Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/34736
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorAmaral, Lorene Luize Lisboa-
dc.date.accessioned2022-02-03T19:18:59Z-
dc.date.available2022-02-03T19:18:59Z-
dc.date.issued2021-12-14-
dc.identifier.citationAmaral, L. L. L. (2021). Processos de cuidado no programa brincando em família: uma ciranda entre crianças, familiares e equipe (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.ufba.br/handle/ri/34736-
dc.description.abstractThe present study is part of the discussion on child mental health practices within the scope of the Sistema Único de Saúde (Unified Health System) and university projects, considering the contributions of psychoanalysis and the training of psychologists for this work. A non-systematic review of the Brazilian literature on the subject was carried out and the findings indicate how recent public policies are in the area, often with professionals being unprepared to act in the logic of psychosocial care, remnants of the biomedical model, care gaps in the network, insipience regarding clinical-institutional supervision and little visibility regarding the care of the caregiver. With this in mind, we chose to investigate the field of Brincando em Família (BF), a teaching, research and extension program at the Federal University of Bahia. The BF has a twofold primary task: 1) to contribute to the training in psychology of undergraduates and professionals and 2) to build care practices, mainly through groups that bring together children, their guardians and a team of acolhedoras (psychologists and psychology students). Furthermore, we resort to the formulations of the author Luís Claudio Figueiredo and, in dialogue with psychoanalysis, we consider care as a process that generates meaning, which takes place in intersubjectivity and is expressed in different dimensions. To characterize this phenomenon, the case study in question focuses on the BF through 03 entries in the field: participant observation of team supervision, semi-structured interviews with 08 acolhedoras and reading of written reports from the consultations. Thus, all access to the Program occurred through the team, which also provoked a look at the concomitance between the production of care activities and the production of subjectivity of the acolhedoras, a process called co-production by Gastão Wagner Campos. As a result of the thematic analysis of the data, therefore, three chapters of results and discussion were prepared. The first deals with training in psychology, noting it as a path in constant construction that needs to make sense for those who live it. The second brings to light the experience of the acolhedoras, presenting, among other points, the clinical-institutional supervision as a fruitful space for learning and caring. And the third, in turn, identifies some care practices that the Program has developed with families in the context of the Covid-19 pandemic, in which the presence of playing as a therapeutic resource stands out from D. Winnicott, the clinic of continence in supporting families according to W. Bion, the strengthening of bonds from the perspective of P. Benghozi, among others. Finally, we realize the importance of bridges between theory and practice promoted by university programs that bring together the tripod of teaching, research and extension and we hope that the study in question will contribute to the development of such programs. For future research, we suggest further investigation on the possibilities of psychosocial monitoring for children in group formats that include families, in different institutions such as SUS services and universities, in order to continue the discussion about possible and timely intervention modes.pt_BR
dc.description.sponsorshipCAPESpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal da Bahiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCuidadopt_BR
dc.subjectSaúde mental infantilpt_BR
dc.subjectPsicanálisept_BR
dc.subjectAtenção psicossocialpt_BR
dc.subjectBrincando em Famíliapt_BR
dc.titleProcessos de cuidado no programa brincando em família: uma ciranda entre crianças, familiares e equipept_BR
dc.title.alternativeCare processes in the "Brincando em Família" program: a ring-around-the-rosey between children, family and caretakerspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPSI) pt_BR
dc.publisher.initialsUFBApt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO::DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADEpt_BR
dc.contributor.advisor1Dejo, Vania Nora Bustamante-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7761894402496201pt_BR
dc.contributor.referee1Dejo, Vania Nora Bustamante-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7761894402496201pt_BR
dc.contributor.referee2Coutinho, Denise Maria Barreto-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/8008347581835095pt_BR
dc.contributor.referee3Campos, Rosana Teresa Onocko-
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/8657239011206899pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6604005079916148pt_BR
dc.description.resumoO presente estudo se situa dentro da discussão sobre práticas de saúde mental infantil no âmbito do Sistema Único de Saúde e de projetos universitários, considerando as contribuições da psicanálise e a formação de psicólogas para esse trabalho. Foi realizada uma revisão não sistemática da literatura brasileira sobre o tema e os achados indicam quão recentes são as políticas públicas na área, muitas vezes havendo despreparo dos profissionais para atuar na lógica da atenção psicossocial, resquícios do modelo biomédico, lacunas assistenciais na rede, insipiência quanto a supervisão clínico-institucional e pouca visibilidade quanto ao cuidado de quem cuida. Tendo isso em vista, optamos por investigar o campo do Brincando em Família (BF), um Programa de ensino, pesquisa e extensão da Universidade Federal da Bahia. O BF possui uma dupla tarefa primária: 1) contribuir para a formação em psicologia de graduandas e profissionais e 2) construir práticas de cuidado, principalmente através de grupos que reúnem crianças, seus responsáveis e uma equipe de acolhedoras. Ademais, recorremos às formulações do autor Luís Claudio Figueiredo e, em diálogo com a psicanálise, consideramos o cuidado como um processo gerador de sentido, que se dá na intersubjetividade e se expressa em distintas dimensões. Para caracterizar tal fenômeno, o estudo de caso em questão se debruça sobre o BF por meio de 03 entradas no campo: observação participante das supervisões de equipe, entrevistas semiestruturadas com 08 acolhedoras e leitura dos relatos escritos a partir dos atendimentos. Sendo assim, todo acesso ao Programa ocorreu por intermédio da equipe, o que provocou também um olhar sobre a concomitância entre a produção das atividades de cuidado e a produção da subjetividade das acolhedoras, processo denominado de coprodução por Gastão Wagner Campos. Em decorrência da análise temática dos dados, foram elaborados, portanto, três capítulos de resultados e discussão. O primeiro aborda a formação em psicologia, notando-a como um percurso em constante construção que precisa fazer sentido para quem o vive. O segundo traz à tona a experiência das acolhedoras, apresentando, dentre outros pontos, a supervisão clínico-institucional como um espaço fecundo para aprender e cuidar. E o terceiro, por sua vez, identifica algumas práticas de cuidado que o Programa tem desenvolvido junto às famílias no contexto da pandemia da Covid-19, nas quais se destacam a presença do brincar como recurso terapêutico a partir de D. Winnicott, a clínica da continência no suporte às famílias segundo W. Bion, o fortalecimento dos vínculos na perspectiva de P. Benghozi, entre outras. Percebemos, por fim, a importância das pontes entre teoria e prática promovidas por programas universitários que reúnem o tripé do ensino, pesquisa e extensão e esperamos que o estudo em questão colabore para o desenvolvimento de tais programas. Para futuras pesquisas, indicamos que investiguem mais as possibilidades de acompanhamento psicossocial para crianças em formatos grupais que incluam as famílias, em instituições diversas como serviços do SUS e das universidades, a fim de continuar a discussão sobre os modos de intervenções possíveis e oportunos.pt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Psicologiapt_BR
dc.relation.referencesAnzieu, D. (1993). O Grupo e o inconsciente: o imaginário grupal. São Paulo: Casa do Psicólogo. Almeida, N., F., Coelho, M. T. Ávila, & Peres, M. F. T. (1999). O conceito de saúde mental. Revista USP, (43), pp. 100-125. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/28481 Almeida, R. S. et al. (2020). Pandemia de COVID-19: guia prático para promoção da saúde mental da de crianças e adolescentes. Sociedade Brasileira de Pediatria, Rio de Janeiro, 10(2. doi: 10.25060/residpediatr-2020.v10n2-318. Amarante, P. (1995). Loucos pela Vida (2a ed.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. Balint, E. (1993). Fair sharesand mutual concern. Before I was I. In: Balint, E. Psychoanalysis and the imagination. Londres: The FreeAssociation Books. Balint, M. (2005). O médico, seu paciente e a doença (Musachio, R. O. Trad.). 2ª ed. São Paulo: Atheneu. (Trabalho original publicado em 1957). Barbieri, V. (2010). Psicodiagnóstico tradicional e interventivo: confronto de paradigmas?. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online], Brasília, 26(3), pp. 505-513. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000300013 Barbosa, A. S. et al. (2020). Processo de trabalho e cuidado em saúde mental no Centro de Atenção Psicossocial da UERJ na pandemia de COVID-19. Brazilian Journal of Health and Biomedical Sciences, Rio de Janeiro, 19(1), pp. 11-19. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/bjhbs/article/view/53527 Basaglia, F. (2005). Corpo e Instituição. In: Basaglia, F., Escritos Selecionados (pp.73-89). Rio de Janeiro: Garamond. Benghozi, P. (2010). Malhagem, filiação e afiliação. Psicanálise dos vínculos: casal, família, grupo, instituição e campo social (Galery, E. D. Trad.). São Paulo: Vetor. Bion, W. R. (1970a). Attention and interpretation. London: Tavistock. Bion, W. R. (1970b). Experiências com grupos: os fundamentos da psicoterapia de grupo. Rio de Janeiro: Imago. Biscarde, D. G. S., Pereira-Santos, M., & Silva, L. B. (2014). Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): Conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 18(48), pp. 177-186. doi:10.1590/1807-57622013.0586 Boesmans, E. F., Aguiar, S. G., Gomes, R. C. C., & Bleicher, T. (2017). Programa de extensão: Clínica, estética e política do cuidado. Revista de Psicologia, Fortaleza, 7(2), pp. 142-150. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/6282 Bollas, C. (1987). O objeto transformacional. In: Bollas, C, A sombra do objeto: psicanálise do conhecido não pensado. Rio de Janeiro: Imago. Braga, T. B. M., & Farinha, M. G. (2017). Heidegger: em busca de sentido para a existência humana. Revista da Abordagem Gestáltica, Goiânia, 23(1), pp. 65-73. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v23n1/v23n1a08.pdf Brandt, Juan A. (2017). Supervisão em grupo da prática clínica psicanalítica: algumas reflexões. Vínculo, São Paulo, 14(1), pp. 1-10. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902017000100006&lng=pt&tlng=pt. Brasil. Lei n. 10.216, de 06 de abril de 2001. (2001). Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 09 de abril de 2001. Brasília: DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria GM/MS n. 336, de 19 de fevereiro de 2002. (2002). Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria GM/MS n. 189, de 20 de março de 2002. (2002). Inclui na Tabela de Procedimentos do SIH-SUS o grupo de procedimento “Acolhimento a pacientes de Centro de Atenção Psicossocial” e dá outras providências. Recuperado de http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/2/docs/189.pdf Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. HumanizaSUS: política nacional de humanização. (2004). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizaSUS_politica_nacional_humanizacao.pdf Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Caminhos para uma Política de Saúde Mental Infantojuvenil. (2005). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caminhos_politica_saude_mental_infanto_juvenil.pdf Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria MS/GM n. 154, de 24 de janeiro de 2008. (2008). Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização do SUS: clínica ampliada e compartilhada. (2009). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.979, de 12 de novembro de 2019. (2019). Institui o Programa Previne Brasil. Recuperado de https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.979-de-12-de-novembro-de-2019-227652180 Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology. 3, pp. 77-101. Recuperado de https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1191/1478088706qp063oa Bustamante, V., Oliveira, R., & Rodrigues, N. B. (2017). Acolhida e cuidado a crianças e famílias em um serviço de saúde mental infantil. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, 29 (3), pp. 429-447. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652017000300005&lng=pt&tlng=pt Bustamante, V., & Oliveira, R. S. (2018). O brincar de crianças e suas famílias como alternativa de cuidado à saúde mental infantil. Psicologia em revista, Belo Horizonte, 24(3), pp. 726-743. Recuperado de http://200.229.32.55/index.php/psicologiaemrevista/article/view/9829/14858 Bustamante, V. (2020). Cuidado a crianças e suas famílias e queixas de agressividade: Um estudo de caso clínico. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, 32(1), pp. 15-34. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652020000100002 Cadena. N. B. (2013). Scheler, os valores, o sentimento e a simpatia. Revista Ética e Filosofia Política, São Paulo, 2(16), pp. 76-88. Recuperado de https://www.ufjf.br/eticaefilosofia/files/2009/08/16_2_cadena.pdf Calzavara, M. G. P. (2013). Anna Freud e Melanie Klein: o sintoma como adaptação ou solução?. Tempo psicanalítico, Rio de Janeiro, 45(2), pp. 323-338. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382013000200006 Campos, G. W. S. (2003). A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. In: Campos, G. W. S. (Org.), Saúde Paideia (pp. 51-67). São Paulo: Hucitec. Campos, G. W de S. (2016). Saúde mental e atenção primária: Apoio matricial e núcleos de apoio à saúde da família. In: M. Nunes, & F.L.P. Landim (Orgs.). Saúde mental na atenção básica: Política e cotidiano (pp. 29-46). Salvador: Edufba. Campos, G. W. de S., Onocko-Campos, R. T., & Del Barrio, L. R. (2013). Políticas e práticas em saúde mental: as evidências em questão. Ciência & Saúde Coletiva, Campinas, 18(10), pp. 2797-2805. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/csc/v18n10/v18n10a02.pdf Campos, G. W. S. (2000). Um método para análise e co-gestão de coletivos - A construção do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec. Campos, G. W. et al. (2014). A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 18(1), pp. 985-95. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/icse/v18s1/1807-5762-icse-18-1-0983.pdf Chauí, M. (2003). A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, 24, pp. 05-15. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf Chaves, L. S. (2010). Atendimento Psicanalítico Conjunto Pais-Crianças: Uma proposta de intervenção na primeira infância. 153 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Aplicada). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Uberlândia - UFU, Uberlândia, MG, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/17111/1/Diss%20Ludmila.pdf Coe, N. M. (2015). CAPS UERJ: Rupturas e (des)continuidades no processo de trabalho em saúde mental. 220 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3180548 Coelho Júnior, N. E., & Figueiredo, L. C. (2004). Figuras da intersubjetividade na constituição subjetiva: Dimensões da alteridade. Interações, São Paulo, 9(17), pp. 9-28. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-29072004000100002&lng=pt&tlng=pt.CFP 2018 Conselho Federal de Psicologia. Lei n. 4.119, de 27 de agosto de 1962. (1962). Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l4119.htm. Conselho Federal de Psicologia. Resolução CFP n. 10, de agosto de 2005. (2005). Código de ética profissional do psicólogo. Recuperado de http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf Conselho Federal de Psicologia. Resolução n. 4, de 26 de março de 2020. (2020). Dispõe sobre a regulamentação de serviços psicológico prestados por meio de Tecnologia da Informação e da Comunicação durante a pandemia do COVID19. Recuperado de https://atosoficiais.com.br/cfp/resolucao-do-exercicio-profissional-n-4-2020-dispoe-sobre-regulamentacao-de-servicos-psicologicos-prestados-por-meio-de-tecnologia-da-informacao-e-da-comunicacao-durante-a-pandemia-do-covid19?origin=instituicao Coutinho, D. M. B. et al. (2013). Ensino da Psicanálise na universidade brasileira: Retorno à proposta freudiana. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, 65(1), pp. 103-120. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v65n1/v65n1a08.pdf. Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. (Lopes, M. F. Trad.). Porto Alegre: Artmed. Darriba, V., & Pinheiro, N. (2011). Elementos para Interrogar uma Clínica Possível a Partir da Psicanálise na Universidade. Interação em Psicologia, Curitiba, 15. doi:10.5380/psi.v15i0.25382 Decotelli, K. M., Bohre, L. C. T., & Bicalho, P. P. G. (2013). A droga da obediência: medicalização, infância e biopoder–notas sobre clínica e política. Psicologia: Ciência e Profissão, Rio de Janeiro, 33(2), pp. 446-459. Recuperado de scielo.br/pdf/pcp/v33n2/v33n2a14.pdf. Derzi, C., & Marcos, C. M. (2013). Supervisão em psicanálise na universidade. Psicologia em Estudo, Maringá, 18(2), pp. 323-331. doi:10.1590/S1413- 73722013000200013 Dolto, F. (1988). Psicanálise e pediatria (Cabral, A. Trad.). 4ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara. (Trabalho original publicado em 1971). Dolto, F. (1996). No jogo do desejo: ensaios clínicos. (Ribeiro, V. Trad.). São Paulo: Editora Ática. (Trabalho original publicado em 1981). Dolto, F. (2011). Quando os pais se separam (Ribeiro, V. Trad.). 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1988). Dutra, J. L. C., Carvalho, n. c. c. c., & Saraiva, T. A. R. (2020). Os efeitos da pandemia de covid-19 na saúde mental das crianças em época de enfrentamento da infecção COVID-19: revisão narrativa. Revista Pedagogia em Ação, Belo Horizonte, 13(1), pp. 293-301. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/article/view/23772 Faria, J. G. de. (2017). Supervisão e atenção psicossocial: Um encontro necessário da clínica com a instituição. 233 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, Santa Catarina. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/188783/PPSI0770-T.pdf?sequence=-1&isAllowed=y. Ferenczi, S. (1992). A técnica psicanalítica. In: Ferenczi, S. Obras complestas (vol. 2, pp. 357-367). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1919). Ferrazza, D. A., Rocha, L. C. da, & Rogone, H. M. H. (2010). A prescrição banalizada de psicofármacos na infância. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, 9(1), pp. 36-44. Recuperado de http://hdl.handle.net/11449/127236. Ferreira, A. P. (2015). Satisfação, sobrecarga de trabalho e estresse nos profissionais de serviço de saúde mental. Rev. Bras. Med. Trab. Rio de Janeiro, 13(2), pp. 91-99. Recuperado de rbmt_volume_13_nº_2_29320161552567055475.pdf (anamt.org.br). Ferreira, T. P. da S., Sampaio, J., Souza, A. C. do N., Oliveira, D. L. de, & Gomes, L. B. (2017). Produção do cuidado em Saúde Mental: Desafios para além dos muros institucionais. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 21(61), pp. 373-384. Doi:10.1590/1807-57622016.0139 Figueiredo, A. C. (2005). Uma proposta da psicanálise para o trabalho em equipe na atenção psicossocial. Mental, Barbacena, 3(5), pp. 43-55. Recuperado de pepsic.bvsalud.org/pdf/mental/v3n5/v3n5a04.pdf. Figueiredo, L. C. (2009). As diversas faces do cuidar: novos ensaios de psicanálise contemporânea. São Paulo: Editora Escuta. Figueiredo, L. C. (2014). Cuidado, saúde e cultura: Trabalhos psíquicos e criatividade na situação analisante. São Paulo: Editora Escuta. Figueiredo, M. D., & Campos, G. W. S. (2014). O apoio Paideia como metodologia para processos de formação em saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 18(Suppl. 1), pp. 931-943. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000500931&lng=pt&tlng=pt. Figueiredo, L. C. & Coelho, N. E., Jr. (2018). Adoecimentos psíquicos e estratégias de cura: matrizes e modelos em psicanálise. São Paulo: Blucher. Figueiredo, L. C. (2020). A virtualidade do dispositivo de trabalho psicanalítico e o atendimento remoto: uma reflexão em três partes. Cad. Psicanál. (CPRJ), Rio de Janeiro, 42(42), pp. 61-80. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cadpsi/v42n42/v42n42a05.pdf Firmo, A. A. M. (2013). As trajetórias de crianças em sofrimento psíquico nas redes de atenção do município de Fortaleza. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual do Ceará – UECE, Fortaleza, Ceará, Brasil. Recuperado de https://siduece.uece.br/siduece/trabalhoAcademicoPublico.jsf?id=88415 Fontenele, L., Barreto, C. M. E., & Vieira, M. F., F. (2011). Alcances e limites da transmissão da psicanálise na universidade: Reflexões a partir das ações desenvolvidas pelo Laboratório de Psicanálise da UFC. Revista de Psicologia, Fortaleza, 2(2), pp. 161-166. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/97 Fontoni, M. R., & Fulgêncio, L. (2020). Anna Freud: uma desenvolvimentista quase esquecida. Estudos de Psicanálise, Rio De Janeiro, (53), pp. 129-142. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372020000100015 Forte, F. D. S. et al. (2016). Educação interprofissional e o programa de educação pelo trabalho para a saúde/Rede Cegonha: Potencializando mudanças na formação acadêmica. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 20(58), pp. 787-796. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832016000300787&lng=pt&tlng=pt Foucault, M. (2006). O poder psiquiátrico. São Paulo: Martins Fontes. Freud, S. (1909). Análise de uma fobia em um menino de cinco anos (vol. X). Recuperado de http://psicanaliseconec1.hospedagemdesites.ws/site/?p=233 Freud, S. (1921). Psicologia das massas e análise do eu. In: Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (pp. 77-15). Rio de Janeiro: Imago. Freud, S. (1930). Mal estar na civilização. São Paulo: Edipro. Freud, S. (1976). Sobre o ensino de psicanálise nas universidades. In: Freud, S. História de uma neurose infantil e outros trabalhos (vol. 17). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1917-1919). Freud, S. (1980). Recordar, repetir e elaborar. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. 12, pp. 191-203). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1914). Freud, S. (1996). Interpretação dos sonhos. In: Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900). Freud, S. (2010a). Além do princípio de prazer (Souza, P. C. Trad.). In: Freud, S. História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1920). Freud, S. (2010b). Deve-se ensinar a psicanálise nas universidades? (Souza, P. C. Trad.). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1919). Freud, S. (2011). O eu e o id, “autobiografia” e outros textos. (Souza, P. C. Trad.). vol. 16. São Paulo: Companhia das Letras. Recuperado de https://www.companhiadasletras.com.br/trechos/13032.pdf. (Originalmente publicado em 1923-1925). Freud, S. (2013). Totem e tabu (Souza, P. C. Trad.). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1912-1914). Freud, S. (2016). Três Ensaios da Sexualidade. (Souza, P. C. Trad.). São Paulo: Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1905). Freud, S. (2019). Cinco lições de psicanálise. São Paulo: Edipro. (Originalmente publicado em 1909/1910). Fulgencio, L. (2008). O brincar como modelo do método de tratamento psicanalítico. Revista Brasileira de Psicanálise, São Paulo, 42(1), pp. 123-136. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2008000100013&lng=pt&tlng=pt Garcia, C. A. (2007). O conceito de ilusão em psicanálise: estado ideal ou espaço potencial?. Estudos de Psicologia, Campinas, 12(2), pp. 169-175. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/epsic/v12n2/a09v12n2.pdf Garcia, P. T., & Reis, R. S. (Orgs.). (2018). Redes de atenção à saúde: Rede de Atenção Psicossocial – RAPS. São Luís: EDUFMA. Garnelo, L., Lima, J. G., Rocha, E. S. C., & Herkrath, F. J. (2018). Acesso e cobertura da Atenção Primária à Saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, 42(spe 1), pp. 81-99. doi:10.1590/0103-11042018s106 Gonçalves, N. G. (2015). Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão: um princípio necessário. Revista Perspectiva, Florianópolis, 33(3), pp 1229-1256. Recuperado de https://doi.org/10.5007/2175-795X.2015v33n3p1229 Grieve, P. (2006). Winnicott: Entre la creatividad y a sumisón. Revista de Psicoanálisis. Madrid, 47(6), pp. 151-165. Recuperado de https://pep-web.org/browse/document/apm.047.0151a?page=P0151 Hirdes, A. (2009). A reforma psiquiátrica no Brasil: Uma (re) visão. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1), pp. 297-305. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a36v14n1.pdf Holmes, J. (2012). A model ofinterventionat a psychoanalyticparent/childdrop-in group in a poordistrictof Lima, Peru. Journal of Child Psychotherapy, 38(2), pp. 170–184. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1080/0075417X.2012.684487 Kaës, R. et al. (1991). Realidade Psíquica e sofrimento nas instituições. In: Kaës, K. (Org.), A instituição e as instituições: Estudos psicanalíticos (pp. 19-58). São Paulo: Casa do Psicólogo. Kaës, R. (2002). O interesse da Psicanálise para considerar a realidade psíquica da instituição. In: Kaës, R., Vínculos e instituições. São Paulo: Editora Escuta. Klein, M. (1991a). As origens da transferência. In: Klein, M. Inveja e Gratidão e outros trabalhos (pp. 70-79). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1952). Klein, M. (1991b). Algumas conclusões teóricas relativas à vida emocional do bebê. In: Klein, M. Inveja e Gratidão e outros trabalhos (pp. 85-118). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1952). Klein, M. (1991c). A técnica psicanalítica a partir do brincar. In: Klein, M. Inveja e Gratidão e outros trabalhos (pp. 149-168). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1955). Klein, M. (1991d). Notas sobre alguns mecanismos esquizoides. In: Klein, M. Inveja e Gratidão e outros trabalhos (pp.17-43). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1946). Klein, M. (1997). A psicanálise de crianças (Chaves, L. P.). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1932). Kohut, H. (1978). The Search for the Self. Selected Writings of Heinz Kohut. New York: International Universities Press. Lacan, J. (1992). O Seminário - O avesso da psicanálise (Livro 17). Rio de Janeiro: Zahar. Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In J. Lacan, Escritos (pp. 238-324). Rio de Janeiro: Zahar (Original publicado em 1938). Lacan, J. (2005). O simbólico, o imaginário e o real (T. André, Trad.). In: Lacan, J., Em Nomes-do Pai (pp.11-53). Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1953). Lima, S. O. et al. (2020). Impactos no comportamento e na saúde mental de grupos vulneráveis em época de enfrentamento da infecção COVID-19: revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (46). Recuperado de https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/4006 Lima, B. de S. (2010). Casa da árvore, um lugar para brincar e conversar: Uma proposta de atendimento coletivo para crianças de zero a doze anos em comunidades carentes do Rio de Janeiro e Niterói. Estudos de Psicanálise, Belo Horizonte, (33), pp. 33-48. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100- 34372010000100004&lng=pt&tlng=pt. Lima, C. H. de, Sampaio, T. C. dos S. M., & Cunha, J. S. (2019). A supervisão clínico- institucional como dispositivo de qualificação na Atenção Psicossocial: Uma experiência de parceria com a Universidade. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de janeiro29(3), e290314. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-73312019290314 Lima, V. C. & Souza, R. T. (2014). Formação humana e competências: o debate nas diretrizes curriculares de Psicologia. Psicologia & Sociedade, Recife, 26(3), pp. 792-802 Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000300027 Linhares, M. B. M., & Enumo, S. R. F. (2020). Reflexões baseadas na Psicologia sobre efeitos da pandemia Covid-19 no desenvolvimento infantil. Estudos psicológicos, Campinas, (37). Macedo, M. M. K., & Dockhorn, C. N. de B. F. (2015). Psicanálise, pesquisa e universidade: Labor da especificidade e do rigor. Revista Perspectivas em Psicología, Buenos Aires, 12(2), pp. 82-90. Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/4835/483547667010.pdf Malta, D. C., et al. (2016). A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 21(2), pp. 327-338. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s1413-81232016000200327&script=sci_abstract&tlng=pt Marin, A. H. et al. (2020). Saúde mental e atenção psicossocial na pandemia covid-19: crianças na pandemia covid-19. Rio de Janeiro: Fiocruz. Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/41713/2/crianc%cc%a7as_pandemia.pdf Mazzilli, R., & Fonseca, F. L. (2020). Dolto, trinta anos depois: a atualidade de sua teoria e a noção de sujeito desejante. Estilos da Clínica, São Paulo, 25(2), pp. 313-321. Recuperado de http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p313-321. Mielke, F. B., Kantorski, L. P., Olschowsky, A., & Jardim, V. M. da R. (2011). Características do cuidado em saúde mental em um CAPS na perspectiva dos profissionais. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 9(2), pp. 265-276. doi: 10.1590/S1981-77462011000200006 Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (14ª ed.). São Paulo: Hucitec. Minerbo, M. (2019). Neurose e não neurose. São Paulo: Editora Blusher. Oliveira, A. C. B. (2014). Práticas clínicas e o cuidado possível num Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil: Perspectivas de uma equipe interdisciplinar. 78 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ, Seropédica, Rio de Janeiro. Recuperado de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=968707 Oliveira, J. A. M., & Passos, E. (2012). Efeitos transversais da supervisão clínico-institucional na Rede de Atenção Psicossocial. Revista Polis e Psique, Porto Alegre, 2(3), pp. 171-187. Recuperado de https://doi.org/1022456/2238-152X.40326 Oliveira, T. T. S. S. e, Leme, F. R. da G., & Godoy, K. R. G. (2009). O cuidado começa na escuta: profissionais de saúde mental e as vicissitudes da prática. Mental, Barbacena, 7(12), pp. 119-138. Recuperado de pepsic.bvsalud.org/pdf/mental/v7n12/v7n12a07.pdf Onocko-campos, R. T. (2013). Psicanálise e Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec. Parecer CNE/CES n. 1071, de 04 de dezembro de 2019. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos Cursos de Graduação em Psicologia e estabelecimento de normas para o Projeto Pedagógico Complementar (PPC) para a Formação de Professores de Psicologia. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=139201-pces1071-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192 Parecer CNE/CES n. 1071, de 04 de dezembro de 2019. (2019). Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos em psicologia e estabelecimento de normas para o Projeto Pedagógico Complementar para a formação de professores. Recuperado de https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_PAR_CNECESN10712019.pdf?query=atos%20autorizativos Paula, C. S. de, Zaqueu, L., Thais, V., Lowenthal, R., & Miranda, C. (2011). Atuação de psicólogos e estruturação de serviços públicos na assistência à saúde mental de crianças e adolescentes. Psicologia: teoria e prática, São Paulo, 13(3), pp. 81-95. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v13n3/v13n3a07.pdf Perdonssini, B. T., Alves, M. J. M., & Menezes, J. M. S. T. (2021). Inventando uma clínica possível: acompanhamento remoto de usuários de saúde mental na pandemia de Covid-19. Revista de Políticas Públicas, São Luís, 25(1), pp. 167-181. Recuperado de http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/17282/9348 Pereira, T. T. S. O., Barros, M. N. S, & Augusto, M. C. N. A. (2011). O Cuidado em Saúde: o Paradigma Biopsicossocial e a Subjetividade em Foco. Mental, Barbacena, (17), pp.523-536. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/mental/v9n17/02.pdf Pinho, E. S., Souza, A. C. S., & Esperidião, E. (2018). Processos de trabalho dos profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial: Revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 23(1), pp. 141-152. doi:10.1590/1413- 81232018231.08332015 Pires, A. C. T., & Braga, T. M. S. (2009). O psicólogo na saúde pública: formação e inserção profissional. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, 17(1), pp. 151-162. Recuperado de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=513751433013 Portes, J. R. M., & Máximo, C. E. (2010). Formação do psicólogo para atuar no sus: Possíveis encontros e desencontros entre as diretrizes curriculares nacionais e as matrizes curriculares de um curso de psicologia. Barbaroi, Santa Cruz do Sul, (33), pp. 153-177. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/barbaroi/n33/n33a10.pdf Rehbein, M. P., & Chatelard, D. S. (2013). Transgeracionalidade psíquica: uma revisão de literatura. Fractal: revista de Psicologia, Niterói, 25(3). Recuperado de https://www.scielo.br/j/fractal/a/QVfddnNpQK8bWbCWbBy8ZtC/?lang=pt Rey, F. L. G. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Thomson. Resolução MS/CNS n.º 218, de 06 de março de 1997. (1997). Reconhece diferentes categorias como profissionais de saúde. Recuperado de http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/resolucao218_05_05_97.pdf Resolução CNE/CES n.º 8, de 07 de maio de 2004. (2004). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em psicologia. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces08_04.pdf Resolução CNE/CES n.º 5, de 15 de março de 2011. (2011). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de psicologia. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7692-rces005-11-pdf&Itemid=30192 Santos, R. G. de A., & Bernardes, J. de S. (2019). Seis propostas para a formação em psicologia: Um diálogo entre PET-Saúde e Ítalo Calvino. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, (23). Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832019000100241&script=sci_abstract&tlng=pt Schmidt, B. et al. (2020). Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia, Campinas, (37). Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200063. Segal, H. (1975). Introdução à obra de Melanie Klein. Rio de Janeiro: Imago. Segal, H. (1982). Contratransferencia. In. Segal, H. A obra de Hanna Segal: Uma abordagem kleiniana a prática clínica (pp. 117-125). Rio de Janeiro: Imago. Severo, A. K. S. (2014). A institucionalização da supervisão na reforma psiquiátrica brasileira: (Re)produção de controles e desvios junto às equipes de saúde mental. 255 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva). Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas, São Paulo. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/313097/1/Severo_AnaKallinydeSousa_D.pdf Severo, A. K. de Sousa, L’Abbate, S., & Campos, R. T. O. (2014). A supervisão clínico-institucional como dispositivo de mudanças na gestão do trabalho em saúde mental. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 18(50), pp. 545-556. doi:10.1590/1807-57622013.0520 Severo, A. K. de Sousa, & L’Abbate, S. (2019). Uma supervisão clínico-institucional na reforma psiquiátrica na perspectiva da análise institucional. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 17(3). doi:10.1590/1981-7746-sol00216 Silva, E. A. C., & Ileno I. (2010). O profissional de referência em Saúde Mental: das responsabilizações ao sofrimento psíquico. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 13(4), pp. 635-647. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1415-47142010000400007 Silva, A. F. L. da, Ribeiro, C. D. M., & Silva, A. G. da., Jr. (2013). Pensando extensão universitária como campo de formação em saúde: Uma experiência na Universidade Federal Fluminense, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 17(45), pp. 371-384. doi:10.1590/S1414- 32832013000200010 Silva, E. A. (2013). (Re)visitando a caixa de ferramentas em saúde mental: O cuidado de si como condição para cuidar do outro. 248 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Universidade de Brasília – UNB, Brasília, DF. Recuperado de https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/15053/1/2013_ElisaAlvesdaSilva.pdf Silva, C. M. da, Rodrigues, R. C., & Mello, L. N. (2018). Medicalização da queixa escolar e o uso de psicofármacos como resposta à questões comportamentais. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, 18(3). Recuperado de e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/40446 Teixeira, M. R., Couto, M. C. V., & Delgado, P. G. G. (2017). Atenção básica e cuidado colaborativo na atenção psicossocial de crianças e adolescentes: Facilitadores e barreiras. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 22(6), pp. 1933-1942. Recuperado de https://www.scielosp.org/article/csc/2017.v22n6/1933-1942/pt/# Torossian, S. D., Gageiro, A. M., & Tavares, E. E. (2019). A casa dos Cata-Ventos: Uma intervenção clínico política com crianças e adolescentes em Porto Alegre. In: E. Broide & I. Katz (Orgs.), Psicanálise nos espaços públicos (pp. 73-92). São Paulo: USP. Recuperado de http://newpsi.bvs-psi.org.br/eventos/Psicanalise_espacos_publicos.pdf Treichel, C. A. S., Onocko-Campos, R. T., & Campos, G. W. de S. (2019). Impasses e desafios para consolidação e efetividade do apoio matricial em saúde mental no Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 23. Recuperado de https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000100305&tlng=pt#B2 Vanier, A. (2005). Lacan. (Bonatti, N. A. Trad.). São Paulo: Estação Liberdade. Zimerman, D. E. (1999). Contratransferência. In: D. E. Zimerman (Ed.), Fundamentos psicanalíticos: Teoria, técnica e clínica (pp. 347-358). Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul. Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman. Winnicott, D. W. (1965). O valor da consulta terapêutica. Em: Winnicott, D. W. Explorações psicanalíticas. Porto Alegre, Artes Médicas Sul. Winnicott, D. W. (1975a). O brincar: uma exposição teórica. In: Winnicott, D. W. O brincar e a realidade (pp. 65-87). Rio de Janeiro: Imago Editora. Winnicott, D. W. (1975b). O uso de um objeto e o relacionamento através de identificações. In D.W. Winnicott, O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1969). Winnicott, D. W. (1975c). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In: Winnicott, D. W. O brincar e a realidade (pp. 88-107). Rio de Janeiro: Imago Editora. Winnicott, D. W. (1975d). O brincar: a atividade criativa e a busca do self. In: Winnicott, D. W. O brincar e a realidade (pp. 10-47). Rio de Janeiro: Imago Editora. Winnicott, D. W. (1983). Teoria do relacionamento paterno-infantil. In: Winnicott, D. W. O ambiente e os processos de maturação (pp. 38-54). Porto Alegre: ArtMed. (Originalmente publicado em 1960). Winnicott, D. W. (2000). Ódio na transferência. In: Winnicott, D. W. Da pediatria à Psicanálise (Bogomoletz, D. Trad.) (pp. 277-287). Rio de Janeiro: Imago Editora. (Trabalho original publicado em 1947). Winnicott, D. W. (2002). O ambiente saudável na infância. In: D., Winnicott. Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1988).pt_BR
Appears in Collections:Dissertação (PPGPSI)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação concluída_Lorene Amaral_2021.pdfDissertação - Lorene Amaral1,77 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.