Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/33786
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorDobrovolski, Ricardo-
dc.contributor.authorSouza, Daniel Gonçalves-
dc.creatorSouza, Daniel Gonçalves-
dc.date.accessioned2021-07-25T12:42:09Z-
dc.date.available2021-07-25T12:42:09Z-
dc.date.issued2021-07-25-
dc.date.submitted2021-01-29-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/33786-
dc.description.abstractA conservação da biodiversidade e de todos os benefícios advindos da integralidade da natureza é um valor central para as sociedades do mundo. No Brasil, considerando as Unidades de Conservação e as Terras Indígenas, mais de 2,5 milhões de km² do território são designados como áreas protegidas (APs). No entanto, estudos que avaliam a efetividade da rede de APs no Brasil em proteger a biodiversidade são limitados, a despeito da importância global do país para a conservação. No presente estudo, nós usamos uma abordagem contrafactual para testar a efetividade da rede de proteção brasileira de 1.082 APs terrestres em evitar a destruição da vegetação natural entre 1985 e 2018. Além disso, testamos o efeito das APs nas suas zonas de amortecimento. Constatamos que cerca de 85,3% das APs são mais eficazes do que as áreas não protegidas e, em média, a razão entre a quantidade de vegetação perdida nas APs, e aquela perdida em áreas não protegidas semelhantes é de 1:4. Entre os biomas, a Amazônia tem as APs mais efetivas, embora algumas das APs menos eficazes também estejam localizadas ali. As Terras Indígenas aparecem como a categoria mais eficaz de APs. Além disso, a efetividade está positivamente correlacionada com o tamanho, e APs mais antigas se mostraram mais efetivas. Também descobrimos que geralmente o efeito positivo dos APs se estende além das suas fronteiras oficiais. Como consequência da presença de APs, mais de 10.000 km² de vegetação natural foram poupados de conversão e anualmente mais de 9 Tg de carbono deixaram de ser emitidos para a atmosfera. Mostramos aqui que as APs desempenham um papel estratégico no Brasil e no mundo ao proteger efetivamente a vegetação natural e, consequentemente, a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos, contribuindo para o bem-estar das pessoas no mundo.pt_BR
dc.description.sponsorshipCAPESpt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPerda de habitatpt_BR
dc.subjectConservação de habitatpt_BR
dc.subjectVegetação naturalpt_BR
dc.subjectIndígenas - Brasilpt_BR
dc.titleEfetividade das unidades de conservação e terras indígenas do Brasil em conter a perda de vegetação naturalpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.refereesBini, Luis Mauricio-
dc.contributor.refereesVieira, Raísa Romênia Silva-
dc.publisher.departamentInstituto de Biologiapt_BR
dc.publisher.programPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA: TEORIA, APLICAÇÃO E VALORESpt_BR
dc.publisher.initialsUFBApt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqEcologiapt_BR
Appears in Collections:Dissertação (Pós-Ecologia)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissertacao_dgs_final_corrigido2.pdf2,61 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.