DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Farmácia >
Programa de Pós-Graduação em Farmácia (PPGFAR) >
Dissertações de Mestrado (PPGFAR) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22687

Title: Especificidade de anticorpos antimúsculo liso em portadores de hepatite crônica pelo vírus C
Authors: Cabral, Milena Santana
???metadata.dc.contributor.advisor???: Atta, Maria Luiza Brito de Sousa
???metadata.dc.contributor.advisor-co???: Atta, Ajax Mercês
Keywords: anticorpos em HCC;imunofluorescência para AML;anticorpos anti-actina
Issue Date: 1-Jun-2017
Abstract: A infeção crônica pelo VHC tem como principal característica a associação com diversas manifestações autoimunes. Dentre estas, a aumentada expressão de autoanticorpos não-órgão específicos, como os anticorpos antimúsculo liso, com possível importância na patogênese da doença. Objetivos: (1) Determinar a prevalência de anticorpos antimúsculo liso e sua distribuição conforme o gênero em portadores de HCC; (2) caracterizar a reatividade sorológica dos anticorpos antimúsculo liso usando como referência os padrões de fluorescência previamente determinados; (3) estabelecer as associações entre a reatividade sorológica dos anticorpos antimúsculo liso com os dados clínicos e laboratoriais dos portadores de hepatite C; (4) caracterizar imunoquimicamente os anticorpos frente a antígenos purificados. Pacientes: Foram avaliados 100 portadores de HCC, sem tratamento antiviral prévio, com diagnóstico clínico, sorológico, virológico, e histopatológico, acompanhados no C-HUPES. Métodos: Anticorpos antimúsculo liso e antinúcleo foram pesquisados por imunofluorescência indireta e a especificidade imunoquímica investigada através de imunoblot. Dosagens de fator reumatóide, haptoglobina e IgG foram realizadas por nefelometria. Crioglobulinas foram determinadas por crioprecipitação em tubo e por gel-difusão e a ALT por método cinético. Os dados de genótipo e histopatológico foram obtidos dos prontuários. Resultados: Anticorpos antimúsculo liso foram detectados em 21% dos pacientes (55 homens, 45 mulheres), sendo o padrão de fluorescência AML-v o mais frequentemente observado (81%). A associação de padrões mais prevalente foi AML-v e AML-m (71%). A maioria dos títulos dos autoanticorpos foi baixa, com apenas quatro amostras apresentando títulos superiores a 1/40. Apenas uma amostra apresentou padrão glomerular com título maior que 1/40, e não foi encontrado padrão tubular. Das três proteínas associadas aos AML, os portadores de HCC com AML positivos apresentaram maior frequência de reatividade para a actina-F, ocorrendo em 29% das amostras. A associação entre os AML e este antígeno alvo foi significante (P=0,005). Não houve associação estatisticamente significante entre os antígenos desmina e miosina, com os AML, e a prevalência de reatividade para esses antígenos foi inferior. Com o uso do imunoblot comercial, foi encontrada a presença do autoanticorpo anti-LC1 em 52% das amostras positivas para AML e em 15% das amostras negativas para esse mesmo anticorpo. Foi encontrada também a presença do anti-SLA/LP em 14% das amostras positivas para AML e em 8% das amostras que não apresentavam este autoanticorpo. Os anticorpos AMA-M2 e anti-LKM1 não foram encontrados em nenhum dos grupos avaliados. Conclusões: Uma prevalência de 21% para AML foi encontrada neste estudo, com uma relação homem/mulher de 1,1/1. A presença de AML não foi associada a qualquer dos dados demográficos, clínicos e laboratoriais deste grupo de portadores de HCC, nem associada à lesão tecidual. Determinar os padrões de fluorescência e título das amostras é relevante na detecção dos AML. Apenas a minoria dos AML de portadores de HCC reconhecem as proteínas actina-F, desmina e miosina. Foi documentado elevada expressão de anticorpos anti-LC1 neste grupo de portadores de HCC.
The main characteristic in HCV chronic infection is the association with various autoimmune manifestations. Among them, the increased expression of non-organ specific autoantibodies, such smooth muscle antibody, which possible role in HCV pathogenesis. Objectives: (1) Determine the prevalence of smooth muscle antibodies and their distribution according gender in patients with chronic hepatitis C; (2) characterize the serological reactivity of these autoantibodies in accordance with predetermined patterns of fluorescence; (3) establish associations between serologic reactivity of them with clinical and laboratory data from these patients; (4) characterize the antibodies immunochemically with purified antigens. Patients: 100 HCV carriers before treatment had been evaluated, with previous clinical, serological, virological and histopathological diagnosis, from C-HUPES. Methods: Smooth muscle and antinuclear antibodies were performed by indirect immunofluorescence and immunochemical reactivity was determined by immunoblot. Rheumatoid factor, haptoglobin and IgG were quantified by nephelometry. Cryoglobulins were determined by cryoprecipitation in tube and gel-diffusion and the determination of ALT by UV kinetics. Genotype and histophatological data were obtained from medical records. Results: 21% of HCV carriers presented anti-smooth muscle antibodies (55 men, 45 women); with the AML-v pattern the most found (81%). Also, the AML-v and AML-m patterns were the association more prevalent (71%). The titles of most autoantibodies were low, but four samples showed titles above 1/40. Only one sample showed glomeruli pattern with titles greater than 1/40, and no tubular pattern was found. In the imunoblot, the HCV carriers AML positive presented a major reactivity for F-actin (29%), which association with these autoantibody was significant (P=0.005). There was no association between AML with desmin and myosin, which reactivities of the AML to these proteins were low. Autoantibodies anti-LC1 was found in 52% of samples AML positive and in 15% of samples AML negative. It was also found the presence of anti-SLA/LP in 14% of positive samples for AML and in 8% of the negative samples. AMA-M2 antibodies and anti-LKM1 were not found in any of these groups. Conclusions: This study found an AML prevalence of 21%, with 1.1/1 men/women relation. The AML presence was not associated with any of the demographic, clinical and laboratory data from the HCV carries evaluated or associated with tissue lesion. Determine fluorescence patterns and sample titles are relevant to detect these antibodies. Only the minority of the AML from HCV carriers evaluated recognized the proteins F-actin, desmin and myosin. High expression of anti-LC1 antibodies were found in these HCV carries.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/22687
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGFAR)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
MILENA SANTANA CABRAL.pdf2.27 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA