Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/33564
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorLemos, André Luiz Martins-
dc.contributor.authorRodrigues, Leonardo Pastor Bernardes-
dc.creatorRodrigues, Leonardo Pastor Bernardes-
dc.date.accessioned2021-06-14T01:28:54Z-
dc.date.available2021-06-14T01:28:54Z-
dc.date.issued2021-06-13-
dc.date.submitted2016-02-26-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/33564-
dc.description.abstractEsta dissertação de mestrado tem como objetivo investigar as diferentes práticas fotográficas contemporâneas associadas ao uso do smartphone. Neste trabalho, propõe-se pensar esse tipo de fotografia como o formato mais recente de desenvolvimento do automatismo fotográfico, entendo-a como um “processo fotográfico” – um conjunto de mediações diversas, uma rede sociotécnica formada pelo entrelaçamento de diferentes modos de existência. Busca-se, ainda, perceber as oscilações entre uma continuidade automática dos processos em torno da fotografia e as possibilidades de “retorno ao manual” – suspensões momentâneas do próprio automatismo fotográfico. A primeira parte deste trabalho, portanto, dedica-se a apresentar as principais propostas e conceitos tanto da Teoria Ator-Rede quanto da antropologia dos modernos de Bruno Latour, trazendo uma perspectiva pluralística da Enquete sobre os Modos de Existência – considerando, através dela, também o empirismo radical de William James – para as reflexões em torno da fotografia. Ao invés de pensá-la a partir de um “ato fotográfico”, propõe-se a percepção de um “processo fotográfico”, permitindo, assim, compreender as nuances das pequenas transcendências dos diferentes seres que permeiam cada prática de fotografia. Em um segundo capítulo, busca-se traçar o percurso do automatismo fotográfico através dos conceitos e primeiros dispositivos da câmara escura, o laboratório aberto do daguerreotipista, o mercado amador de massa promovido pela câmera Kodak e, por fim, a linguagem numérica das primeiras câmeras digitais. Em um último capítulo, propõe-se uma investigação das práticas e processos fotográficos em torno da utilização do smartphone. Para isto, foi desenvolvida uma pesquisa em duas etapas: uma de caráter quantitativo, com questionários aplicados àqueles que costumam utilizar o telefone celular para fotografar; outra de caráter etnográfico, através de entrevistas aprofundadas. Foram observadas e analisadas as diferentes práticas dos personagens etnográficos descritos neste trabalho, percebendo-se as relações com o cotidiano, interações e compartilhamentos através de redes sociais digitais, a popularização da prática de autorretrato chamada de selfie, além de uma ubiquidade, portabilidade e mobilidade associadas ao uso do smartphone para fotografar. Por fim, foram investigadas possibilidades de retorno ao manual – de suspensão temporária do automatismo fotográfico –, divididas em momentos de antes e depois da produção da imagem.pt_BR
dc.description.sponsorshipCNPqpt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFotografiapt_BR
dc.subjectSmartphonespt_BR
dc.subjectEtnologiapt_BR
dc.subjectCiberespaçopt_BR
dc.titleProcesso fotográfico: automatismo e retorno ao manual na prática da fotografia através do smartphonept_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.refereesSilva Junior, José Afonso-
dc.contributor.refereesHolanda, Fabrício da Cunha-
dc.publisher.departamentFaculdade de Comunicaçãopt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneaspt_BR
dc.publisher.initialsUFBApt_BR
dc.publisher.countrybrasilpt_BR
dc.subject.cnpqComunicaçãopt_BR
Appears in Collections:Dissertação (PÓSCOM)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Pastor, Leonardo. Processo fotográfico (dissertação) - tamanho reduzido.pdf3,4 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.