Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/23207
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCoser, Annelise-
dc.contributor.authorWolff, Indyanara-
dc.contributor.authorQuadros, Rosiléia Marinho de-
dc.contributor.authorMarques, Sandra Márcia Tietz-
dc.creatorCoser, Annelise-
dc.creatorWolff, Indyanara-
dc.creatorQuadros, Rosiléia Marinho de-
dc.creatorMarques, Sandra Márcia Tietz-
dc.date.accessioned2017-06-20T14:13:16Z-
dc.date.available2017-06-20T14:13:16Z-
dc.date.issued2015-
dc.identifier.citationRev. Ciênc. Méd. Biol., Salvador, v. 14, n. 1, p. 14-21, jan./abr. 2015.pt_BR
dc.identifier.issn2236-5222-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23207-
dc.description.abstractIntrodução: O ofidismo representa significativo problema de saúde pública no Brasil pela frequência, morbidade e mortalidade em consequência das atividades tóxicas decorrentes da inoculação do veneno. Objetivo: Relatar a ocorrência e descrever a epidemiologia dos acidentes por serpentes, no estado de Santa Catarina, no período de 2007 a 2013. Metodologia: As informações sobre os acidentes ofídicos foram obtidas pela análise das notificações registradas no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN), no período de 2007 a agosto de 2013. Foram coletadas informações sobre os municípios de ocorrência dos acidentes, os gêneros das serpentes envolvidas nos acidentes, mesorregiões do estado, faixa etária, gênero, localização anatômica, sazonalidade e evolução dos casos em relação à gravidade. Resultados: Foram registrados 5.318 casos de acidentes ofídicos, com 80,52% dos acidentes por serpentes do gênero Bothrops. A mesorregião do Vale do Itajaí foi que teve maior número de registros de ofidismo, a faixa etária mais acometida com leve predomínio foi entre 20 a 39 anos (33,41%) com maior frequência no sexo masculino (76%). Em relação à sazonalidade, os meses de outubro a abril apontaram para o maior número de ocorrências. A maioria dos casos evoluiu para a cura (96,9%). Conclusão: Faz-se necessário que a vigilância epidemiológica realize campanhas para reduzir os acidentes por serpentes peçonhentas, bem como melhorar o acesso aos serviços de saúde.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherInstituto de Ciências da Saúde/ Universidade Federal da Bahiapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.sourcehttp://www.portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/11885/9788pt_BR
dc.subjectEpidemiologia.pt_BR
dc.subjectSerpentes.pt_BR
dc.subjectOphidian.pt_BR
dc.subjectPrevalência.pt_BR
dc.titleAcidentes ofídicos nas mesorregiões do estado de Santa Catarinapt_BR
dc.title.alternativeRevista de Ciências Médicas e Biológicaspt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.description.localpubSalvadorpt_BR
dc.identifier.numberv.14, n.1pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
Appears in Collections:Artigo Publicado em Periódico (PPGPIOS)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
3_v.14_1.pdf933,47 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.