DSpace

RI UFBA >
Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia >
Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal nos Trópicos (PPGCAT) >
Teses de Doutorado (PPGCAT) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31755

Title: Impactos ambientais e indicadores de risco de introdução de patógenos veiculados por aves migratórias no Brasil
Authors: Lima, Pedro Cerqueira
???metadata.dc.contributor.advisor???: Franke, Carlos Roberto
Keywords: Ecoepidemiologia;Clostridium botulinum;Botulismo;Zoonoses;Vírus do Nilo Ocidental;Aves - Migração
Issue Date: 6-Apr-2020
Abstract: Diversos agravos à saúde, de espécies de aves silvestres e domésticas, representam risco também à saúde humana. Doenças emergentes ou de registro raro na literatura merecem atenção em vista da dificuldade em diagnosticá-las corretamente e tratá-las em tempo hábil decorre do despreparo dos profissionais, carência de recursos laboratoriais e de dados ecoepidemiológicos sobre as espécies de hospedeiros e as etiologias possivelmente envolvidas tanto nos casos humanos quanto no animais. O presente trabalho se dedica ao estudo de duas enfermidades ainda não descritas nas circunstâncias em que elas ocorreram no Brasil. O primeiro estudo aborda a Febre no Nilo Ocidental (FNO), com seu primeiro registro de ocorrência em humano em 2014, no estado do Piauí. Foi realizado um estudo epidemiológico que resultou no primeiro registro da ocorrência de aves silvestres de vida livre infectadas com o vírus do Nilo Ocidental (VNO), no Brasil, na região onde ocorreu o caso humano da doença. O segundo estudo se refere a um fenômeno de mortandade de aves silvestres, frequentadoras de ambientes úmidos, que morreram por uma causa não identificada, nas margens do Lago de Sobradinho, localizado no Rio São Francisco, no Município de Remanso/BA. Os fenômenos de mortandades ocorreram no período de seca prolongada nos anos de 2008, 2010, 2013 e 2014. Dentre as mortes ocorridas, 16 espécies de aves aquáticas foram afetadas, principalmente representantes da família Anatidae (50,0%), Ardeidae (12,5%). Os marrecos (Dendrocygna autumnalis) e (Dendrocygna viduata) foram as aves mais afetadas correspondendo a 60,7% (164/270) das mortes. Este foi o primeiro registro, no Brasil, de intoxicação por toxina botulínica em aves silvestres de vida livre.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31755
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGCAT)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
LI732a.pdf4.68 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA