Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/36091
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorOliveira, Gilmara Silva de-
dc.date.accessioned2022-10-03T13:38:09Z-
dc.date.available2022-10-03T13:38:09Z-
dc.date.issued2022-09-13-
dc.identifier.citationOLIVEIRA, Gilmara Silva de. ESTE BARULHO TE INCOMODA?! POTÊNCIA POLÍTICA DE TRAVESTIS NEGRAS FRENTE À VIOLAÇÃO DE DIREITOS E AS MÚLTIPLAS VIOLÊNCIAS: ACEITA QUE DÓI MENOS! Orientadora: Valéria dos Santos Noronha. 2022. N. de páginas: 166. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Serviço Social) - Instituto de Psicologia Social, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2022.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufba.br/handle/ri/36091-
dc.description.abstractHere you will find thinking in the singular and plural. I write in articulation with theories, authorial poetry and individual/collective experiences of black transvestites, living in Salvador - Bahia. I reaffirm their places as co-authors, narrators of experiences of their life trajectories. This is a conversation among black, trans, cis, and transvestite women, in an activist-intellectual movement in favor of decolonization of knowledge, via what I call Words - Razor-Sweetness that Sets Free. It is a study anchored in Black Feminist and Transfeminist Social Thought of the Quilombola Amefrican intellectuals Maria Beatriz Nascimento, Lélia Gonzalez and Thiffany Odara, in a theoretical-methodological-political-affective-symbolic ciranda with other references, whose perspectives are convergent. My activist-intellectual, personal, and professional trajectory occupies a social place of speech, located in an intentionally political perspective, situated by the different oppressive intersections, exponentially determined by race, gender, and class, given the denial and disallowance of the intellectual dimension of black people, mainly, black women, cut by academic epistemicide. To reference these places is also to demarcate my ethical, political, professional, and symbolic commitment in the context of the struggle against racist transphobia that affects black trans women, the transvestites, and cis women, in ways that approach and distance themselves, considering our specificities. From this place I know, recognize, and problematize cisgenerity as a structure that materializes the logic of necropolitics in the lives of non-cis people, with the direction of DESeducating and disobey pedagogies that prevent the construction of spaces that are for all people, aligned with the political and pedagogical legacy of individual and collective movements, led by black trans and cis Brazilian women. The methodological path goes through a survey and bibliographical study, systematization of the theoretical framework organized by chapters and axes crossed by the intersectional perspective, articulated with semi-structured virtual interviews with the co-authors. The political-cultural-ideological concepts of Amefricanity, Quilombo and Travestilizing education are located here as epistemological and methodological tools to understand the political and pedagogical character of the potency of black transvestites. The organization of references relies on the practice of inventorying, being a study that aims to highlight, enhance and strengthen the struggles led by contemporary black transvestites, showing that although they are targets of violence and denial of fundamental rights, they undertake (R)existences from their own body-territory and to politically influence public policies and daily social relations are configured as purposes that are individual and collective, towards the guarantee of their rights and recognition of their condition of humanity.pt_BR
dc.description.sponsorshipFundação de Amparo á Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESBpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal da Bahiapt_BR
dc.subjectTravestis negraspt_BR
dc.subjectCisgeneridadept_BR
dc.subjectPotência travestipt_BR
dc.subjectNarrativas dissidentespt_BR
dc.subjectPalavras-navalhas-doçuraspt_BR
dc.subject.otherBlack transvestitespt_BR
dc.subject.otherCisgenerismpt_BR
dc.subject.otherTransvestite potencypt_BR
dc.subject.otherDissident narrativespt_BR
dc.subject.otherWords-needles-sweetnesspt_BR
dc.titleEste barulho te incomoda?! potência política de travestis negras em Salvador frente a negação de direitos e às múltiplas violências: aceita que dói menos!pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Serviço Socialpt_BR
dc.publisher.initialsUFBApt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::SERVICO SOCIALpt_BR
dc.contributor.advisor1Noronha, Valéria dos Santos-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0413138893323187pt_BR
dc.contributor.referee1Clemente, Flávia da Silva-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3845365828533014pt_BR
dc.contributor.referee2Tavares, Márcia Santana-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9948943434197165pt_BR
dc.contributor.referee3Noronha, Valéria dos Santos-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/0413138893323187pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/7887643086696240pt_BR
dc.description.resumoAqui você encontra o pensamento no singular e no plural. Escrevo em articulação com teorias, poesias autorais e vivências individuais/coletivas de travestis negras, residentes em Salvador - Bahia. Reafirmo seus lugares de co-autoras, narradoras de experiências das suas trajetórias de vida . Trata-se de uma conversa entre mulheres negras, trans, cis e as travestis, em um movimento ativista-intelectual em favor da descolonização do saber e conhecimento, via o que chamo de Palavras-Navalhas-Doçuras que Libertam. É um estudo ancorado no Pensamento Social Negro Feminista e Transfeminista das intelectuais Amefricanas Quilombolas Maria Beatriz Nascimento, Lélia Gonzalez e Thiffany Odara, em uma ciranda teórica-metodológica-política-afetiva-simbólica com outras referências, cujas perspectivas são convergentes. Minha trajetória ativista-intelectual, pessoal e profissional ocupa um lugar social de fala, localizado em uma perspectiva intencionalmente política, situado pelas diferentes intersecções opressoras, determinadas exponencialmente pela raça, gênero e classe, dada a negação e desautorização da dimensão intelectual de pessoas negras, principalmente, de mulheres negras, cortada pelo epistemicídio acadêmico. Referenciar esses lugares é também demarcar meu compromisso ético, político, profissional e simbólico no contexto da luta contra a transfobia racista que afeta mulheres negras trans, as travestis e cis, de formas que se aproximam e se distanciam, considerando as nossas especificidades. Deste lugar conheço, reconheço e problematizo a cisgeneridade enquanto estrutura que materializa a lógica da necropolítica nas vidas de pessoas não cis, com o direcionamento de DESeducar e desobedecer pedagogias que impedem a construção de espaços que sejam para todas as pessoas, alinhado com o legado político e pedagógico de movimentos individuais e coletivos, protagonizados por mulheres negras trans e cis brasileiras. A caminhada metodológica passa pelo levantamento e estudo bibliográfico, sistematização de quadro teórico organizado por capítulos e eixos atravessados pela perspectiva interseccional, articulados com a entrevista semi-estruturada virtual com as co-autoras. Os conceitos político-cultural-ideológico de Amefricanidade, Quilombo e Travestilizando a educação localizam-se aqui enquanto ferramentas epistemológicas e metodológicas para compreensão do caráter político e pedagógico da potência de travestis negras. A organização das referências conta com a prática de inventariar, sendo um estudo que pretende evidenciar, valorizar e potencializar as lutas protagonizadas por travestis negras contemporâneas, demonstrando que, embora sejam alvos de violências e negação de direitos fundamentais, empreendem (R)existências a partir do seu próprio corpo-território e incidir politicamente no âmbito das políticas públicas e das relações sociais cotidianas configuram-se como propósitos que são individuais e coletivos, na direção da garantia de seus direitos e reconhecimento da sua condição de humanidade.pt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH)pt_BR
dc.relation.referencesANDES. Governo corta R$3,2 bilhões do orçamento do MEC; Ensino Superior terá corte de R$1bilhão. Andifes, Maio, 2022. Disponível em <https://www.andes.org.br/conteudos/noticia/governo-corta-r-3-2-bilhoes-do-orcamento-do-m EC-ensino-superior-tera-corte-de-r-1-bilhao1>. Acesso em 05/08/2022. ANASTÁCIO, Márcio. Vitória Trans: STF garante efeitos do PL João Nery. Jornalistas Livres. 2018. Disponível em <https://jornalistaslivres.org/vitoria-trans-stf-garante-efeitos-do-pl-joao-nery/>. Acesso em 28/08/2022. ANDRADE, Luma Nogueira de. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. UFCE. Fortaleza, 2012. Disponível em <https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/131976/tese%20Luma%20Andrade.p df?sequence=1&isAllowed=y>. ANPG. Nota APG UFBA, APG FIOCRUZ, ANPG sobre bolsas FAPESB. Salvador, 2020. Disponível em <https://www.anpg.org.br/04/07/2020/nota-apg-ufba-apg-fiocruz-anpg-sobre-bolsas-fapesb/>. Acesso em 13/08/2022. ANTRA. Lançado Dossiê sobre assassinatos e violência contra pessoas trans em 2019. Disponível em <https://antrabrasil.org/2020/01/29/lancado-dossie-sobre-assassinatos-e-violencia-contra-pess oas-trans-em-2019/>. Acesso em 31/01/2021. ANTRA BRASIL. Disponível em <https://linktr.ee/antrabrasil>. Acesso em 13/08/2022.ATRAÇÃO. Carta Aberta com demandas da comunidade transgênero, travesti e transexual ao Governo do Estado da Bahia, à Prefeitura Municipal de Salvador e a outros atores do Poder Público. Salvador, 2022. Disponível em <https://drive.google.com/file/d/1sjqk89JdN7nOOoN0TwlAFjv9GMjsBs1R/view>. ARAUJO, Francileide. Morre Vida Bruno, historiador, coordenador de Políticas para Cidadania LGBT de Salvador. Notícia Preta. 2021 . Disponível em <https://noticiapreta.com.br/morre-historiador-e-coordenador-de-politicas-para-cidadania-lgbt -de-salvador/>. Acesso em 11/08/2022. BAHIA. Centro Municipal de Referência LGBT+ Vida Bruno. Salvador. Disponível em <http://www.reparacao.salvador.ba.gov.br/index.php/programas/1731-centro-municipal-de-ref erencia-lgbt>. Acesso em 11/08/2022. BENEVIDES, Bruna G; NOGUEIRA, Sayonara Naider Bonfim. DOSSIÊ Assassinatos e violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. ANTRA.Disponível em <https://antrabrasil.files.wordpress.com/2021/01/dossie-trans-2021-29jan2021.pdf>. BERTHO, Helena; LIBÓRIO, Bárbara. Em todas as áreas: como a aliança entre o neoconservadorismo se dá no governo Bolsonaro. Revista AzMina, 2021. Disponível em <https://azmina.com.br/reportagens/em-todas-as-areas-como-a-alianca-entre-neoliberalismo-e -conservadorismo-se-da-no-governo-bolsonaro/>. Acesso em 10/08/2022. BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental e a pandemia de covid-19. Disponível em <https://bvsms.saude.gov.br/saude-mental-e-a-pandemia-de-covid-19/>. Acesso em 13/08/2022. BRITO, Ângela Ernestina Cardoso de; DURÕES, Sarah Jane Alves; GOMES, Emanuella Marques. Mulheres Negras na Docência do ensino superior: discriminação e resistência. Docplayer. Disponível em <https://docplayer.com.br/17139092-Mulheres-negras-na-docencia-do-ensino-superior-discrm inacao-e-resistencia.html>. Acesso em 05/08/2022. CARDOSO, Claudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Debate Colonialidade do Gênero e Feminismos Decoloniais. Rev. Estud. Fem. 22 (3). Dez, 2014. Disponível em <https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300015>. CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. USP. São Paulo, 2005. Disponível em <https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-como-nc3a 3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf>CEMIN, Michele. Formação, adoecimento e cura: a experiência discente na pós-graduação stricto sensu na UFBA. Disponível em <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/35317>. Acesso em 03/08/2022. CLEMENTE, Flavia da Silva. Novas Manifestações de racismo e sexismo contra mulheres negras e contradiscursos das CLEMENTE, Márcia da Silva; GARCIA, Antônia. Políticas Públicas em debate: perspectivas interseccionais. PPGNEIM, PPGSS/UFBA, Salvador, 2020. Disponível em <https://www.facebook.com/109674167540102/videos/180625407074168>. Acesso em 27/11/2020. DUCROQUET, Simon; MARIANI, Daniel, RONCOLATO Murilo, TONGLET, Ariel. Mapa racial do Brasil. Nexo. 2015. Disponível em <https://www.nexojornal.com.br/especial/2015/12/16/O-que-o-mapa-racial-do-Brasil-revela-s obre-a-segrega%C3%A7%C3%A3o-no-pa%C3%ADs>. Entrevista “E se seu filho fosse cisgênero?”. Põe na Roda. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=lUoFRG994tQ>. Escritas femininas em primeira pessoa: Coletânea de contos / Maitê Freitas (org.). - 1 ed. São Paulo : Oralituras, 2020. ESESP. Direitos Humanos: Diversidade sexual e gênero - Módulo I. Espírito Santos. 2020. Disponível em <https://esesp.es.gov.br/Media/esesp/Apostilas/Demandas%20Espec%C3%ADficas%20-%20 2020/Diversidade%20sexual%20e%20g%C3%AAnero.pdf>. FIALHO, Letícia. Setembro Amarelo: racismo e exclusão social explicam alto índice de suicídio entre negros no país. Alma Preta. 2021. Disponível em <https://almapreta.com/sessao/cotidiano/setembro-amarelo-racismo-e-exclusao-social-explica m-alto-indice-de-suicidio-entre-negros-no-pais>. FREITAS, Régia Mabel da Silva. O tráfico linguístico. Portal Geledés. 2014. Disponível em <https://www.geledes.org.br/o-trafico-linguistico/>. FURACÃO, Paulett; OLIVEIRA, Gilmara Silva de; PHILLIPE, Joana. Este barulho te incomoda?! Potência Política de Travestis Negras em Salvador frente à violação de direitos e as múltiplas violências: Aceita que dói menos! PPGSS/UFBA. Salvador, 2022. GAPA Bahia emite nota de esclarecimento sobre o não repasse da 4ª parcela financeira do CPDD LGBT pela SJDHDS. Dois Terços. Salvador, 2020. Disponível em <http://www.doistercos.com.br/gapa-emite-nota-de-esclarecimento-sobre-o-nao-repasse-da-4a -parcela-financeira-do-cpdd-lgbt-pela-sjdhds/>. Acesso em 27/08/2022. GERALDI, Corinta Maria Grisolia; GERALDI, João Wanderley; LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 01, p. 17-44, Janeiro-Março 2015. GONZALEZ, Lélia, 1935-1994. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa…/Lélia Gonzalez. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018, 486 páginas. 1ª edição. GOOGLE. Genocídio da juventude negra. Disponível em <https://www.google.com/search?q=juventude+negra+genocidio+geledes&sxsrf=ALiCzsZFC TABbuEakLvpQy-QGt3vO8fBNQ%3A1659619096135&ei=GMfrYv7jB7ar1sQPgcW1gAo &ved=0ahUKEwj-z7_1oq35AhW2lZUCHYFiDaAQ4dUDCA4&uact=5&oq=juventude+neg ra+genocidio+geledes&gs_lcp=Cgxnd3Mtd2l6LXNlcnAQAzoFCCEQoAE6BwghEKABEA pKBAhBGAFKBAhGGABQP1jWCWCiC2gBcAB4AIABmQKIAZIMkgEFMC41LjOYAQ CgAQHAAQE&sclient=gws-wiz-serp>. Acesso em 04/08/2022. Governo corta R$3,2 bilhões do orçamento do MEC; Ensino Superior terá corte de R$1bilhão. ANDES. Andifes, Maio, 2022. Disponível em <https://www.andes.org.br/conteudos/noticia/governo-corta-r-3-2-bilhoes-do-orcamento-do-m EC-ensino-superior-tera-corte-de-r-1-bilhao1>. Acesso em 05/08/2022. GUITZEL, Virgínia. Orgulho TRANS. Poesias TRANS: A arte da resistência. Esquerda Diário. 2016. Disponível em <https://www.esquerdadiario.com.br/Poesias-TRANS-A-arte-da-resistencia-I>. Acesso em 07/02/2021. HOOKS, Bell. Intelectuais Negras. Estudos Feministas. Ano 3, 1995. Disponível em <https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/10/16465-50747-1-PB.pdf>. Acesso em 14 de março de 2019. —------------. Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. - São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013. —------------, Bell. Love as the practice of freedom. In: Outlaw Culture. Resisting Representations. Nova Iorque: Routledge, 2006, p. 243–250. Tradução para uso didático por wanderson flor do nascimento. Disponível em <https://cebi.org.br/noticias/bell-hooks-o-amor-como-a-pratica-da-liberdade/>HUDS, David. ARTvismo no Coletivo Afrobapho. 2022. Disponível em <https://revistaraca.com.br/artvismo-no-coletivo-afrobapho/>. Acesso em 28/08/2022. JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos: Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgêneros, para formadores de opinião. 2ª edição. Brasília. Dezembro, 2012. Disponível em <https://www.diversidadesexual.com.br/wp-content/uploads/2013/04/G%C3%8ANERO-CO NCEITOS-E-TERMOS.pdf>. JÚNIOR, Henrique Cunha. Críticas ao pensamento das senzalas e casa grande. Revista Espaço Acadêmico. Nº 150 - Novembro, ANO XIII, 2013. KAAS, Hailey. O que é cissexismo? Transfeminismo. 2011. Disponível em <https://transfeminismo.com/o-que-cissexismo/>. LARRAT, Symmy. Suspensão do CPDD LGBT. 2020. Disponível em <https://www.instagram.com/p/CCvuSilBl8D/?utm_source=ig_embed&ig_rid=6c9444f9-ad4 2-4fc9-82a5-da13da51c848>. Acesso em 28/08/2022. MACIEL.Claudia. Saúde mental da população negra: profissionais de psicologia explicam efeitos do racismo. Brasil de Fato. Brasília, 2022. Disponível em <https://www.brasildefato.com.br/2022/07/05/saude-mental-da-populacao-negra-profissionais -de-psicologia-explicam-efeitos-do-racismo>. Acesso em 04/08/2022. MATOS, Brenda. Película Colorida - o documentário. Salvador, 2022. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=42g6R5vvaRY>. Acesso em 08/08/2022. MORAIS, Jacqueline de Fátima dos Santos; PRADO, Guilherme do Val Totelo. Inventário - organizando os achados de uma pesquisa. EntreVer. Florianópolis, v. 01, n. 01, p. 137-154, 2011. NASCIMENTO, Letícia Carolina Pereira do. Transfeminismo. São Paulo: Jandaíra, Feminismos Plurais, 2021. NASCIMENTO, Maria Beatriz, 1942-1995. Beatriz Nascimento: Quilombola e intelectual: Possibilidades nos dias de destruição . Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018, 488 páginas, 1ª edição. ODARA, Thiffany. Pedagogia da DESobediência: Travestilizando a educação. 1ª edição/Salvador - Ba. Editora Devires, 2020. OLIVEIRA, Gilmara Silva de. Palavras Navalhas Doçuras Libertam!. 1ª edição, GSOConsultoria, Salvador, 2021—------------. TRANSFOBIA, RACISMO E SUAS IMPLICAÇÕES NA SAÚDE DE MULHERES TRANSEXUAIS NEGRAS: transgressão do pensar a partir do âmbito do SUS. UFBA, Salvador, 2018. Disponível em <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/29099?mode=full>. OLIVEIRA, Tatiane Moreira Rossini de. População LGBTQI+ e covid-19: a ampliação do abismo das desigualdades. Carta Capital. 2020. Disponível em <https://www.cartacapital.com.br/blogs/lado/populacao-lgbtqi-e-covid-19-a-ampliacao-do-abi smo-das-desigualdades/>. Acesso em 06/02/2021. PESQUISA GOOGLE. Giro de notícias violência contra transexuais e travestis na Bahia. Disponível em <https://www.google.com/search?q=violencia+contra+travestis+em+salvador&sxsrf=ALiCzs ZKX3KYBw7y-8lgVrc-1WD_epydkw:1660400287215&source=lnms&sa=X&ved=2ahUKE wjaoLeKgcT5AhWFBbkGHX75CZgQ_AUoAHoECAEQAg&biw=1227&bih=545&dpr=1.1 >. PINTO, Elizabete Aparecida. Mulheres Negras na Universidade. Canal Preto. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=8oaxBho9a94>. Acesso em 05/08/2022. PORTAL GELEDÉS. Desigualdade racial na educação brasileira: um guia completo para entender e combater essa realidade. Observatório de Educação, 2020. Disponível em <https://www.geledes.org.br/desigualdade-racial-na-educacao-brasileira-um-guia-completo-pa ra-entender-e-combater-essa-realidade/?noamp=available&gclid=Cj0KCQjwl92XBhC7ARIs AHLl9anMGjDTZur6jihSgrAwn7ZkkHBt-1BNH6xwgZaCFoM4gPiZMEh66gEaAmqkEAL w_wcB>. Acesso em 13/08/2022. REIS, Júlio. Defensoria pede informação da Secretaria Estadual de Direitos Humanos sobre suspensão de atividades de Centro LGBT. Defensoria Pública da Bahia. Salvador. 2020. Disponível em <https://www.defensoria.ba.def.br/noticias/defensoria-pede-informacoes-da-secretaria-estadua l-de-direitos-humanos-sobre-suspensao-de-atividades-de-centro-lgbt/>. Acesso em 28/08/2022. RODRIGUES, Gilmar dos Santos. Quilombo do Orobu: experiência de organização popular, formação política e mobilização social promovida pela juventude negra na periferia de Salvador-Ba. UFMG, 2008. Disponível em <https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-BD2KN3>. Acesso em 05/08/2022. SANTANA, Bruno. Cisgeneridade, 2017SENNA, Ariane Moreira de. A invisibilidade das mulheres trans nas produções acadêmicas sobre feminismo e a luta das mulheres. Congresso Abeh. ISBN: 978-85-61702-57-1. SILVA, Anunciação. Salvador, eleições 2020: O axé e o candomblé como alegorias da política partidária. Revista Afirmativa. 2020. Disponível em <https://revistaafirmativa.com.br/3579-2/>. Acesso em 30/1/2020. SIMAKAWA, Viviane Vergueiro. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. UFBA, Salvador, 2016. Disponível em <https://repositorio.ufba.br/handle/ri/19685>. SOMÉ, Sobonfu. O Espírito da Intimidade. Editora odysseus, 2003. STONA, José. O cis no divã / José Stona, Fernanda Carrion, 1ª edição, Salvador-Ba. Editora Devires, 2021. VASCONCELOS, Caê. 15 Estados e Distrito Federal se recusam contabilizar violência contra LGBTs. Ponte. 2020. Disponível em <https://ponte.org/15-estados-e-distrito-federal-se-recusam-a-contabilizar-violencia-contra-lg bts/>. Acesso em 30/01/2021.pt_BR
Appears in Collections:Dissertação (PPGSS)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Gilmara Silva de Oliveira - Dissertação de Mestado Acadêmico - PPGSS UFBA - 2022.pdf9 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.