DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Educação >
Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (PPGEFHC) >
Teses de Doutorado (PPGEFHC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20684

Title: Composição química: estudos semióticos e psicológicos.
Authors: Gonzalez, Isadora Melo
???metadata.dc.contributor.advisor???: Silva, José Luis de Paula Barros
Keywords: Linguagem Química;Signo;Psicologia histórico-cultural,;Formação de professores.
Issue Date: 22-Sep-2016
Abstract: Nesta tese relatamos a pesquisa de doutorado que teve como tema a Linguagem Química e objetivou analisar como licenciandos em química usam o signo composição química ao se relacionarem com substâncias envolvidas em problemas teóricos de química. Tal objetivo engendrou três frentes de investigação, nas quais analisamos: (1) como os licenciandos usam o signo composição química ao se relacionarem com os materiais envolvidos nos problemas teóricos de química de acordo com os aspectos definidos pela semiótica de Umberto Eco; (2) como os licenciandos usam o signo composição química ao se relacionarem com os materiais envolvidos nos problemas teóricos de química de acordo com os aspectos definidos pelo estudo sobre pensamento e linguagem de Vigotski e colaboradores; e (3) como os processos psíquicos participam das atividades de interpretação e tradução das fórmulas empíricas realizadas pelos licenciandos em química ao resolverem problemas teóricos de química. Os participantes dessa pesquisa qualitativa foram estudantes do curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal da Bahia. Os dados foram registrados em papel, áudio e vídeo e transcritos para análise. Os resultados sugerem que ao empregarem o signo composição química na busca por proporem soluções para os problemas teóricos e para o desafio apresentados nas investigações, os licenciandos interpretaram e traduziram as fórmulas empíricas usando: a percepção para discriminar marcas semânticas, a memória para reproduzir os nomes, classes, significados etc., a atenção para selecionar o(s) significado(s) e o pensamento lógico para generalizar as substâncias. Constatamos que os sistemas conceituais veiculados pelas fórmulas empíricas, pelos licenciandos, foram marcados pela subjetividade, resultantes dos seus diversos processos de socialização, formação e desenvolvimento. E identificamos problemas na interpretação e tradução de nomes de substâncias por parte dos licenciandos. Os resultados apontam a necessidade de se dar mais ênfase ao ensino da Linguagem Química no âmbito da formação inicial e continuada de professores de química. Nesse sentido, propomos uma abordagem didática que considere aspectos sintáticos, semânticos e psicológicos, para a apropriação do signo composição química por estudantes de química.
In this thesis, we report the doctorate research with the theme Chemical Language and aimed to analyse how licentiate students in chemistry use the chemical composition sign when interacting with substances involved in chemistry theoretical problems. This objective has engendered three research fronts in which we analysed: (1) how licensees in chemistry use the chemical composition sign when interacting with the materials involved in chemistry theoretical problems according to the aspects defined by Umberto Eco semiotics; (2) how the licensees use the chemical composition sign to relate to the materials involved in chemistry theoretical problems according to the aspects defined by the study of thought and language developed by Vygotsky and contributors; and (3) how psychic processes participate in activities of interpretation and translation of empirical formulas carried out by the licensees when solving chemistry theoretical problems. Participants of this qualitative research were students of the licentiate degree in chemistry at the Federal University of Bahia. Data were recorded on paper, audio and video and transcribed for analysis. Results suggest that by employing the chemical composition sign in the search for proposing solutions for theoretical problems and for the challenge presented in the investigations, the licensees interpreted and translated the empirical formulas using: perception to discriminate semantic tags, memory to reproduce names, classes, meanings, etc., attention to select meaning(s) and logical thinking to generalize substances. We found that the conceptual systems conveyed by empirical formulas by the licensees were marked by subjectivity, resulting from their various processes of socialization, education and development. We have identified problems in the interpretation and translation of substance names by the licensees. The results show the necessity of giving more emphasis to the teaching of Chemistry Language within initial and continued training of chemistry teachers. Thus, we propose a didactic approach that considers syntactical, semantic and psychological aspects, for the appropriation of the chemical composition sign by chemistry students.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20684
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGEFHC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
COMPOSIÇÃO QUÍMICA ESTUDO SEMIÓTICO E PSICOLÓGICO. Isadora Gonzalez.pdf2.72 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA