DSpace

RI UFBA >
Faculdade de Educação >
Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) >
Teses de Doutorado (PPGE) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14228

Title: A Família e o desenvolvimento da criança cega
Authors: Araújo, Sheila Correia de
???metadata.dc.contributor.advisor???: Miranda, Theresinha Guimarães
Keywords: Criança Cega;Família;Educação Especial;Teoria Ecológica;Desenvolvimento infantil
Issue Date: 18-Dec-2013
Abstract: Esta tese parte do pressuposto que o lar é o primeiro ambiente ao qual pertence a criança e onde lhe serão oferecidas informações culturais, sociais e morais que são transmitidas através de gerações; e que, ao nascer uma criança cega, repercussões ao seu desenvolvimento serão promovidas, primeiramente, por seus familiares. O objetivo geral é descrever o ambiente familiar e a sua influência no desenvolvimento da criança cega e os objetivos específicos são analisar o processo de interação ambiental, a partir do conhecimento do espaço imediato de crianças cegas, descrever a especificidade desse sistema, relacionar os fatores da especificidade do sistema com o desenvolvimento da criança cega e conhecer o desenvolvimento funcional da criança estudada. A cegueira é compreendida a partir da perspectiva do modelo social da deficiência que aponta a desigualdade, a injustiça social e de opressão como fatores que influenciam negativamente a pessoa com deficiência; assim como compreende ser a cegueira apenas uma outra dialética para conhecer o mundo, se afastando da visão visocentrista. O referencial teórico adotado para compreender desenvolvimento humano é a teoria ecológica de Bronfenbrenner, que entende ser a partir da interrelação da pessoa com os diversos sistemas que irão ocorrer tanto continuidade quanto características disruptivas durante o curso da vida. A metodologia utilizada para o desenvolvimento da pesquisa foi o estudo de caso e, inicialmente, a proposta era investigar três microssistemas nos quais vivia a criança. Contudo, sentiu-se a necessidade de observar outro ambiente desenvolvimental compreendido como o mesossistema, sendo escolhido para cada família um novo sistema, a saber: a casa dos avós paternos, a creche e o parque. O estudo foi realizado com três famílias e foram utilizados quatro instrumentos: o Inventário HOME (Home Observation for MeasurementoftheEnviromente), que avaliou a qualidade do ambiente em que vivia a criança; a entrevista semiestruturada, que compreendeu a singularidade e vulnerabilidade da criança com o seu entorno; a Avaliação Funcional da Criança, que foi aplicada pelos terapeutas das crianças para conhecer como estava o desenvolvimento da criança e as observações nos “Nichos” ecológicos para identificar as interações ocorridas no lar. O resultado aponta a fragilidade dos lares quanto a estruturas, educação e pobreza e o quanto as famílias sofrem com o preconceito e a invisibilidade das pessoas cegas. As díades de relação são propulsoras de desenvolvimento, assim como a convivência com coetâneos. As crianças iniciaram a intervenção precocemente em instituições especializadas e a inclusão se deu na educação infantil, sendo estes fatores positivos para o desenvolvimento e a aprendizagem da criança. Conhecer as especificidades do microssistema e propor ações integradoras entre a educação e a saúde são fundamentais para uma atuação mais eficaz junto às famílias que convivem com crianças cegas.
URI: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14228
ISSN: tese
Appears in Collections:Teses de Doutorado (PPGE)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TESE_SHEILA_ARAUJO.pdf2.66 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA