Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/2269
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCunha, Marcelo Sacramento-
dc.contributor.authorSilva, José Carlos Faes da-
dc.contributor.authorNakamoto, Hugo-
dc.contributor.authorSimão, Danielle Tiemi-
dc.contributor.authorFerreira, Marcus Castro-
dc.creatorCunha, Marcelo Sacramento-
dc.creatorSilva, José Carlos Faes da-
dc.creatorNakamoto, Hugo-
dc.creatorSimão, Danielle Tiemi-
dc.creatorFerreira, Marcus Castro-
dc.date.accessioned2011-08-22T14:57:26Z-
dc.date.available2011-08-22T14:57:26Z-
dc.date.issued2005-
dc.identifier.issn0100-6991-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/2269-
dc.descriptionp. 1-5pt_BR
dc.description.abstractObjetivo: A isquemia prolongada leva a alterações na microcirculação tecidual e liberação de radicais livres do oxigênio conhecidas como fenômeno de não reperfusão. Foi testado um modelo experimental de reimplante de membro após isquemia quente e os efeitos do fármaco alopurinol e da terapia com oxigênio hiperbárico. Método: Foram realizadas amputações com preservação dos vasos e nervos dos membros posteriores direitos em 95 ratos. Os grupos modelos M1, M2, M3, M4 e M5 foram submetidos à isquemia quente de 0, 2, 4, 6 e 8 horas. As taxas de viabilidade dos membros isquêmicos após sete dias de avaliação foram 100%, 80%,63,6%, 50% e 20%. Os grupos experimentais E1 e E2 foram tratados, respectivamente, com alopurinol e terapia com oxigênio hiperbárico após isquemia de 6 horas. As taxas de viabilidade foram 70% e 30%. Os resultados foram analisados estatisticamente pelo teste do Qui-quadrado. Resultados: Os grupos M1, M2, M3, M4 e M5 foram estatisticamente diferentes entre si exceto os grupos M3 e M4. E1 resultou em uma viabilidade de membros maior que M4 e E2 resultou em uma viabilidade de membros menor que M4(resultados estatisticamente ignificantes). Conclusões: Os resultados sugerem que a administração do alopurinol após isquemia do membro por 6 horas aumenta a taxa de viabilidade dos membros squêmicos, e a terapia com oxigênio hiperbárico diminuiu a viabilidade dos membros isquêmicos (Rev. Col. Bras. Cir. 2005;32(2): 64-68).pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectRatos Wistar. Reimplante. Isquemia. Reperfusão. Alopurinol.Oxigênio.pt_BR
dc.titleEfeito do alopurinol e terapia com oxigênio hiperbárico em modelo de reimplante de membro após isquemia quente em ratospt_BR
dc.title.alternativeRevista do Colégio Brasileiro de Cirurgiõespt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.identifier.numberVol. 32 - Nº 2,pt_BR
Appears in Collections:Artigo Publicado em Periódico (Faculdade de Medicina)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
v32n2a04.pdf63,13 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.