DSpace

RI UFBA >
Instituto de Ciências da Saúde - ICS >
Dissertações de Mestrado (ICS) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29583

Title: Escala de mobilidade para pacientes hospitalizados após acidente vascular cerebral isquêmico.
Authors: Maso, Iara
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira Filho, Jamary
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Pinto, Elen Beatriz
Keywords: Acidente Vascular Cerebral;Mobilidade;Escala;Validação;Fase Aguda;Stroke;Mobility;Scale;Acute-Phase
Issue Date: 20-May-2019
Abstract: INTRODUÇÃO: Os pacientes após AVC apresentam uma restrição importante da mobilidade na fase aguda e o uso de um instrumento de avaliação da mobilidade simples e específico pode ser útil na otimização da reabilitação. OBJETIVOS: Propor uma Escala de Mobilidade (EM) para pacientes hospitalizados após AVC. MÉTODOS: Estudo longitudinal prospectivo composto por duas coortes, a primeira utilizada para calcular o escore da EM (coorte de derivação) e a segunda para validação desta escala (coorte de validação). Os dados sociodemográficas e clínicos foram coletados em prontuário e as seguintes escalas foram aplicadas: National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS) para identificar a gravidade do AVC; Escala de Rankin modificada (ERm) para avaliar o grau de incapacidade; Escala de Mobilidade para verificar o grau de mobilidade e Índice de Barthel modificado (IBm) após três meses para avaliar o desfecho funcional. RESULTADOS: A primeira coorte foi composta por 160 pacientes, sendo 77 do sexo masculino (48,1%), com mediana de idade de 64 anos (57-73) e mediana do NIHSS de 11 pontos (5-17). Nesta coorte a EM apresentou acurácia de 84,5% (95% IC = 78,0 - 89,8; P<0,001), mensurada pela área abaixo da curva Receiver Operating Characteristic (ROC). A segunda coorte foi composta por 160 pacientes, destes 89 eram do sexo masculino (55,6%), apresentavam mediana de idade de 61 anos (50-70) e mediana do NIHSS de 9 pontos (5-15). Na segunda coorte, a EM apresentou uma associação significativa com o desfecho funcional (RC 1,55; 95% IC = 1,36 - 1,78; P<0,001) e após ajuste para variáveis confundidoras (NIHSS, idade, sexo e tratamento trombolítico) a EM se manteve como preditora independente de desfecho funcional (RC 1,38; 95% IC = 1,17 - 1,61; P<0,001). A acurácia da EM na segunda coorte foi de 87,8% (95% IC = 81,7 - 92,4; P<0,001). A EM apresentou tamanho do efeito padronizado superior a ERm (1,41 vs 1,10; p=0,031) e excelente 14 concordância interexaminadores (ICC = 0,96; 95% IC = 0,92 - 0,98; p<0,001). CONCLUSÃO: A Escala de Mobilidade foi um preditor independente de capacidade funcional após três meses de AVC. Mostrou-se confiável, com excelente concordância interexaminadores, e responsiva a mudanças durante a fase aguda.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29583
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (ICS)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissert ICS Iara Maso.pdf5.76 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA