DSpace

RI UFBA >
Instituto de Saúde Coletiva - ISC >
Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10380

Title: Família e o cuidado ao portador de psicose em um CAPS de Salvador.
Authors: Silva, Mônica Santana
???metadata.dc.contributor.advisor???: Nunes, Mônica de Oliveira
Keywords: Família;Psicose;Cuidado;Famíly;Psychosis;Care;Saude publica
Issue Date: 2007
Publisher: Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva
Abstract: Esta dissertação discute fundamentalmente as práticas de cuidado em saúde mental dispensadas pelas famílias de portadores de transtorno mental psicótico e os significados atribuídos ao cuidado. Para isto, entrevistaram-se familiares, usuários e profissionais de nível superior. Optou-se por focalizar na experiência dos entrevistados, utilizando como base a metodologia fenomenológica. Além das práticas de cuidado e seus significados, procurou-se entender sua relação com os seguintes aspectos considerados relevantes na operacionalização destas práticas: o impacto da doença na família e no usuário; a importância e a intervenção do tratamento junto à família, incluindo nesta o usuário; a participação da família no tratamento; e, por fim, buscou-se entender as expectativas dos entrevistados quanto ao tratamento. Com a realização da pesquisa, observou-se que as práticas de cuidado da família e seus significados ainda espelham o paradigma do Modelo Asilar, ao mesmo tempo em que, identificam-se reflexos do Modelo Psicossocial em construção. Como o serviço de saúde mental escolhido foi um CAPS de Salvador com uma proposta de reabilitação psicossocial, esperava-se encontrar uma participação mais ampla das famílias no tratamento como parte do cuidado ao familiar doente. Entretanto, identificou-se uma participação muito restrita das famílias. A família encontra várias dificuldades no cuidado cotidiano ao familiar com psicose como sua própria rejeição à doença. Por isso, a importância atribuída ao tratamento pelos familiares advém dos resultados em termos de inclusão social do usuário dentro das próprias famílias. Embora não sejam suficientes, as intervenções do serviço na família através dos atendimentos e das visitas domiciliares contribuem para solucionar ou amenizar as dificuldades no cuidado. Concluiu-se que as famílias precisam ser envolvidas coletivamente no tratamento, não apenas através de intervenções focalizadas em cada família, mas incluir ações mais coletivas como grupos dirigidos às famílias, atividades sócio-culturais em território que não são apenas ações clínicas, mas sócio-culturais e políticas. Para isso, a equipe do CAPS como um todo precisa estar sintonizada com o paradigma do Modelo Psicossocial para que isto se reflita nas formas de cuidado das famílias.
Description: p. 1-126
URI: http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10380
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado Acadêmico (ISC)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
444444444444.pdf672.14 kBAdobe PDFView/Open
View Statistics

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

    Universidade Federal da Bahia

Contate-nos. Saiba mais sobre o RI/UFBA