DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Educação >
Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) >
Dissertações de Mestrado (PPGE) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32989

Title: Processos de medicalização e trabalho docente : reflexões sobre o adoecimento de professoras da rede pública de Salvador/BA.
Authors: Silva, Érika Carvalho
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira, Elaine Cristina de
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Araújo, Marcos Vinicius Ribeiro
Keywords: Educação;Medicalização;Adoecimento;Trabalho docente;Professores de ensino fundamental - Aspectos da saúde;Saúde e educação;Mulheres na educação;Relações de gênero;Exercício profissional;Education;Professores de ensino fundamental - Aspectos da saúde;Medicalize;Fall ill;Teaching Work
Issue Date: 9-Mar-2021
Abstract: Os processos de medicalização da educação e da sociedade envolvem uma racionalidade determinista que apaga a complexidade da vida e acaba por reduzi-la a questões de ordem individual em seus diferentes âmbitos, orgânico e/ou psíquico. No sistema educacional tem se tentado homogeneizar as diferenças e responsabilizar indivíduos por sua não adequação à ordem dominante. Assim como os alunos estão sendo rotulados, diagnosticados e tratados com supostos transtornos, tal captura tem se repetido com as docentes, cujas angústias, aflições e inquietações que têm atravessado a práxis vêm sendo naturalizadas e muitas vezes até patologizadas, categorizadas como síndromes e transtornos mentais. O objetivo deste estudo foi analisar de que forma os processos de medicalização têm atravessado o trabalho docente, mais especificamente o processo saúde/doença relacionado ao trabalho de professoras da educação básica da rede pública de Salvador. Quanto ao método trata-se de uma pesquisa empírica, de abordagem qualitativa, fundamentada na perspectiva sócio-histórica a partir dos autores: Lancillotti (2008); Saviani (1994; 2015); Oliveira, (2004; 2013); Hypólito (1991); Louro (1997); Paparelli (2009); Buss (2007); Canguilhem (1990); Foucault (1992, 2008); Lacaz (2014); Collares e Moysés (2014); Fórum sobre a Medicalização da Educação e da Sociedade (2015); Oliveira; Viégas; Harayama (2016) e Patto (1992; 2005; 2007; 2015). Utilizamos como instrumentos observações diretas e entrevistas semiestruturadas. Os dados foram transcritos e sistematizados em categorias semânticas segundo a técnica de análise do conteúdo. Os resultados apontaram que as professoras reconhecem ligação entre o adoecimento e o trabalho, porém por ser um fenômeno recorrente, elas passaram a naturalizar o adoecimento como inerente ao trabalho e como “o mal da profissão”. Além disso, diferentes nuances do atravessamento dos processos de medicalização na relação saúde-doença vinculada ao trabalho das professoras foram evidenciadas: a naturalização, culpabilização e individualização do sofrimento gerado pelo trabalho, o relato do uso (abusivo ou não) de medicamentos e/ou psicofármacos para lidar com aflições do trabalho e o uso de terapias convencionais e consideradas alternativas como forma de intervenção em problemas oriundos do processo de trabalho e para auxiliar a suportar as adversidades do cotidiano escolar. O estudo sinaliza o quanto o adoecimento relacionado ao trabalho docente é deslocado de suas determinações políticas, socioeconômicas, trabalhistas e ideológicas e é atribuído tão somente para o organismo das professoras. Assim como denuncia que os processos de medicalização têm atuado como tentativa de ocultar desigualdades historicamente estruturadas.
ABSTRACT The processes of medicalize the education and society involve a deterministic rationality that erases the complexity of life and ends up reducing it to individual issues in its different areas, organic and/or psychic. At Education system, it has been made attempts to homogenize differences and hold individuals responsible for their inability to adapt to the dominant order. Just as students are being labeled, diagnosed and treated with supposed illnesses, this scenario has been replicated with the teachers, whose anguish, afflictions and concerns that have gone through the praxis have been naturalized and often make them pathologies, categorized as syndromes and mental disorders. The purpose of this study was to analyze how are occurring the processes of medicalize the teaching work, specifically the health / disease process related to the work of Salvador city primary, elementary and high school public schools teachers. The method applied is an empirical research, a qualitative method, substantiated on the authors' social historical perspective: Lancillotti (2008); Saviani (1994; 2015); Oliveira, (2004; 2013); Hypólito (1991); Louro (1997); Paparelli (2009); Buss (2007); Canguilhem (1990); Foucault (1992, 2008); Lacaz (2014); Collares e Moysés (2014); Fórum sobre a Medicalização da Educação e da Sociedade (2015); Oliveira; Viégas; Harayama (2016) e Patto (1992; 2005; 2007; 2015). As instruments, we use straight observations and semi-structured interviews. The data were transcribed and systematized into semantic categories according to the content analysis technique. The results presented that the teachers recognize a tie between illness and work and, although it is a recurring phenomenon, they lean to naturalize illness as inherent in work and as “the craft's evil”. Beyond that, were pointed different nuances in crossing processes of medicalize at health disease relation bound to teachers work: naturalizing, blaming and singularising the suffering caused by work, the report of use, abusive or not, of medicines and/or psychotropic drugs to deal with the work' distresses and the use of orthodox and alternative therapies regarded as interventions ways at complications arising from the work process and support the adversities of school routine. The study exhibits that falling ill because of teaching work fend from their political, socioeconomic, labor and ideological determinations and is only related to teachers organization. As well as it denounces that the processes of medicalize have functioned as an attempt of hide historically inequalities structured.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32989
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGE)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação ERIKA CARVALHO SILVA.pdf1.28 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA