DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Teses de Doutorado (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10851

Title: Rompendo o silêncio: estudo de vitimização de Agentes Comunitários de Saúde no âmbito do trabalho em Salvador-BA.
Authors: Bispo, Tânia Christiane Ferreira
???metadata.dc.contributor.advisor???: Machado, Eduardo Paes
Keywords: Agentes comunitários de saúde;Violência relacionada ao trabalho;Vitimização;Community-based health agents;Violence related to work;Victimization;Saude publica
Issue Date: 2011
Publisher: Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva
Abstract: Esta tese apresenta os resultados de uma investigação no município de Salvador -BA sobre a vitimização dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) do Programa de Saúde da Família (PSF) no âmbito do trabalho. Teve como objetivo geral: analisar as formas e efeitos da vitimização sobre o trabalho, identidade e saúde dos ACS do PSF em Salvador - BA. A literatura nacional e internacional sobre vitimização de profissionais de saúde destaca a vulnerabilidade destes às agressões verbais e físicas, sobretudo os profissionais que desenvolvem suas atividades cotidianas em ambientes externos e em constantes deslocamentos como é o caso do ACS. Para tanto foi utilizado o referencial teórico da Teoria das atividades rotineiras e defesas contra o crime. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa de natureza etnográfica, onde foram utilizadas: entrevista semi-estruturada, observação participante, análise documental e Grupo Focal. O espaço do estudo foram três Distritos Sanitários do PSF em Salvador - BA. Os sujeitos pesquisados foram 75 ACS. Para análise dos dados foi utilizada a análise temática de Bardin. Os resultados apontaram que um dos conflitos mais significativos que atingem os ACS é o risco de vitimização. Seu cotidiano de trabalho envolve uma estruturação espaço-temporal específico de atividades, tais como trabalhar na mesma região em que reside, entrar em casa de pessoas pouco conhecidas e em muitos casos, transitar diariamente pelas mesmas ruas onde ocorre o movimento do tráfico de drogas e da criminalidade em geral. Desta forma, adentrar em determinadas áreas da Cidade num contexto de violência explícita, leva os ACS a utilizarem defesas primárias e secundárias para se protegerem dos agravos à saúde e riscos a que estão expostos no âmbito do trabalho. A pesquisa também permitiu dialogar a respeito dos problemas de saúde já identificados por outros estudos, concluindo que os agravos à saúde decorrem também das condições de trabalho inadequadas, da falta de uma assistência eficaz, da vitimização secundária que culpabiliza, responsabiliza e pune os trabalhadores. Frente ao exposto, torna-se imprescindível a obrigatoriedade de abordagem relacionada à violência no âmbito do trabalho com garantia de espaço de discussão acerca da temática, de forma a embasar a formulação de políticas públicas instituídas em defesa destes trabalhadores, assim como aprofundamento das questões levantadas sobre os agravos à saúde dessa categoria como uma via possível para planejar, executar e formular estratégias de prevenção do crime e do adoecimento, e promoção da saúde e qualidade de vida para os Agentes Comunitários de Saúde.
Description: p. 1-204
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10851
Appears in Collections:Teses de Doutorado (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
88888888888888888.pdf1.37 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA