DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Teses de Doutorado (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11159

Title: Assaltantes na estrada: estudo sobre vitimização de rodoviários interurbanos por roubos na Bahia
Authors: Inoue, Silvia Regina Viodres
???metadata.dc.contributor.advisor???: Machado, Eduardo Paes
Keywords: Rodoviários;Roubo;Vitimização;Crimes;Roads;Robbery;Victimization;Defenses
Issue Date: 2012
Publisher: Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva, como requisito parcial para o título de Doutor em Saúde Pública.
Abstract: Desde a década de noventa os roubos a ônibus têm se constituído uma frequente expressão de crimes predatórios contra rodoviários interurbanos baianos. Após duas décadas, a vitimização permanece pouco discutida, nesse sentido, investigou-se os diferentes tipos, formas e scripts dos roubos, os danos decorrentes da vitimização sobre as relações de trabalho e saúde dos rodoviários, as respostas das vítimas, das empresas e do sistema de segurança pública. De caráter qualitativo, o estudo fundamentou-se em entrevistas com 60 rodoviários, questionários, observação participante e pesquisa documental. Discute-se a confluência das condições de possibilidades para o crime: a malha rodoviária extensa, precária e insuficientemente policiada; a convergência no tempo e espaço adequado de alvos tangíveis, ofensores competentes e a ausência de vigilantes capazes. Constatou-se que diferentes modos de viagens, ou seja, as características dos alvos (acessibilidade e valor) atraem ofensores de maior ou menor instrumentalização. Enquanto os ônibus comerciais são assaltados por ofensores que roubam o ônibus após se passarem por passageiros, os veículos executivos são alvos de grupos fortemente instrumentalizados que retiram o veículo das rodovias para saqueá-los. No roubo aos ônibus executivos nota-se uma complexa organização social, com ações e papéis regulares e hierárquicos e interação tripartida: o primeiro contato dos ofensores é estabelecido com o rodoviário (alvo/vítima instrumental), a partir da invasão do veículo os passageiros (alvos principais) são inseridos no frame do roubo. O caráter crônico desses eventos divide os rodoviários entre aqueles que têm no risco de vitimização a principal motivação para o abandono da carreira e os que naturalizam a possibilidade de tornarem-se vítimas. Vitimizados ou não, parte dos entrevistados convivem diariamente com o sentimento de medo e o adoecimento lendo e gradual e raramente recebem amparo dos empregadores. Na prevenção e dissuasão contra aos roubos observou-se a atuação de defesas pessoais e defesas institucionais. Como resultado desta junção constatam-se graduais alterações na perpetração desses crimes, que em lugar de serem extintos, migram ou retornam para as mesmas regiões, tão logo as defesas deixem de ser empregadas ou possam ser superadas. De modo que,identificam-se hotspots e dangerous hours, alvos preferenciais e modus operandis distintos na distribuição dos roubos. A vitimização por roubos a ônibus em rodovias é uma violência extrema à medida que: apesar dos scripts e hotspots conhecidos, ainda não há defesas ou engajamentos capazes de coibi-los; há indícios de laços de cumplicidades de membros de instituições policiais e grupos criminosos na manutenção desses crimes; ainda que seja uma vitimização coletiva e crônica, com graves impactos sobre as vítimas e sem limites de níveis de violência expressiva empregada, as vítimas não são reconhecidas como tais, sendo tratadas com negligência e omissão, o que em parte é explicado pela naturalização desses eventos.
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11159
Appears in Collections:Teses de Doutorado (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese SILVIA VIODRES. 2012.pdf8.99 MBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA