DSpace

RI UFBA >
Instituto de Geociências >
Programa de Pós-Graduação em Geoquímica: Petróleo e Meio Ambiente (POSPETRO) >
Trabalhos Apresentados em Eventos (POSPETRO) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/7296

Title: Formação e caracterização de agregado óleo-mineral em diferentes energias hidrodinâmicas: importante papel na remoção natural de derrames de petróleo
Other Titles: Rio Oil & Gas Expo and Conference
Authors: Trindade, Maria C. L. F.
Oliveira, Olívia Maria Cordeiro de
Moreira, Icaro T. A.
Queiroz, Antônio Fernando de Souza
Silva, Carine S.
Rios, Mariana C.
Keywords: agregados óleo mineral;energia;Baía de Iguape
Issue Date: 2012
Publisher: Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis
Abstract: Agregados óleo mineral (OMA, sigla em inglês) são formações microscópicas compostas de fases distintas de óleo e minerais formados em meio aquoso. Foi proposto por Bragg e Owens em 1995 que a sua formação tem um papel central na remoção natural de derrames de óleo, na coluna d’água ou no sedimento, principalmente em ambientes de baixa energia hidrodinâmica. A formação de OMA pode representar de 20 a 90% do óleo dispersado de um vazamento. Essas características podem ser utilizadas como uma técnica para tratamento de vazamentos de óleo in situ. A interação entre o óleo e o mineral depende de fatores como salinidade da água, tipo de sedimento, característica do óleo e turbulência; esses devem ser levados em consideração antes de usá-lo como uma resposta de remediação. O presente trabalho testou por meio de simulações no Laboratório de Estudos do Petróleo (LEPETRO), do Núcleo de Estudos Ambientais (NEA)/IGEO/UFBA), a influência da energia hidrodinâmica na interação entre o óleo da bacia do recôncavo e quatro tipos de sedimentos vindos da Baía de Iguape, dos municípios de Cachoeira, Salinas da Margarida e de Maragogipe, além do distrito de São Roque do Paraguaçu. Observou-se que tanto a energia quanto o tipo de sedimento controlam a formação do OMA. Dois tipos de OMA foram formados o amorfo e com forma de gotícula. O tamanho mais frequente do OMA foi de 4,44 μm de diâmetro. Os sedimentos das quatro localidades formaram agregados óleo-mineral. Palavras chaves: agregados óleo mineral, energia, Baía de Iguape.
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/7296
ISSN: 2237-4191
Appears in Collections:Trabalhos Apresentados em Eventos (POSPETRO)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Trindade etal 2012.pdf307.12 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA