DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26335

Title: Fatores associados à não-aceitabilidade da PrEP entre travestis e mulheres transexuais na região nordeste do Brasil.
Authors: Gomes, Fabiane Soares
???metadata.dc.contributor.advisor???: Dourado, Maria Inês Costa
Keywords: Infecções por HIV;HIV;Prevenção;Pessoas Transgênero;Aceitabilidade
Issue Date: 9-Jul-2018
Abstract: Introdução: Novos métodos de prevenção compõem o leque de possibilidades de prevenção combinada ao HIV, sendo a mais recente a Profilaxia Pré-exposição ao HIV (PrEP), embora o acesso à PrEP nos países em desenvolvimento continua a ser muito limitado. O Brasil tem um dos maiores e mais antigos programas de tratamento do HIV no mundo e em breve integrará a PrEP no Sistema Único de Saúde. Este estudo visa investigar fatores associados à não-aceitabilidade de usar a PrEP entre travestis e mulheres transexuais residentes em Salvador/Bahia. Metodologia: Estudo transversal, no qual foram recrutadas 127 TrMT via a técnica amostral Respondent Driven Sampling (RDS). A análise de classes latentes (LCA) foi utilizada para identificar aquelas dispostas a usar PrEP a partir das seguintes variáveis: 1-vontade de usar PrEP; 2-disponibilidade para usar a PrEP, se disponível no SUS; 3-vontade de usar PrEP mesmo que tenha que pagar; 4-interesse em usar PrEP mesmo que não seja 100% eficaz; 5-ter menos medo de contrair HIV se usar PrEP; 6-vontade de tomar um comprimido por dia; 7-Conhecimento PrEP. A entropia foi 0,99 indicando boa distinção de classes latentes. AIC e BIC foram utilizados para a seleção do modelo LCA. Resultados: Apenas 18,4% das mulheres conheciam a PrEP. No entanto, ao tomar consciência, a disposição de usar a PrEP foi elevada. Duas classes latentes foram identificadas: Classe 1 – alta aceitabilidade da PrEP (91,3%); Classe 2 – baixa aceitabilidade da PrEP (8,7%). A maioria das participantes identificou a PrEP como uma importante medida de prevenção do HIV para as travestis e mulheres transexuais. Os fatores sociocomportamentais associados a Classe 2 foram: não ser negra, ter renda mensal superior a R$ 900,00 e o não uso regular de preservativos nas relações sexuais. Conclusão: A aceitabilidade da PrEP foi alta, 91% das participantes indicaram interesse no método no nordeste do Brasil. Embora o acesso à PrEP ainda seja limitado, a disposição a usar provavelmente seja elevada quando for disponibilizada no SUS, mesmo entre aquelas que usam preservativos regularmente. No entanto, é importante levar em conta fatores sociocomportamentais e discutir a condição de vulnerabilidade ao HIV.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26335
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Diss. Fabiane Soares. 2017.pdf1.76 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA