DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Medicina da Bahia >
Pós-Graduação em Medicina e Saúde (PPGMS) >
Teses de Doutorado (PPGMS) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29111

Title: Eosinofilia sanguínea, gravidade e controle da asma na coorte de asma grave do proar
Authors: Matos, Aline Silva e Lima
???metadata.dc.contributor.advisor???: Cruz, Álvaro A.
Keywords: Fenótipos de asma;Eosinofilia sanguínea;Asma grave;Biomarcador
Issue Date: 2-Apr-2019
Abstract: Introdução: Asma é uma síndrome heterogênea com múltiplos fenótipos. A asma eosinofílica é considerada um fenótipo de resposta do tipo T2. Desta forma, a contagem de eosinófilos em sangue periférico pode ser um biomarcador ideal para identificar indivíduos com este fenótipo na rotina clínica. É amplamente disponível, de baixo custo, fácil de coletar e está associado com a eosinofilia do escarro induzido, que tem sido considerado o indicador de asma eosinofílica, um fenótipo do tipo T2. Objetivo: O objetivo desse estudo foi avaliar a eosinofilia sanguínea está relacionada à gravidade de asma e avaliar se a eosinofilia sanguínea está associada com a falta de controle dos sintomas de asma e obstrução das vias aéreas. Metodologia: Este é um estudo caso-controle. Os participantes do grupo caso foram recrutados de uma coorte de pacientes com asma grave, de um centro de referência público em Salvador (Brasil), que demandam corticosteroide inalado associado a broncodilatador de longa ação de forma contínua. Foram dois grupos controles: 1) indivíduos com asma leve/moderada; 2) indivíduos sem asma. Os participantes responderam a questionários, incluindo o ACQ6, tiveram amostras de sangue e de fezes coletadas, realizaram espirometria e teste alérgico cutâneo para aeroalérgenos locais relevantes. Foi considerada eosinofilia sanguínea a contagem de eosinófilos em sangue periférico ≥ 260 cel/mm3. Resultados: Foram avaliados 544 indivíduos no grupo caso, 452 com asma leve/moderada e 450 sem asma. O grupo caso teve mais chance de apresentar asma eosinofílica quando comparado ao grupo leve/moderado [OR 1.60 IC 95 (1.19-2.16)] e quando comparado ao grupo sem asma [OR 3.93; 95 CI (2.90-5.33)]. O fenótipo eosinofílico, de acordo com a eosinofilia de sangue periférico, está associado com asma não controlada [OR 1.56; 95 CI (1.06-2.28)], mas não está associado à obstrução das vias aéreas [OR 0.87; 95 CI (0.61-1.24)]. Conclusão: Em conclusão, uma contagem elevada de eosinófilos em sangue periférico é um biomarcador associado com gravidade de asma e falta de controle da doença em adultos brasileiros, mas não está associada á redução da função pulmonar.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29111
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGMS)
Teses de Doutorado (PPGMS)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese Final - ALINE.pdf3.86 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA