

RI UFBA >
Instituto de Letras >
Programa de Pós-graduação em Letras e Lingüística (PPGLL até 2010) >
Teses de Doutorado (PPGLL) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11406

Title: As faces e as marcas do sujeito em Le grand routier de mer.
Authors: Bessa, Rita Maria Ribeiro
???metadata.dc.contributor.advisor???: Telles, Célia Marques
Keywords: Roteiros de navegação do século XVI;Francês médio;Discurso;Dêixis;Condições de produção;Sujeito;16th century Portuguese itineraries;Middle french;Discourse;Socialhistorical and circumstantial context;Subject
Issue Date: 2008
Publisher: Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UFBA
Abstract: Os roteiros da Carreira da Índia e da Carreira do Brasil, traduzidos pelo holandês J. H. van Linschoten, são fundamentais para facilitar a expansão marítima européia no século XVI para as Índias Orientais. Os Países Baixos, a Inglaterra e a França ambicionavam a conquista destas rotas que permitiria pôr fim ao monopólio comercial lusitano e espanhol nas Índias. Os roteiros selecionados como corpus desta pesquisa são escritos em francês médio e foram publicados em Le grand routier de mer (1610). O discurso destes roteiros é constituído por enunciados que trazem orientações das rotas, descrições sobre os locais e sinais encontrados no caminho para as Índias e, sobretudo, advertências.Trata-se de uma obra cuja fidedignidade aos originais portugueses já foi comprovada e que reúne, ao lado das informações dos roteiros portugueses que chegaram às mãos de J. H. van Linschoten, aquelas informações que ele acrescentou a partir de sua experiência na Índia, ao lado de portugueses e espanhóis. É feita a análise da variante lingüística na qual são estruturados, a saber, o francês médio cujos limites são pontuados entre os séculos XIII e XVI. O francês médio apresenta-se como uma língua em fase de mudanças. Ele caracteriza ainda o momento de busca da afirmação e da unidade da língua francesa como idioma nacional. Os textos franceses dos Roteiros da Carreira da Índia e da Carreira do Brasil são uma fonte rica em fatos característicos deste momento do idioma. A partir de alguns fatos lingüísticos encontrados e da relevância atribuída ao eu que nos roteiros se refere ao piloto-autor e ao tradutor, adotam-se pressupostos que permitem uma nova leitura das marcas pessoais e que concebem a língua como o resultado da ação do falante enquanto sujeito histórico, social e circunstancial. A teoria da dêixis e a teoria da enunciação elucidam, inicialmente, o referente do Je (eu) no discurso dos roteiros, no caso, o tradutor, como também, o seu alocutor (vous). Porém, as análises concernentes à ocorrência da marca Je relativa ao piloto e as demais marcas lingüístico-discursivas que são deixadas no discurso dos roteiros pelo sujeito são examinadas segundo os pressupostos teóricos da escola francesa de análise do discurso, sobretudo, a partir das idéias de S. Possenti. Nesta perspectiva, sujeito e discurso são indissociáveis do contexto sócio-histórico e circunstancial, como também, da noção de atividade e de escolha do sujeito no processo de construção dos sentidos. Conclui-se, de acordo com os fatos encontrados nos roteiros e de acordo com a proposta de S. Possenti, que o sujeito de Le grand routier de mer é o sujeito-tradutor que assume diversas faces, a saber, sujeito-de-direito-tradutor-espiãoautor e que age sobre o material lingüístico para, através de seu discurso, facilitar a conquista das rotas para as Índias.
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11406
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGLL)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rita Maria Ribeiro Bessa.pdf89.5 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA