DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Educação >
Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (PPGEFHC) >
Teses de Doutorado (PPGEFHC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23029

Title: Estudei a vida e a vida ofereceu-me o ensino: trajetórias identitárias de uma professora-pesquisadora que ensina Ciências
Authors: Silva, Patrícia Petitinga
???metadata.dc.contributor.advisor???: Oliveira, Andréia Maria Pereira de
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Souza, Elizeu
Keywords: Narrativa autobiográfica;Experiências negociadas;Múltiplas identidades;Professora-pesquisadora;Ensino de Ciências
Issue Date: 16-Jun-2017
Abstract: Este estudo é uma dimensão autopoiética da narrativa autobiográfica, um processo reflexivo em que sou protagonista de minha própria pesquisa, cujo objetivo é compreender como as trajetórias vividas forjam situações para a (des)construção de múltiplas identidades como professora-pesquisadora que ensina Ciências. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, em que adoto como dispositivo de investigação a história de vida e, como procedimento para a produção da fonte de dados, a narrativa autobiográfica, um movimento de biografização por meio do qual pude dar forma às experiências vividas, interpretá-las e dar-lhes um sentido. A análise da narrativa deu-se por meio de leituras sistemáticas do texto e de seu entrecruzamento com as Aventuras de Alice no País das Maravilhas & Através do Espelho, de Lewis Carroll. A teoria social da aprendizagem de Etienne Wenger foi utilizada como lente teórica para a compreensão de múltiplas realidades forjadas e de identidades (des)construídas na participação em comunidades de prática. As trajetórias vividas não dizem respeito a um curso ou destino fixo, ou a um caminho que possa ser previsto, por isso só podem ser caracterizadas como um movimento constante de imaginação. A imaginação é um componente importante de nossa experiência no mundo, por meio da qual ampliamos nosso eu transcendendo nosso tempo e nosso espaço, criando novas imagens do mundo e de nós mesmas/os. Como seres sociais que somos, estamos relacionando-nos, a todo o momento, com outras/os e, desse modo, percebemos o modo como somos identificadas/os a partir da participação em diferentes comunidades de prática. Na participação em comunidades de prática, significados são (re)negociados mediante o elo entre o social e o individual, produzindo novas imagens constitutivas de nós. Os vários papéis assumidos ao participar em comunidades conduzem-nos à (des)construção de identidades diversas e, muitas vezes, contraditórias, situadas na prática das comunidades. Em experiências de multifiliação a comunidades de prática, múltiplas vertentes identitárias são (des)construídas, mas elas não podem ser vistas como uma unidade ou algo simplesmente fragmentado, pois interagem entre si, influenciando-se mutuamente e demandando coordenação para a conciliação das distintas formas de afiliação às comunidades de que somos membros.
This study is an autopoietic dimension of the autobiographical narrative, a reflexive process in which I am the protagonist of my own research, whose aim is to understand how the lived trajectories forge situations for (de)construction of multiple identities as a teacher-researcher who teaches Sciences. This is a qualitative research, in which I adopt as a research device the life history and, as a procedure for the production of the data source, the autobiographical narrative, a movement of biographization through which I was able to give shape to the lived experiences, interpret them and give them meaning. The analysis of the narrative came about through systematic readings of the text and its intertwining with The annotated Alice: the definition edition by Lewis Carroll. Etienne Wenger's social theory of learning was used as a theoretical lens for the understanding of multiple forged realities and (de)constructed identities in participation in communities of practice. The lived trajectories do not refer to a course or fixed destination, or a path that can be predicted, so they can only be characterized as a constant movement of imagination. Imagination is an important component of our experience in the world, through which we enlarge our self by transcending our time and space, creating new images of the world and of ourselves. As social beings that we are, we are relating to us, all the time, with others and, in this way, we perceive how we are identified from participation in different communities of practice. In participation in communities of practice, meanings are (re)negotiated through the link between the social and the individual, producing new constitutive images of us. The various roles assumed in participating in communities lead to the (de)construction of diverse identities and, many times, contradictory, situated in the practice of communities. In multifiliation experiences to communities of practice, multiple identity strands are deconstructed, but they can not be seen as a unit or something simply fragmented, because they interact with each other, mutually influencing and demanding coordination for a conciliation of the different forms of affiliation to the communities of which we are members.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23029
ISSN: Tese
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGEFHC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2017_Tese_Silva.pdf1.62 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA