DSpace

RI UFBA >
Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia >
Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal nos Trópicos (PPGCAT) >
Dissertações de Mestrado (PPGCAT) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21282

Title: Intoxicação experimental por resíduo de mandioca (manihot esculenta crantz) (manipueira) em ovinos
Authors: Silva, Valdir Carneiro
???metadata.dc.contributor.advisor???: Pedroso, Pedro Miguel Ocampos
Keywords: Ácido cianídrico;Mandioca;Nordeste;Ruminante
Issue Date: 1-Feb-2017
Abstract: O ácido cianídrico é considerado uma das substâncias mais tóxicas que se conhece. Dentre as plantas tóxicas cianogênicas destaca-se a mandioca (Manihot esculenta Crantz). Na industrialização da mandioca para a produção de farinha e extração de fécula são gerados coprodutos sólidos e líquidos. O resíduo líquido que escorre das raízes da mandioca previamente ralada é comumente chamado de “manipueira”. O objetivo do presente trabalho foi determinar a dose tóxica e caracterizar os principais aspectos clínicos da intoxicação por manipueira em ovinos. Seis ovinos receberam diferentes doses de manipueira. No primeiro dia a manipueira continha 0,007 mg/mL de ácido cianídrico (HCN) e os animais receberam respectivamente doses de 0,99 mg/kg, 0,75 mg/kg, 0,70 mg/kg, 0,63 mg/kg e 0,5 mg/kg e o controle 0,0 mg/kg de HCN. Após 24 horas de descanso da mesma manipueira usada no primeiro dia colocada em bacia plástica aberta à sombra, as mensurações foram de 0,003 mg/mL de HCN e as concentrações administradas para cada animal foram 0,46 mg/kg, 0,34 mg/kg, 0,31 mg/kg, 0,28 mg/kg, 0,23 mg/kg e o controle 0,0 mg/kg de HCN. Foi realizada avaliação quantitativa de cianeto em teste do papel picrosódico nos períodos 0, 24 e 48 horas após obtenção da amostra e descanso da mesma em recipiente de plástico na sombra. Os ovinos que receberam doses de 0,99 mg/kg, 0,75 mg/Kg e 0,70 mg/kg de HCN respectivamente, desenvolveram sinais clínicos de taquicardia, taquipneia, midríase, sialorreia, narinas dilatadas, incoordenação motora, tremores musculares, atonia ruminal e timpanismo. Os ovinos que receberam, 0,63 mg/kg e 0,50 mg/kg, apresentaram taquicardia, taquipneia, discreta salivação, tremores musculares e dilatação das narinas. A análise quantitativa dos teores de cianeto total da manipueira atingiu metade da concentração de HCN após 24 horas de descanso, de 0,007 mg/mL para 0,003 mg/mL e após 48 horas foi de 0,001 mg/mL . No segundo dia de experimento somente dois ovinos com doses de 0,43 mg/kg e 0,34 mg/kg apresentaram sinais clínicos de taquicardia e taquipneia e tremores musculares. No teste do papel picrosódico, observou-se reação positiva acentuada para presença de HCN 5 minutos após exposição na hora 0, reação positiva moderada depois de 11 minutos na hora 24 e sem reação às 48 horas. Manipueira subproduto de M. esculenta causa intoxicação em ovino com dose a partir de 0,34 mg/kg de HCN por peso vivo, 10 minutos após a administração.
The cyanide acid is considered one of the most known toxic substances. Among the cyanogenic toxic plants cassava stands out (Manihot esculenta Crantz). In the industrialization of cassava for the production of flour and starch extraction are generated solid and liquid coproducts. The liquid waste that runs off the previously shredded cassava root is commonly called "manipueira". The objective of this study was to determine the toxic dose and characterize the main clinical aspects of poisoning by manipueira in sheep. Six sheep received different doses of manipueira. On the first day manipueira contained 0.007 mg / ml of HCN and the animals received respectively the doses of 0.99 mg / kg, 0.75 mg / kg, 0.70 mg / kg, 0.63 mg / kg and 0.5 mg / kg and the control received 0.0 mg / kg HCN. After 24 hours of rest the same manipueira used on the first day and placed in plastic bowl opened in the shade in the measurements of 0.003 mg / ml and the concentrations of HCN for each animal were administered 0.46 mg / kg, 0.34 mg / kg , 0.31 mg / kg, 0.28 mg / kg, 0.23 mg / kg and control 0.0 mg / kg HCN. The quantitative cyanide evaluation was performed in picrosodic paper test during the periods 0, 24 and 48 hours after obtaining the sample and rest in the same plastic container in the shade. Sheep that have received doses of 0.99 mg / kg, 0.75 mg / kg and 0.70 mg / kg HCN respectively developed clinical signs of tachycardia, tachypnea, mydriasis, hypersalivation and flared nostrils, motor incoordination, muscle tremors, ruminal atony and bloat. In the test picrosodic paperwas observed accentuated positive reaction for the presence of HCN 5 minutes after exposure at time 0, moderate positive reaction after 11 minutes at the time 24 and no reaction to 48 hours. Manipueira the byproduct of M. esculenta cause poisoning in sheep with doses from 0.34 mg / kg HCN by live weight, 10 minutes after administration.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/21282
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado (PPGCAT)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
SILVAVC2016.pdf1.06 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA