DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Profissional (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21641

Title: Intoxicações por agrotóxicos no Estado do Tocantins: 2010-2014.
Authors: Silva, Sérgio Luis de Oliveira
???metadata.dc.contributor.advisor???: Costa, Ediná Alves
Keywords: Agrotóxico;Agrotóxico Agrícola;SINAN;Tocantins
Issue Date: 13-Mar-2017
Abstract: O Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos e com vários trabalhadores expostos a estes produtos químicos. No Brasil, o Sistema Único de Saúde (SUS), tem aumentado nos últimos anos, o número de notificações de intoxicações exógenas, incluindo os agrotóxicos. Nesse cenário, o Estado de Tocantins também tem colaborado para o crescimento das notificações por intoxicações dos agentes tóxicos constantes na ficha de investigação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação-Sinan (medicamento, agrotóxicos, raticida, produto veterinário, produto de uso domiciliar, cosmético/higiene pessoal, produto químico de uso industrial, metal, drogas de abuso, planta tóxica alimento e bebida). Apesar desse aumento, os números não representarem a realidade das intoxicações, inclusive para agrotóxicos de uso agrícola, objeto desse trabalho. Este estudo é descritivo e exploratório e utiliza como fontes de dados secundários o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tem como objetivo caracterizar as intoxicações por agrotóxicos no Tocantins entre os anos de 2010 e 2014. No total das intoxicações exógenas, o sexo feminino é o mais afetado. No caso das intoxicações para os três tipos de agrotóxicos - de uso agrícola, de saúde pública e de uso doméstico – a maior proporção é no sexo masculino. Ao serem distribuídos, observam-se os seguintes percentuais: de uso agrícola, 6,66%; de saúde pública, 0,82% e doméstico, 3,55%. Os tipos de agentes tóxicos aos quais os intoxicados estiveram expostos apresentam os seguintes percentuais: inseticidas - 29,28%; herbicidas - 27,07% e fungicidas - 4,14%. Araguaína é o principal município notificador e os dez municípios mais notificadores correspondem a 84% do total, sendo que a grande maioria responde por percentuais muito baixos, entre 0,28% e 2,21% das notificações realizadas. Normalmente os dados oficiais limitam-se às notificações nas unidades hospitalares quanto às intoxicações agudas. Diante disso, há indícios de que o consumo de agrotóxico agrícola no Tocantins tem impactos significativos no ambiente e na saúde da população, principalmente nos trabalhadores rurais e seus familiares. As faixas etárias com maior proporção de intoxicações encontram-se nas de 20 a 29 anos e de 30 a 39 anos, com 25,14% e 18,78% dos casos, respectivamente, totalizando cerca de 44% de todas as intoxicações. A letalidade dos casos confirmados para todas as intoxicações exógenas é de 0,95%. Porém, especificamente para agrotóxico agrícola, essa letalidade é de 3,25 %, ou seja, três vezes mais. Esses dados revelam que as pessoas ficam expostas aos agrotóxicos em diversas situações. As circunstâncias da exposição/contaminação nas formas acidental, ambiental e as tentativas de suicídio são dados que deveriam preocupar os gestores das políticas de saúde pública do estado do Tocantins.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21641
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado Profissional (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Diss Sérgio Luís Silva MP. 2016.pdf3.34 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA